Instituto da Mulher Negra em Portugal criado para lutar contra “silenciamento e invisibilização”

O Instituto da Mulher Negra em Portugal é apresentado hoje, em Lisboa, e tem como missão lutar contra o silenciamento e a invisibilidade sentidos por estas mulheres, disse à agência Lusa a presidente do organismo, Joacine Moreira.

Do Sapo 

Rita Sousa Vieira | MadreMedia

“As mulheres negras são historicamente a categoria mais desprotegida e há uma naturalização do facto de serem muito mal remuneradas, com emprego prego precário e informalidade contratual”, afirmou a fundadora, referindo-se ao trabalho a dias.

Um facto que só tem o impacto que tem porque “é útil” ter uma mulher em casa duas vezes por semana que organize tudo, “sem que alguém olhe para ela como um ser humano com necessidades”, defendeu.

“É esta invisibilidade que tem feito andar o sistema capitalista”, declarou, considerando que são as mulheres negras que estão “na base da pirâmide”.

Com a criação do instituto pretende-se fixar um espaço de valorização dos conhecimentos e partilha de experiências. “Um espaço que nos é historicamente recusado”, frisou.

A nova entidade é composta sobretudo por mulheres negras, com formação superior ou trabalho desenvolvido em áreas específicas para pôr os conhecimentos ao serviço das necessidades que as mulheres negras têm no dia-a-dia, da educação ao acesso à cultura.

O instituto vai promover iniciativas de intervenção social e funcionará com oito departamentos, das artes à cultura e espetáculos até à educação e infância.

“Estas mulheres andam onde nós andamos todos os dias, estão onde nós estamos”, disse quando questionada sobre a forma de chegar a estas comunidades.

Mesmo entre as mulheres com formação académica se verifica “alguma invisibilidade”, disse a dirigente, referindo-se à situação profissional e financeira: “Apesar das nossas habilitações, continuamos a não ser reconhecidas como agentes de conhecimento, o que faz com que não exista uma grande diferença entre nós (fundadoras) e as outras mulheres, que são as nossas mães, as nossas irmãs, as nossas amigas”.

+ sobre o tema

Veto Já! Contra o golpe em nossos corpos e direitos

Contra o retrocesso, o racismo, a violência e Pelo...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

estilista baiana, Mônica Anjos, apresenta sua nova coleção em São Paulo

Bazar VIP será promovido, neste sábado dia 9, para...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=