Gustavo Gomes da Silva crítico do racismo recebe prêmio e lança livro de poesia

Um ano depois de “aula” de cidadania em entrevista à TVT, o menino Gustavo reafirma luta contra a discriminação e indigna-se com o preconceito: ‘É como se o homem tivesse decidido parar de evoluir’

Do RBA

Depois de aparecer na TVT, no ano passado, dando um depoimento que foi considerado uma aula contra o preconceito, a vida do menino Gustavo Gomes mudou. O garoto participou de vários programas de TV, foi colunista da Folha de S. Paulo por um mês e acaba de lançar o seu primeiro livro, a coletânea de poemas Meu Universo. Gustavo foi reconhecido como uma criança que faz a diferença, e recebeu o prêmio Cidadão São Paulo, na categoria infantil, promovido pelo portal Catraca Livre. O que não mudou é a capacidade de se indignar: “O racismo tem que ser combatido sempre”, afirma Gustavo, em entrevista ontem (3) ao Seu Jornal.

“Eu era um garoto baixinho, negro, com o cabelo duro. Era muito zoado”, conta Gustavo, que sofria com piadas e apelidos mas, hoje, diz não mais se abalar. O garoto, que quer escrever mais livros e que sonha em ser psicólogo, vai direto ao ponto e diz que o racismo é uma atitude “estúpida”.

Leia Também:  Há preconceito contra negros, diz Gustavo Gomes da Silva, 11, colunista da ‘Folhinha’

“É como se (o homem) tivesse decidido parar de evoluir. Porque (a humanidade) foi descobrindo várias coisas, diversas tecnologias, descobriu como é que se faz o avião, como se faz uma televisão, como se faz praticamente tudo, como se cura doenças, e ainda não consegue entender que as pessoas são iguais por dentro. Então, não tem por que discriminar”, ensina o menino – mais uma vez –, falando à repórter Caroline Campos.

A mãe, Cícera, surpreendida pela fama repentina do garoto, aconselha: “Eu falo para ele colocar os dois pés no chão, subir degrau por degrau e nunca atropelar os outros”. As conversas com a mãe fizeram com que o menino aprendesse a reconhecer e a lidar com o racismo desde cedo.

Leia Também: Gustavo Gomes da Silva, 10 anos, fruto do orgulho racial e da luta contra a intolerância

Gustavo conta ainda que passa a maior parte do tempo lendo. “É uma coisa maravilhosa”, afirma, ao dizer que com a leitura consegue se transportar para “outros mundos”.

+ sobre o tema

Ferdinand defende-se de caso de racismo contra Cole

O julgamento do caso de racismo de Terry...

Ruth de Souza completa hoje 90 anos

Por: Rubens Ewald Filho   Sempre tive...

Quilombola capixaba lança primeiro clube de leitura antirracista do Brasil

Com entrega mensal de livros a associados, Pretaria BlackBooks...

para lembrar

spot_imgspot_img

Exposição e seminário em São Paulo celebram legado de Nelson Mandela

No dia 18 de julho é celebrado o Dia Internacional Nelson Mandela, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reconhecimento à contribuição...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...
-+=