Identidades, branquitude e pertencimento, Maria Lúcia da Silva

Redefinir a questão racial, atribuindo-lhe o lugar das experiências cotidianas e pensar como o olhar do outro influencia a concepção dos indivíduos, estes foram os desafios do segundo encontro do curso Educação, Relações Raciais e Direitos Humanos, que trouxe ao debate os temas identidades negras, branquitude e pertencimento racial.

A psicóloga e psicoterapeuta Maria Lúcia da Silva, do Instituto AMMA Psique e Negritude, afastando-se da prática de teorização da temática racial, estimulou os/as participantes a pensarem em suas experiências relacionadas à discriminação. 

“Em um grupo diverso — composto por brancos, negros, homens e mulheres — nós pudemos perceber que as humilhações foram de toda ordem, do ponto de vista do gênero, racial, de condição social, ou porte físico”, comenta a psicoterapeuta.

Confira como foi estruturada tal atividade nesta entrevista! E não deixe de visitar o site da formação:http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/

 

Veja também

Pesquisadora do Instituto de Psicologia da USP mostra a resistência do racismo no Brasil

Eu, mulher, psicóloga e negra

Ser vítima de racismo assemelha-se a experiência de viver uma situação traumática, diz pesquisa

 

População Negra, Racismo e Sofrimento Psíquico

 

 

+ sobre o tema

para lembrar

Série de fotos histórica escancara o racismo nos EUA da década de 1950

Se o ano de 1956 pode hoje parecer distante...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

Do Pragmatismo PoliticoAtor Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=