Homem é preso depois de criticar abordagem da PM no Facebook

Rapaz reclamou de blitz em Sarandi e, um dia depois, foi preso no trabalho.
Comissão de Direitos Humanos condenou a ação: ‘Abusiva e humilhante’.

Um homem de 33 anos foi preso, na manhã desta sexta-feira (22), depois reclamar no Facebook de uma abordagem feita pela Polícia Militar (PM) durante uma blitz em Sarandi, no norte do Paraná. O comentário foi feito na noite de quinta-feira (21), mesmo dia da operação, na página de um site de notícias da cidade.

Clodoaldo Lima criticou a forma com que os policiais abordaram as pessoas na blitz. “Com puro abuso de autoridade, falta de bom senso por parte dos policiais e principalmente pelo comandante da operação […], que fizeram essa blitz com o único intuito de ferrar trabalhadores, sem o mínimo de bom senso, ao invés de ir atrás de bandidos”, postou ele.

Algumas horas depois do comentário, um policial militar comentou no mesmo post, citando a prisão do rapaz, feita no local de trabalho dele.

“Uma equipe de policiais foi até a empresa onde […] trabalha no Parque Industrial e o deteve, em seguida, algemado o encaminhou até a Delegacia de Policia de Sarandi. […] tem 33 anos, é casado e pai de dois filhos. Os policiais continuarão investigando outras pessoas, a fim de localizar e identificar, que fizeram comentários na página sobre a atuação da PM”, dizia a mensagem.

Para o comandante da 4ª Companhia de Polícia Militar de Sarandi, capitão Luciano Mazeto, o homem fez comentários que prejudicaram o policial, já que citou o nome dele e o imputou o crime de abuso de autoridade.

site_manchete_sdi_2208_2
‘Cometi o erro de emitir minha opinião’, diz o homem preso. (Foto: Agnaldo Vieira/Manchete)

“Vai muito da interpretação, mas o rapaz pode ser enquadrado no crime de difamação, por ele ter citado o nome do policial. Ele o imputou a prática do crime de abuso de autoridade. Isso também pode ser considerado calúnia”, explicou o comandante.

Segundo Mazeto, a prisão era necessária. “É um crime contra a honra do policial. Ele se sentiu ofendido e prejudicado. Nós, então, identificamos o suspeito, fomos até onde ele estava e, como é procedimento normal, encaminhamos para a delegacia”, afirmou o capitão.

Lima prestou depoimento na delegacia e, pouco depois, foi liberado, ainda nesta sexta-feira. “Para mim, a blitz se faz necessária, mas, talvez, eu não escrevi certo. O que acho é que, às vezes, naquele horário [a blitz foi feita no fim da tarde], pode acontecer de pegar muita gente que está trabalhando. Devido à situação de hoje no país, não é todo trabalhador que tem 800, 900 reais para manter o carro em dia. Foi só o que quis dizer. Eu respeito muito o trabalho de todo mundo, inclusive o dos policiais. Eu sou um cidadão de bem, não ofendi ninguém. Só cometi o erro de emitir minha opinião”, defendeu-se, na saída da delegacia.

O presidente da Comissão de Diretos Humanos da OAB Maringá, Fulvio Stadler Kaipers, considera a prática abusiva e humilhante. Para ele, não cabia prisão ao homem, na ocasião. “Não cabe prisão neste caso. Os crimes de calúnia e de injúria têm pena mínima, em regime aberto. Mesmo que o comentário tenha sido injurioso, há um procedimento, que passa pelo Poder Judiciário. Os policiais fizeram isso para humilhar um cidadão de bem, apenas”, ponderou.

Segundo Kaipers, Lima pode representar contra o policial pelo crime de abuso de autoridade. “O rapaz pode procurar um advogado e ir atrás de seus direitos, já que foi humilhado. Toda vez que um policial age de forma violento, deve ser coibido. Estamos expondo nosso cidadão de bem”, explicou.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Em Salvador, um caso de racismo no dia de Iemanjá

Três mulheres negras foram expulsas de "festa VIP" em...

Uma breve reflexão sobre o racismo no Brasil e o direito no âmbito da sociedade brasileira

Esse artigo propõe-se a discutir, numa perspectiva crítica, a...

Cota para negros em pauta no STF

    - A constitucionalidade ou não do...

Veículos de comunicação popular do Rio discutem pouco o racismo, diz pesquisa

por Cristina Indio do Brasil A organização não governamental Observatório de...

para lembrar

Coalizão Negra por Direitos pede indicação de uma jurista negra ao STF

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de...

Polícia vai indiciar funcionário de drogaria acusado de racismo no Rio

A Polícia Civil do Rio decidiu indiciar o...

Seu Jorge é hostilizado e sofre ataques racistas em show em Porto Alegre

O cantor Seu Jorge foi hostilizado e sofreu ataques racistas da...

Perícia: PM de SP não poderá mais socorrer vítimas de confrontos

A partir desta terça-feira (8), os policiais militares de...
spot_imgspot_img

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...
-+=