Gustavo Gomes da Silva, 10 anos, fruto do orgulho racial e da luta contra a intolerância

Conheça o estudante Gustavo Gomes da Silva, de 10 anos, que tem a MELHOR mensagem aos intolerantes do Brasil

por Thiago de Araújo no Brasil Post

Reprodução/Youtube

Não é segredo para ninguém que o Brasil vive um momento de intolerância e polarização da sociedade, seja no campo social, política ou religioso. Para combater isso, o que resta? A educação. Não, a opinião não é só nossa.

O menino Gustavo Gomes da Silva tem apenas 10 anos, é negro, mas certamente tem mais noção do que muita gente que você conhece. Quer uma prova? Eis o que ele respondeu sobre o incentivo à cultura africana nas escolas.

“Eu já conhecia algumas outras histórias africanas. Eu acho que é muito bom, gosto muito das histórias africanas, gosto de ouvir, contas, às vezes até de fazer. Se eu sou mesmo afrodescendente, esse afrodescendente gosta de contar, de fazer história, porque mesmo que não apareça a moral, como nas fábulas, (elas) têm uma moral ali escondida que você toma (para si). Você aprende a ser humilde, a ser forte, aprende a respeitar os outros, assim como a gente deve ser”.

E não foi só. Para Gustavo, ler sobre a cultura africana desde cedo ajuda não só aos afrodescendentes, mas todos os estudantes. A resposta dele sobre o racismo e a intolerância é a MELHOR!

“Acho que aprendem a respeitar, aprendem que ninguém pode viver sozinho, viver isolado. Todo mundo tem que estar em conjunto, em uma equipe bem grande, para a gente combater o preconceito, a fome, combater praticamente tudo. Sempre se cria um debate, sempre vai haver alguém que é racista, que vai ter uma opinião diferente, por isso que eu gosto de sempre aprender alguma coisa, não para debater com ela, mas mostrar como que é ser negro, mudar o ponto de vista da pessoa como você se vê.

Você saber pedir, saber respeitar não é ser fraco. Ser fraco é você não pedir, não respeitar, não ajudar para não parecer fraco. Isso é ser fraco. Nunca é bom ser arrogante com as pessoas, nunca é bom tentar debater com a pessoa para deixar ela no chão, você tem que fazer a pessoa ver o seu ponto de vista. Isso vai mostrar para a pessoa que ‘você é negro, você é isso, você é aquilo’, não. Sou negro, mas eu tenho dois olhos, dois braços, duas pernas, dois rins, um pâncreas, um fígado, tudo o que você tem. O que muda é a cor da pele e a personalidade, porque o caráter é a única coisa que em quase nada pode mudar”.

As declarações de Gustavo foram feitas pela reportagem da Rede TVT, durante uma matéria sobre o Projeto Leituraço, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo em 2014. A reportagem do ano passado voltou a viralizar nas redes sociais nesta semana.

Gostou do Gustavo? A TVT fez uma segunda reportagem sobre ele, mostrando que o combate ao racismo começa também em casa.

Quanto à intolerância, o exemplo de Gustavo mostra que há esperança.

+ sobre o tema

Conae SP: Delegados criticam falta de tempo para discussão em etapas municipais e intermunicipais

Em segunda cobertura especial sobre a Conae, o Observatório...

Crítica: Marilena Chaui terá sua obra publicada em nove volumes

  Os "Escritos de Marilena Chaui" começam agora a ser...

Violência é o maior problema para pais, alunos e professores da escola pública

Pesquisa conclui que, no estado de São Paulo, progressão...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Cursos a distância sobem 51% no ensino superior e número de vagas supera o de modalidade presencial

Modalidade avança na rede particular, mas taxa de alunos...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...
spot_imgspot_img

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...

Juventude negra, ciência e educação

Mesmo com os avanços já promovidos pela lei 12.711/2012, que nacionalizou o sistema de cotas nas universidades federais, o percentual da população brasileira com 25 anos...

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou que o Estado do Rio de Janeiro e o município do Rio se abstenham de apreender e...
-+=