Inspirado em filho adotivo, americano cria curativos para pele negra

Quando seu filho Kai machucou a testa, o americano Toby Meisenheimer foi à farmácia em busca de um curativo e voltou com um incômodo: na prateleira desse produto, não havia nenhuma opção da cor da pele do garoto.

Negro, Kai é um dos três filhos adotivos de Toby, que é branco e tem ainda outros dois filhos biológicos. Ele conta que ficou impressionado de nunca ter pensado nisso antes. “Não acredito que vivi 38 anos sem perceber que os curativos vinham em um formato que só combina com um tom de pele. Isso não está certo”, pensou.

Professor de matemática e consultor em uma firma de investimentos financeiros na região de Chicago, Toby então resolveu criar um produto que suprisse essa lacuna no mercado.

bandaid2
O produto é vendido em três tons diferentes (Foto: Tru-Colour Bandages/Divulgação)

Depois de um período de pesquisas, ele lançou em 2015 a marca Tru-Colour Bandages, com curativos em três tons de pele, todos mais escuros do que o tradicional bege-rosado dos produtos mais conhecidos.

“Durante anos fui de uma família só de brancos. Depois que adotamos crianças com cor de pele que não eram como as nossas, começamos a ver as coisas de forma diferente. Precisa haver uma mudança na forma como as empresas fabricam curativos em um mundo cheio de diversidade”, disse ele ao G1.

Segundo o empresário, o mercado dos EUA já teve opções parecidas, mas elas não conseguiram se firmar. Em buscas na internet, o G1 encontrou apenas uma marca ainda em atividade, fora a Tru-Colour.

bandaid3
Para o criador dos curativos, esse tipo de produto promove a igualdade (Foto: Tru-Colour Bandages/Divulgação)

Toby Meisenheimer diz que, mais do que um produto, quis criar uma empresa que promove a igualdade. “Recebemos comentários dizendo: ‘como é que não pensei nisso antes?’ ou ‘finalmente!’. Dar uma opção às pessoas é importante”, afirma.

Os “curativos multiculturais” da marca são vendidos pela internet e distribuídos nos EUA, no Canadá e no Reino Unido. A ideia, diz Toby, é tentar expandir para outros países, inclusive para o Brasil.

“Quis ser parte da solução. Não podemos consertar de uma vez tudo o que está errado nas questões raciais, mas podemos dar um passo nessa direção, mesmo que seja com um curativo que combina melhor com a individualidade de alguém”, afirma.

+ sobre o tema

Priscilla Feniks expõe o genocídio da população negra no clipe “Só a Gente Sabe”

Cheia de atitude, Priscilla Feniks lançou nesta última quinta-feira...

Forest Whitaker entra para elenco de ‘Pantera Negra’, da Marvel

Forest Whitaker entra para elenco de 'Pantera Negra'. O ator...

Modelos participam de seleção para desfilarem no Afro Fashion Day

Desfila pra cá, faz carão, posa pra lá. Foi...

para lembrar

Mercado de Trabalho – 13 de Maio: data para refletir

O que as empresas que atuam no Brasil podem...

Para não ter diversidade, um ambiente respeitoso e inclusivo na empresa

Há aqueles que não querem diversidade em suas empresas....

Pela primeira vez em 380 anos, Harvard tem maioria ‘não branca’ de calouros

Entre os calouros que iniciam o ano letivo neste...

Carta dos docentes negras e negros da USP: Pelo direito á diversidade na USP!

Docentes negras e negros da Universidade de S. Paulo...
spot_imgspot_img

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

USP oferece mais de 4 mil vagas em cursos gratuitos para público 60+

O programa USP 60+ completa 30 anos de sua criação e está com as inscrições abertas para o primeiro semestre de 2024. A abertura de vagas se...

É preciso sair da superfície

Há no Brasil um movimento pró-inclusão de bolsistas negros em universidades e escolas particulares de alto padrão. Na esfera pública, semana passada foi sancionada lei que...
-+=