sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioÁreas de AtuaçãoDireitos HumanosIII Relatório Luz da Sociedade Civil Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável

III Relatório Luz da Sociedade Civil Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável

Que pesem os fatos. Esta terceira edição do Relatório Luz da Sociedade Civil sobre a implementação nacional da Agenda 2030 evidencia o acirramento das violações e o desrespeito aos direitos sociais, ambientais e econômicos em curso no Brasil.

Da Agenda 2030

blank
Foto do Documento

A análise das 125 metas dos Objetivos de Desenvolvi-mento Sustentável (ODS) foi elaborada por experts e par-ceiros do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030 e, somada ao estudo de caso sobre Mariana-Brumadin-ho, indica o desmonte de programas estratégicos para o al-cance dos ODS. As iniciativas ultra liberais e aquelas base-adas em fundamentalismo religiosos ganham força, apesar de serem comprovadamente ineficazes e danosas, em nada contribuindo para responder às atuais crises econômica, ambiental e social que dominam o país.

O desafio não é pequeno. Temos 15 milhões de pes-soas em extrema pobreza, 55 milhões de pobres, 34 milhões sem acesso à água tratada, mais de 100 milhões sem serviço de coleta de esgoto e quase 600 mil domicílios sem energia elétrica. Quase 50% da flora está sob ameaça radical, o cam-po e a saúde se veem ameaçados pela liberação de 239 novos tipos de agrotóxico. O cenário é tenso, com desemprego alto (13 milhões de pessoas) e persistente1, mas o Governo Federal foca em propostas que agravam os conflitos e pioram, princi-palmente, a vida das mulheres negras, das quilombolas e das indígenas, sem apresentar soluções para pacificar o país.

Paralelamente, cresce a (o)pressão sobre a sociedade civil organizada e as universidades. No mês de abril, por ex-emplo, os colegiados da administração pública federal cria-dos por decreto foram extintos ou tiveram sua composição modificada, sem que nenhuma justificativa técnica tenha sido disponibilizada ao público. Neste bojo eliminou-se, in-clusive, a Comissão Nacional dos ODS2. O governo também cortou orçamento e tem desqualificado institutos produ-tores de dados que, ao longo de décadas, foram responsáveis por informar e alimentar as políticas nacionais.

A situação é grave e, com menos transparência e es-paços de diálogo, a tendência de judicialização se firma como estratégia para garantir direitos, na tentativa de proteger profissionais da imprensa e defensores(as) de direitos, de bar-rar violações nos territórios indígenas e de impedir ataques às áreas de conservação. No entanto, este não é um caminho fácil. Como mostra a análise sobre o ODS 16, nossa ‘justiça’ é desigual, mantém uma cultura de privilégios e enfrenta denúncias de parcialidade em julgamentos que fragilizam ainda mais a confiança da população em sua efetividade3.

Com a manutenção das antigas e a criação de novas políticas contrárias à Agenda 2030, o Relatório Luz 2019 apresenta um Brasil que se afasta de um futuro sustentável, o que exige forte atuação das instituições fiscalizadoras na-cionais e alinhamento dos governos locais e do parlamento aos ODS. Juntos, eles têm papéis decisivos para institucio-nalização de um desenvolvimento centrado nas pessoas e sensível ao meio ambiente, de um crescimento econômico inclusivo e sustentável, territorializando políticas pautadas pela Constituição Federal. Juntos eles podem atuar para ga-rantir o respeito à nossa diversa e plural população, princi-palmente das pessoas mais pobres, à margem da sociedade e já esquecidas pelo Estado.

Para reverter a tendência de aumento das desigual-dades e das violências que os dados oficiais aqui indicam, é necessário que as autoridades do Brasil respeitem as leis, as responsabilidades de suas funções e respeitem a história do país ao qual servem. A paz, a equidade de gênero e raça e o desenvolvimento sustentável, tão essenciais para nos-so futuro, são mais que nunca, demandas urgentes para o Brasil. Mas, somente será possível de fato sanar a pobre-za, a fome, o trabalho não-digno, incluindo o trabalho e exploração infantil, a emergência climática, por exemplo, com a participação das juventudes, das populações afeta-das pelos problemas e das organizações da sociedade civil, na definição das soluções.

Tais transformações são possíveis e esperamos que as mais de 150 recomendações apresentadas neste RL 2019 contribuam para construção desse país próspero e pacífico, que queremos ter no presente e no futuro. Por isso, nós que fazemos o GT Agenda 2030 agradecemos às nossas parce-rias e apoiadores, reafirmando que seguimos junt@s e in-cansáveis na defesa da justiça socioambiental, da democra-cia e de um Brasil verdadeiramente sustentável.

 Leia o Relatório – PDF

Alessandra Nilo
(Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero)

Carolina Mattar
(IDS – Instituto Democracia e Sustentabilidade)

Co-facilitadoras do GT Agenda 2030

RELATED ARTICLES