Homens hétero, brancos e malhados ainda são norma em Hollywood, conclui pesquisa

Homens hétero, brancos e malhados ainda são norma em Hollywood, conclui pesquisa. Estudo de universidade norte-americana apontou falha na representatividade de mulheres, negros, pessoas LGBT e outras minoras no cinema

 

Do Diario de Pernambuco

Hollywood ainda falha na representação de mulheres, negros, pessoas LGBT e outras minoras tanto em suas produções cinematográficas quanto por trás das câmeras, nas equipes de produção. Foi o que apontou um relatório da Media, Diversity & Social Change Initiative (MDSC), projeto da Escolha Annenberg de Comunicação e Jornalismo da Universidade do Sul da Califórnia (USC), que analisou 900 filmes de grande bilheteria lançados entre 2007 e 2016 – com exceção do ano de 2011, que foi estudado em outra pesquisa.

O estudo constatou que houve pouca ou nenhuma mudança na representatividade desses grupos minoritários ao longo dos anos, com permanência de “homens hétero, brancos e malhados como norma na telona”. De 100 filmes lançados em 2016, a pesquisa descobriu que apenas 31,4% dos personagens com falas eram mulheres, enquanto pessoas que não são brancas representavam 29%. Dessas, 13,6% eram negras e 5,7%, asiáticas. O grupo de hispânicos foi o que teve piores números, com 3,1%. Jogando luz sobre gênero e diversidade sexual, 1,1% de personagens com fala eram gays, lésbicas ou transexuais. Apenas um desses filmes tinha um protagonista LGBT: o vencedor do Oscar Moonlight.
Das produções analisadas, quase a metade não tinha nenhuma mulher negra como personagem com falas e cerca de dois terços repetia o problema com mulheres asiáticas ou hispânicas. Quanto a oportunidades de trabalho para mulheres e outros grupos minoritários em Hollywood, a análise viu uma questão já amplamente debatida na indústria: só 4,2% dos filmes de 2016 tinham diretoras – e nenhuma delas era negra. No total, foram contabilizados 1,438 mil criadores de conteúdo, entre escritores, diretores e produtores, dos quais 17,8% eram mulheres.
“Esses são problemas contínuos e sistemáticos. É impossível olhar para esses dados e não concluir que grande parte da militância envolvendo representatividade midiática com o passar dos anos não foi bem sucedida. Essas descobertas revelam que o apagamento de diferentes grupos é aceitável para alguns – não precisamos analisar algo mais que um filme para enxergar uma visão da América que não existe mais. Os filmes revelam um retrato angustiante da realidade”, avaliou a professora Stacy L Smith, que coordenou a pesquisa, em entrevista ao jornal britânico The guardian.

+ sobre o tema

para lembrar

‘Afrofuturo’, ‘Vidas Negras’ e ‘Ficções Selvagens’ valorizam negritude ao sair da mesmice

Consumir assuntos atrelados à cultura diaspórica africana, afrofuturismo, figuras...

Luiz Carlos Azenha: STF derrota a tese da guerra civil

por Luiz Carlos Azenha Eu defendo as cotas raciais. Acredito...

Pixador racista da Unicamp será investigado apenas por dano ao patrimônio

Apesar de ter pichado símbolos nazistas e feito ameaças,...

Resolução determina fim dos autos de resistência em registros policiais

Uma resolução conjunta do Conselho Superior de Polícia, órgão...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=