“Grand Theft Auto 5” é abolido de lojas australianas por existir conteúdo de violência contra mulher

Duas grandes redes de varejo da Austrália – que são como uma espécie de Lojas Americanas de lá – decidiram retirar completamente das prateleiras os jogos da Rockstar“Grand Theft Auto 5”.

no MSN

Uma petição criada por três moças, alertando e criticando o conteúdo de violência contra mulher que existe no jogo, ganhou mais de 45 mil assinaturas e gerou um burburinho que chegou ao conhecimento dessas lojas.

Grand Theft Auto 5
“GTA 5” é abolido de lojas australianas por existir conteúdo de violência contra mulher

“Este jogo se espalha a ideia de que certas mulheres existem como bodes expiatórios para a violência masculina“, afirma a descrição da petição. “Jogos como este estão criando mais uma geração de meninos que concordam com a violência contra as mulheres”.

“GTA” sendo “GTA”: sempre polêmico

Não é nem uma surpresa ver a franquia de sucesso da Rockstar recebendo críticas ou até mesmo processos judiciais. “GTA” sempre foi alvo de amor e ódio das pessoas por causa de sua história e jogabilidade controversa. É possível, sim, transar uma mulher e matá-la. Mas não há um incentivo epecífico para tal ou uma missão que peça que isso seja feito. Tudo depende da escolha do jogador que pode vandalizar, assassinar e cometer inúmeros outros crimes além deste.

Fato é que a petição chamou mesmo atenção das lojas Target, para quem foi direcionada, e também da Kmart. As empresas olharam mais à fundo para temática de “GTA 5” e decidiram questionar a opinião dos clientes sobre vender ou não o game. “Depois de uma análise a todos os conteúdos nos jogos Grand Theft Auto, a Kmart tomou a decisão de remover este produto imediatamente,” disse um representante das lojas ao site Kotaku australiano. “O Kmart pede desculpa por não ter estado mais atento ao conteúdo deste jogo”.

+ sobre o tema

Homofobia no Brasil: estatística de guerra

Assassinato de 1,3 mil pessoas em seis anos revela...

‘Suas filhas vão passar fome’: frase de Jean é típica de relação abusiva

"Suas filhas vão passar fome." "Parabéns. Terminou com a minha...

Que limites o conservadorismo quer impor à vida das mulheres?

Segundo o Mapa da Violência 2015, a cada 4...

para lembrar

Perigo, por Sueli Carneiro

Novo tema ganhou destaque na imprensa nos últimos dias....

‘Veto mostra falta de sensibilidade e reflete o misto de desumanidade, omissão e indiferença’

Veto contra a distribuição gratuita de absorventes mostra falta...

Pela primeira vez, alunas negras concorrem à gestão do Centro Acadêmico de Direito da UFF.

Em meio aos conflitos em relação à instabilidade do...

Comunicado do IPEA sobre trabalho doméstico

Este texto dedica-se à análise das condições de vida...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=