Informativo da Casa Branca sobre a Iniciativa de Jovens Líderes Africanos

CASA BRANCA
Escritório do Secretário de Imprensa
29 de junho de 2013

INFORMATIVO: Iniciativa Presidencial de Jovens Líderes Africanos

O presidente Obama lançou a Iniciativa de Jovens Líderes Africanos (Yali) em 2010, uma iniciativa emblemática para apoiar jovens líderes africanos ao trabalhar para estimular o crescimento e a prosperidade, fortalecer a governabilidade democrática e melhorar a paz e a segurança de todo o continente.

Investir na próxima geração de líderes africanos é fundamental para garantir o sucesso das democracias africanas e suas economias. Um em cada três africanos têm entre 10 e 24 anos de idade e cerca de 60% da população total da África têm menos de 35 anos. Por meio da Yali, os Estados Unidos estão a investir na próxima geração de líderes africanos e comprometeu recursos significativos para aprimorar as habilidades de liderança, estimular o empreendedorismo e conectar jovens líderes africanos uns com os outros, com os Estados Unidos e com o povo americano.

Engajar jovens líderes africanos que moldarão o futuro do continente

O presidente Obama tem se envolvido pessoalmente com a Yali desde o início. Seu Fórum 2010 com Jovens Líderes Africanos trouxe jovens líderes africanos à Casa Branca para um diálogo e intercâmbio interativos sobre liderança, empoderamento dos jovens e boa governação.

Eventos de cimeira anuais têm ajudado a desenvolver novas redes de líderes e sublinham o alto nível de apoio dos EUA para o seu futuro – inclusive um Fórum de Jovens Líderes Femininas Africanas em 2011, na África do Sul, com a primeira-dama Michelle Obama, e uma Cimeira de Inovação e Parceria para Orientação de 2012, que trouxe jovens africanos aos Estados Unidos para estágios com empresas americanas.

Os participantes da Yali alavancaram esse apoio e seguiram em frente, ao dar início a organizações e redes orientadas para a juventude, ao assessorar seus governos e estabelecer novos e vibrantes negócios – todos a mostrar o talento e a promessa extraordinários desses jovens líderes que estão a transformar o continente africano e suas comunidades.

Agir no continente

O engajamento com jovens líderes africanos tornou-se um foco importante do envolvimento dos EUA com a África Subsariana e uma prioridade para as nossas embaixadas e missões da USAID. Desde 2010, as embaixadas dos EUA aceleraram a divulgação para jovens africanos e ampliaram programas para treinar e apoiar empresas e líderes cívicos aspirantes em todo o continente. O governo dos Estados Unidos criou oportunidades para jovens africanos se envolverem com funcionários do governo americano, empresas e cidadãos através da criação de Conselhos de Jovens nas Embaixadas em 25 países. Funcionários de alto nível dos EUA reúnem-se regularmente com jovens líderes durante suas viagens ao continente. No total, desde 2010, o governo dos Estados Unidos realizou mais de 2 mil eventos em todo o continente, destinados a desenvolver a próxima geração de líderes cívicos e empresariais africanos.

Em maio de 2011, o nosso “Diálogo com Jovens Líderes Africanos” incluiu mais de 200 eventos em 37 países em um único mês. Esse diálogo incluiu eventos patrocinados pela embaixada sobre o continente e engajamento on-line. Ele identificou novos parceiros nos Estados Unidos, forneceu um feedback crítico sobre os programas para a juventude do governo dos Estados Unidos e criou uma plataforma para um conjunto diversificado de jovens partilharem a sua visão de futuro.

O governo dos Estados Unidos, por meio da USAID, também fez uma parceria com a União Africana (UA), no momento em que a UA pretende integrar a participação dos jovens em todas as suas atividades, inclusive através do financiamento de treinamento pré-implantação para 100% dos participantes do Corpo de Voluntários Jovens da UA e apoiar a colocação de Voluntários Jovens da UA em múltiplos departamentos da União Africana. Os Estados Unidos também têm uma parceria com a Fundação Mo Ibrahim, com a Fundação Rockefeller e com a Fundação Tony Elumelu para apoiar o desenvolvimento de jovens líderes africanos por todo o continente.

Comprometer recursos com o desenvolvimento de jovens talentos

Desde 2010, o Departamento de Estado realizou quinze intercâmbios específicos para jovens líderes africanos e patrocinou 1.283 acadêmicos subsarianos através de seus programas de assuntos educacionais e culturais. As Embaixadas dos Estados Unidos têm concedido pequenas subvenções totalizando US$ 750 mil para grupos de ex-alunos Yali que apoiam o desenvolvimento dos jovens na África. Outros esforços conduzidos pelo Departamento de Estado, tais como LIONS @FRICA e Apps4Africa, têm-se concentrado no desenvolvimento de um ecossistema empresarial para incentivar crescimento económico e oportunidades amplas para jovens empreendedores – fazendo parcerias com o setor privado para realizar competições entre startups (microempresas iniciantes), criar incubadoras e desenvolver produtos inovadores para atender necessidades de desenvolvimento local e empresarial.

A USAID tem trabalhado com governos e instituições locais para fortalecer o acesso à educação, o treinamento da força de trabalho e o desenvolvimento de habilidades para ajudar jovens africanos a desenvolver as habilidades necessárias para entrar na força de trabalho. Desde a criação da Yali, a USAID investiu mais de US$ 100 milhões em mais de 76 parcerias com universidades africanas para ajudar a treinar uma nova geração de líderes africanos na saúde, agricultura, educação, ciências ambientais, tecnologia e outros setores.

Atualmente, a Rede de Soluções do Ensino Superior da USAID – um programa de US$ 25 milhões anuais – em parceria com instituições de ensino superior africanas e americanas, usam ciência, tecnologia e engenharia para educar os futuros líderes e pesquisar soluções para os maiores desafios de desenvolvimento. Para expandir mais a Yali, a USAID estabelecerá centros regionais para aprimorar a liderança e as oportunidades de treinamento na África e melhor alavancar mais de US$ 200 milhões em programas e iniciativas para a juventude, como parcerias universitárias e treinamento vocacional, no continente.

Outros departamentos e agências reorientaram seus programas e estratégias para contribuir para o objetivo de empoderar e proporcionar oportunidades para os jovens na África. O Departamento do Trabalho, por exemplo, está a investir em esforços para promover emprego e oportunidades empresariais para os jovens como alternativa ao trabalho infantil, incluindo um novo programa de US$ 3 milhões em Uganda para educar e treinar jovens para empregos de qualidade. A Fundação para o Desenvolvimento Africano está a investir US$ 5 milhões em treinamento e a colocar milhares de jovens somalis em estágios pagos e empregos, além de apoiar pequenas startups.

Introduzir a Bolsa de Washington para Jovens Líderes Africanos

A Bolsa de Washington para Jovens Líderes Africanos que o presidente Obama anunciou hoje representa uma grande expansão do investimento dos EUA no próximo quadro de líderes do continente. Através desse esforço, os EUA desenvolverão uma rede de milhares de jovens líderes africanos em setores fundamentais para o crescimento e o desenvolvimento da África.

A Bolsa de Washington trará 500 jovens líderes para faculdades e universidades dos Estados Unidos todos os anos para treinamento acadêmico e de liderança a partir de 2014, com o objetivo de crescer para mil participantes por ano no prazo de cinco anos. Os bolsistas receberão treinamento de nível mundial e orientação em três áreas vitais: negócios e empreendedorismo, liderança cívica e administração pública.

A experiência dos líderes nos Estados Unidos incluirá uma Cimeira Presidencial em Washington, D.C., onde a Bolsa de Washington interagirá com o governo dos Estados Unidos e com líderes cívicos e empresariais, incluindo o presidente Obama.

Com o apoio de parceiros do setor público e privado, os bolsistas de Washington têm acesso a oportunidades excepcionais, incluindo estágios e colocações com empresas e ONGs, e pequenas subvenções para iniciar negócios, estabelecer ou expandir organizações não governamentais ou realizar projetos para melhorar suas comunidades.

Seminários regionais de enriquecimento, uma comunidade on-line e uma rede vibrante de ex-alunos por toda a África apoiarão também os bolsistas de Washington, enquanto buscam soluções inovadoras para desafios locais e globais. Os Estados Unidos, em conjunto com parceiros líderes do setor privado como Boeing, Ethiopian Air e Microsoft, apoiarão os bolsistas de Washington na busca dessas oportunidades. Mais informações sobre esse programa emblemático podem ser encontradas em http://youngafricanleaders.state.gov.

Fonte: IIP Digital

+ sobre o tema

Advogado de ex-presidente da Libéria abandona audiência na Holanda

Charles Taylor é acusado de participar de esquema de...

Elza Soares fala de fase muito louca quando era roqueira e cantava no Madame Satã

Elza Soares é um farol. Quando a diva de 77 anos...

Mãe Menininha do Gantois será tema da Vai Vai no Carnaval do ano que vem

A Mãe de Santo baiana Menininha do Gantois será...

para lembrar

Festa das Águas celebra Rainha do Mar

Dia 2 de fevereiro de 2022, o festejo anual...

Kanye West lança música natalina

Kanye West lança música natalina. Mesmo depois do lançamento...
spot_imgspot_img

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=