sexta-feira, setembro 17, 2021
InícioQuestões de Gênero"Nós mulheres, fêmeas, nascemos para parir", diz Bela Gil em nova série...

“Nós mulheres, fêmeas, nascemos para parir”, diz Bela Gil em nova série sobre maternidade

Sucesso na TV e na web com receitas e dicas de alimentação saudável, Bela Gil iniciou uma nova empreitada: em seu canal no YouTube, a apresentadora lançou na última quarta-feira, 17, a série Bela Maternidade, que abordará, em 12 episódios, a gestação, a amamentação e a introdução alimentar do bebê. No primeiro vídeo (ao vivo), Bela falou sobre o nascimento de seus dois filhos – Flor, de 7 anos, e Nino, de dois meses e meio – e apontou as diferenças entre os dois partos, mesmo ambos sendo normais. “Hoje eu tenho muito mais informação do que quando eu tive a Flor e sei que houve muitas intervenções desnecessárias. Na época, pra mim, existiam apenas dois tipos de parto: o vaginal e o cirúrgico”, afirmou.

Por Nathália Florencio Do MSN

Bela revelou que, na primeira gravidez, a obstetra que a acompanhava quis induzir o parto quando ela completou 40 semanas de gestação. “Ela me deu algumas datas e eu escolhi a mais longe, tanto que a Flor nasceu com 41 semanas e 5 dias. Fui para o hospital como se estivesse indo fazer uma cesárea, não esperei entrar em trabalho de parto sozinha em casa. Cheguei lá à meia-noite com 3 centímetros de dilatação. Monitoraram o bebê e viram que eu estava tendo contrações, embora não estivesse sentindo. Então acabei não precisando ser induzida – tomar hormônio sintético para ter as contrações. Às 6h da manhã minha médica chegou e estourou a minha bolsa. Eu já estava com 7 cm de dilatação e vieram dores fortíssimas, daí acabei tomando anestesia. A médica também fez episiotomia e às 9h da manhã a Flor nasceu”, relatou.

Com o caçula, Nino, a situação foi bem diferente! Ele veio ao mundo em um parto natural domiciliar, realizado em uma banheira na sala do apartamento de Bela. A apresentadora não chegou a dar detalhes, mas contou que o segundo episódio da série, que será publicado no YouTube na próxima quarta-feira, 24, mostrará o nascimento do pequeno. “Eu quero tentar passar essa confiança de que nós, mulheres, nascemos pra parir. A gente pode, a gente consegue – quando obviamente não há uma complicação que seja necessário fazer uma cesárea”, declarou.

Uma foto publicada por Bela Gil (@belagil) em Mai 27, 2016 às 2:07 PDT

Com duas experiências tão distintas – uma no hospital e outra em casa -, Bela afirmou que existem “camadas de parto normal” e defendeu que é muito difícil ter um parto 100% natural, sem intervenções médicas, em um ambiente hospitalar. Na transmissão que durou 45 minutos, a chef de cozinha também mencionou os motivos que levam muitas gestantes a optarem pela cesárea – que, no Brasil, representa cerca de 85% dos nascimentos na rede privada. “Muitas vezes as mulheres escolhem ter a cesariana por medo: da dor do parto, de não conseguir chegar até o hospital e ter o filho no meio do caminho…”.

Segundo Bela, o grande problema da “epidemia” de cesáreas que existe no nosso país é que as grávidas não são informadas sobre os riscos que o procedimento cirúrgico pode trazer para a mãe e para o bebê, além de não serem encorajadas a escolher o parto normal. “Parir é natural, é fisiológico, é do ser humano. Nós somos mamíferos, nós parimos. Nós mulheres, fêmeas, nascemos para parir. Do mesmo jeito que a concepção, a amamentação e a gestação são atos naturais, parir também pode e deve ser um ato natural. Mas muitos médicos, a nossa sociedade e a nossa cultura fazem a gente acreditar que não temos esse poder de parir”, ressaltou. E acrescentou: “Muitos médicos acabam criando vários empecilhos para fazer com que a mulher pense que a cesárea seja a salvação dela e muitas vezes esses empecilhos não são necessariamente reais”.

Neste primeiro episódio da série, a filha de Gilberto Gil falou, ainda, sobre os benefícios do parto normal para a saúde da criança, as posições e condições que favorecem esse tipo de parto, deu dicas de documentários e destacou a importância da presença das doulas – o que a ajudou muito na chegada do pequeno Nino. Bela também fez questão de dizer que a forma como nascem os bebês não tem nenhuma relação com o amor, carinho, cuidado e dedicação que cada mãe oferece ao seu filho:

Não é porque uma mulher fez cesariana que ela é menos mãe do que outras mulheres que fizeram parto normal. Obviamente, mãe é mãe e não necessariamente quem teve cesárea é inferior e quem fez parto normal é superior.

Bela Maternidade vai até o fim de 2016 e contará com vídeos produzidos e novas transmissões ao vivo. “O meu objetivo com os vídeos dessa série é munir as mulheres com as informações necessárias para que elas possam tomar uma decisão 100% consciente. A mulher tem que ter o direito de conhecimento e de escolha, mas sem informação ela fica de mãos atadas”, completou Bela Gil.

 

RELATED ARTICLES