Guest Post »
H&M fecha temporariamente lojas na África do Sul após protestos por racismo
Photo Credit To (FOTO: FLOYD SHIVAMBU/TWITTER)

H&M fecha temporariamente lojas na África do Sul após protestos por racismo

Empresa se tornou alvo de polêmica, após campanha em que se mostrava um menino negro vestindo um agasalho com a frase ‘o macaco mais legal da selva’

Da ÉPOCA 

LOJA DA H&M DEPREDADA NA ÁFRICA DO SUL (FOTO: FLOYD SHIVAMBU/TWITTER)

A marca de roupas sueca H&M fechou temporariamente suas lojas na África do Sul, como consequência dos protestos registrados nesse país contra uma propaganda tachada de racista que a empresa tinha retirado do catálogo após a polêmica suscitada por essa peça.

Nas ações de protesto registradas no sábado nem empregados nem clientes ficaram feridos, segundo afirmou a H&M através da sua conta no Twitter, mas, apesar disso, a empresa optou por fechar temporariamente os estabelecimentos por considerar prioritário garantir a segurança das pessoas.

A mensagem acrescenta que as lojas serão reabertas assim que se restabeleça a segurança.

No sábado, aconteceram ações de protesto em seis lojas da rede em Joanesburgo e outros pontos das províncias de Gauteng, aparentemente impulsionados pelo grupo esquerdista Economic Freedom Fighters (EFF), segundo informações do portal sul-africano “News24”.

Os protestos seguem à indignação causada no mundo todo por uma campanha da marca, em que se mostrava um menino negro vestindo um agasalho com a frase ‘the coolest monkey in the junlge’ (‘o macaco mais legal da selva’).

A rede sueca retirou o agasalho do seu catálogo e pediu desculpas, em meio a críticas surgidas nas redes sociais e também entre figuras do esporte, como o jogador de basquete americano LeBron James.

O artista canadense Abel Tesfaye, líder do projeto musical The Weeknd, também decidiu romper sua colaboração com a empresa sueca em protesto pelo anúncio.

A H&M expressou em um primeiro comunicado sua “compreensão” pela indignação criada pela imagem do menino e se comprometeu a analisar o ocorrido para impedir este tipo de incidente no futuro.

No entanto, o grupo sul-africano EFF considerou que as desculpas chegaram tarde e convocou os protestos contra as “lojas racistas”.

Related posts