A imagem fora de contexto que revoltou internautas e prejudicou uma mãe

Imagem fora de contexto serviu para que o mundo inteiro julgasse a apedrejasse uma mãe. História por trás de foto polêmica finalmente veio à tona

Ana Júlia Gennari, Huffpost Brasil

A foto acima vem repercutindo nas redes sociais desde o dia 9 de agosto, quando o usuárioLatinaGawd a tuitou com a seguinte frase “Quem deixa o bebê no chão desse jeito?” na imagem e a legenda: “Até pessoas brancas estão revoltadas”.

Não é preciso muito para que as pessoas julguem uma mãe, e não foi diferente neste caso.

O tuíte teve mais de dois mil compartilhamentos e os olhares e comentários ao redor do mundo foram de julgamento e críticas severas à mãe — que não teve sequer o direito de explicar o que se passava.

Pelo menos não até a última sexta-feira (12), quando o site de notícias norte-americano myAJCpublicou uma entrevista com ela.

Seu nome é Molly Lensing e, de acordo com a reportagem, ela viajava sozinha com a filha de dois meses. Durante o percurso aconteceu uma série de desventuras, que Molly contou na reportagem.

O voo que ela esperava para voltar para Atlanta, no dia 9 de agosto, atrasou mais de seis horas e ela perdeu a conexão que faria. Dessa forma, Molly teve que esperar até meia-noite por outro voo, que acabou sendo cancelado.

Chão do aeroporto

Depois de um longo dia de contratempos, ela ainda ficou até as 4h30 da manhã tentando resolver a situação com a companhia aérea pelo telefone.

No final, ela foi informada que não tinha mais vouchers para dormir em um hotel, portanto ela e o bebê tiveram que dormir no chão do aeroporto.

No dia 10 de agosto, pela manhã, seu voo foi reagendado para o dia seguinte e, cansada de esperar, ela trocou mensagens com os pais pelo celular, para que eles fossem buscá-las de carro.

Ou seja, ela estava dormindo com a criança no chão, mas acordou antes e sentou-se para tentar resolver o problema.

A companhia Delta Airlines se responsabilizou pelo ocorrido. A empresa, que tem sido criticada por falhas operacionais, sofreu uma falha no sistema de informática, que levou vários passageiros a enfrentar longas esperas.

A história de Molly foi uma das mais simbólicas.

A jornalista Fabiana Futema, do blog maternar, escreveu sobre o assunto e pediu mais empatia das pessoas antes de julgar a maternagem alheia:

“Será que ela mereceu todos os xingamentos que recebeu? Por que a pessoa que tirou a foto não perguntou a Molly se ela precisava de ajuda em vez de expor em seu Twitter uma mãe que ela não conhecia?

Quem já viajou sozinho com criança sabe o perrengue que é. A gente sente vontade de ir ao banheiro e não tem ninguém para ficar com eles. O jeito é levá-los juntos. Mas como fazemos lá dentro da cabine? Malabarismo, mágica, coisas do tipo. Ou confiamos no estranho do banco ao lado e pedimos uma ajuda? O que é menos pior? E quando bate a fome? Temos que equilibrar criança, carteira e bandeja ao mesmo tempo. Que tal julgar menos e ter mais empatia?”

+ sobre o tema

Mayra Andrade: ‘Na minha cabeça sempre fui artista’

Mayra Andrade nasceu em Cuba, com menos de 1 mês...

Live: Protegendo mulheres na Pandemia

Geledés instituto da Mulher Negra realiza live, no dia...

23 formas de uma mulher empoderar a outra indicadas por ONGs e coletivos feministas

Atitudes e ações práticas para que empoderamento seja mais...

para lembrar

Os brasileiros na Rússia: o assédio sem fronteiras

Em sua nova coluna, Débora Diniz comenta o caso...

‘Casal de três’ alimenta debate sobre nova família na Suécia

Erik, Linda e Hampus vivem juntos há dois anos...

Empresária cria agência de intercâmbio que valoriza a cultura negra

Sauanne Bispo é a criadora da Go Diáspora, que...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=