História de quilombo de Belo Horizonte é narrada por suas lideranças

Relatos estão reunidos em livro que será lançado nesta sexta-feira, na sede da comunidade

Do UFMG

Relatos da matriarca Mãe Efigênia (Mametu Muiandê) e Cássia Cristina (Makota Kidoialê), lideranças do quilombo Manzo, localizado na Zona Leste de Belo Horizonte, estão registrados no livro Manzo: ventos fortes de um kilombo, que será lançado nesta sexta-feira, 6, às 18h, na sede do quilombo, no bairro de Santa Efigênia.

Resultado do projeto de extensão Quilombo em livro, a obra foi produzida com base em uma série de entrevistas com Mãe Efigênia e Cássia Cristina, transcritas e editadas pelos integrantes do Quilombo em Livro. Dividido em sete capítulos, Ventos fortes de um kilombo apresenta uma linha do tempo cujo marco é o nascimento de Efigênia.

A obra reúne conhecimentos tradicionais e descreve a complexa rede que envolve a comunidade, que se vê em batalhas permanentes para manter seu território, cultura, fé e modo de vida. A ausência de escolas e postos de saúde nas imediações e as relações conflituosas com o poder público – a Prefeitura de BH chegou a desocupar o terreno onde o quilombo está instalado e a expulsar os moradores por 80 dias – também são destacadas na narrativa.

“Esse livro é para dizer que existimos, somos sobreviventes da intolerância, do racismo e da incapacidade de um governo que um dia por aqui passou e violou uma série de direitos. Direito à liberdade um dia assinada e decretada por ele mesmo, porém nunca instituída. Para escrever nossa história, é preciso compreender nossa luta”, afirma Cássia.

Anseio antigo das lideranças Manzo, a publicação do livro foi viabilizada pelo Projeto Quilombo em Livro, vinculado a Fale. A coordenação editorial ficou a cargo da professora Aline Bicalho, e o trabalho de organização foi executado pelos alunos de formação em edição Iago Passos, Gabriel Prado, Keila Freitas e Franz Galvão Piragibe.

Durante o lançamento, haverá distribuição gratuita e limitada de exemplares do livro. A obra se destina principalmente às escolas do entorno da comunidade e a parceiros, como outros quilombos e ativistas.

A publicação, com tiragem inicial de 500 exemplares, foi beneficiada por edital da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis. No evento de sexta, também será lançada campanha de financiamento coletivo para viabilizar a segunda tiragem. Mais informações estão disponíveis em evento criado no Facebook.

O Kilombo Manzo fica na Rua São Tiago, 216, no bairro Santa Efigênia.

O Programa Universo Literário, da Rádio UFMG Educativa, que foi ao ar na manhã desta quinta-feira, conversou com Makota Kidoialê sobre o livro.

+ sobre o tema

para lembrar

Robson Conceição ganha medalha de ouro inédita no boxe para o Brasil

Jornal da Globo fez entrevista exclusiva no estúdio olímpico...

Ronaldo assume comando do Comitê Organizador da Copa

O ex-atacante Ronaldo confirmou as especulações que circularam nos...

Alexandra Priscila do Nascimento

Alexandra Priscila do Nascimento (Limeira, 16 de setembro de 1981) é uma handebolista brasileira, integrante daseleção...

Fundação Cultural Palmares expressa pesar pela morte de Solimar Carneiro, fundadora do Geledés

A Fundação Cultural Palmares expressa profundo pesar pela morte...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=