Inquérito sobre morte Claudia Silva Ferreira arrastada no Rio está com o Ministério Público

A Polícia Civil encerrou na semana passada o inquérito que investigou a morte de Claudia Silva Ferreira e o entregou ao Ministério Público. Dois policiais militares (PMs) foram indiciados por homicídio culposo e responderão também por fraude processual com mais quatro agentes. Claudia foi morta por um disparo de arma de fogo, e seu corpo foi arrastado no asfalto quando os policiais a transportavam para o hospital. A cena causou indignação e foi divulgada internacionalmente depois de ter sido publicada pelo jornal Extra.

As investigações concluídas pela 29ª Delegacia de Polícia (Madureira), apontam que Claudia teria ficado no meio de uma troca de tiros entre traficantes e policiais militares, na qual os PMs Rodrigo Medeiros Boaventura e Zaqueu de Jesus Pereira teriam efetuado disparos. O adolescente Willian dos Santos Possidônio também foi baleado e morreu. Ele tinha passagem pela polícia por ato infracional análogo à associação para tráfico e, segundo consta, portava uma arma.

O delegado da 29ª considerou que, ao retirarem Claudia já morta do local do tiroteio, os policiais tentaram desfazer a cena do crime e por isso vão responder por fraude processual. O inquérito aponta ainda que Claudia morreu em tempo inferior a dez minutos depois do disparo, portanto, mesmo que estivesse sendo levada para o hospital, estava sem vida ao ser conduzida. Diante disso, o delegado considerou que a forma como o corpo foi transportado, na parte de trás da viatura, não altera o crime e a responsabilização deve ser administrativa.

 

 

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Ainda bem que direitos das mulheres não viraram moeda de troca’, diz Jô Moraes

Na opinião da coordenadora da bancada feminina da Câmara...

Mobilizadas, mulheres negras ampliam presença na política

Em meio à triste notícia do expressivo crescimento da bancada...

Promotora cria rede de apoio e reúne 700 “justiceiras” contra violência

Ao ser vítima de violência doméstica, uma mulher sabe...

Número de mulheres candidatas é o maior das últimas três eleições gerais

O número de mulheres que se candidataram nas eleições...

para lembrar

São Paulo recebe 2° Encontro Nacional de Negras Jovens Feministas

Em segundo encontro nacional, jovens se reúnem para discutir...

Negro, gay e rapper: “Sofro preconceito diariamente, nada mudou”

Rico Dalasam desafia a normalidade nas questões musicais e...

Em Minas Gerais, tornozeleira eletrônica evita que homem volte a atacar mulher

Cintia Sasse A Lei Maria da Penha é admirável não...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=