Imigrante muçulmano salvou reféns em mercado judaico

Malinês trabalhava no Hyper Cacher quando o extremista Amedy Coulibaly invadiu o local para o sequestro

Um funcionário do mercado judaico onde quatro reféns e um terrorista foram mortos foi saudado ontem como herói que evitou uma tragédia ainda maior. Lassana Bathily, um imigrante malinês muçulmano de 24 anos, trabalhava no Hyper Cacher quando o extremista Amedy Coulibaly, ligado aos irmãos que cometeram o massacre na sede do jornal Charlie Hedbo, invadiu o local para o sequestro.

Bathily pensou rapidamente quando o terrorista anunciou a ação. Em pânico, 15 clientes corriam para o porão do estabelecimento quanto o funcionário teve uma ideia. “Quando eles desceram, eu abri a porta [para o frigorífico]”, afirmou Bathily à emissora francesa BFMTV.

Ele desligou as luzes e, enquanto fechava a porta para proteger os clientes, disse: “Fiquem calmos aqui. Eu vou sair”.

Uma testemunha, que se identificou apenas como Mickael, contou à revista francesa Le Point que fora ao mercado com seu filho de três anos para comprar pão e frango para o Shabbat quando ouviu uma explosão alta.

“Eu achei que fossem fogos de artifício”, disse. “Mas, quando virei a cabeça, vi um homem negro armado com dois (fuzis) AK-47”. Eles se esconderam na sala de estoque no porão. “Cinco minutos depois, um funcionário do mercado enviado pelo criminoso nos mandou subir, ou haveria um banho de sangue, segundo o terrorista”.

No andar de cima, encontraram um homem morto em uma poça de sangue e um Coulibaly calmo, que se apresentou como um muçulmano que pertencia ao EI e defendia o ataque invocando a Palestina e seus “irmãos na Síria”.

Após quatro horas de cerco, a polícia invadiu o mercado, matando Coulibaly. Ao serem libertados do frigorífico, os reféns tinham agradecimentos para Bathily. “Eles me parabenizaram”, afirmou. / NYT

 

Fonte: O Estadão

+ sobre o tema

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Brasileiros são os mais barrados na Europa

Segundo agência europeia, 6 mil tiveram entrada recusada em...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

Bolsa Família e Prouni

O Planalto estuda enviar ao Congresso projetos de lei...

para lembrar

Muçulmano de mercado judaico salvou reféns e se torna herói na França

O jovem muçulmano Lassan Bathily, de 24 anos, vindo...

“Meu nome é Sadiq Khan e sou o prefeito de Londres”

Filho de imigrantes, ele promete transformar a capital em...

Racismo e Xenofobia: Os avós daqueles que desprezam nordestinos eram os nordestinos da Europa

RACISMO, UMA VEZ MAIS Por Fábio de Oliveira Ribeiro no Centro...

“As pessoas se atiravam ao mar desesperadamente, sem saber nadar”, diz imigrante retido no mar

Imigrantes do ‘Open Arms’ relatam sua odisseia após desembarcar em Lampedusa com autorização do Ministério Público Por LORENA PACHO, do El País  Nas noites do verão,...

Sem fronteiras

“A minha história ajuda a transformar a vida de mulheres bolivianas que vêm ao Brasil trabalhar nas oficinas de costura. Elas se tornam protagonistas...

Por mais diversidade no Miss Universo: Muçulmana ganha direito de não desfilar de biquíni

Sua participação é um exemplo para que os concursos tenham mais diversidade e representatividade nos palcos. Por Ana Beatriz Rosa Do Huff Post Brasil A modelo Muna...
-+=