Itamar Vieira Junior e a crítica literária nos tristes trópicos

Outros fatores costumam chegar na frente do pretenso rigor intelectual

É normal acreditar que somos imparciais e fazemos boas avaliações. Que olhamos somente para a qualidade daquilo que pretendemos avaliar. Porém, pesquisas sugerem o contrário. É difícil focar os critérios que realmente importam e, ao mesmo tempo, eliminar todos os nossos vieses, muitas vezes implícitos, dos processos avaliativos.

O mundo da música traz um importante ensinamento. Em 1970, estima-se que nas cincos principais orquestras sinfônicas dos Estados Unidos o percentual de mulheres fosse de menos de 5% de todos os músicos. Nas décadas de 1970 e 1980, várias orquestras começaram a revisar suas políticas de contratação. Muitas delas passaram a usar audições às cegas para esconder do júri a identidade do candidato. Como resultado, as chances de as mulheres serem admitidas aumentaram.

O escritor Itamar Vieira Junior – Gabriel Cabral – 10.jun.2023/Folhapress

No estudo “Orchestrating Impartiality: The Impact of “Blind” Auditions on Female Musicians”, as pesquisadoras Claudia Goldin e Cecilia Rouse mostraram que as audições às cegas poderiam explicar até 55% do aumento da proporção feminina entre as novas contratações.

No futebol, o cenário é parecido. Ele também parece ser um pouco diferente quando não visualizamos quem é que está jogando. Essa é a conclusão do estudo “Pace and Power: Removing Unconscious Bias from Soccer Broadcasts”.

O ponto de partida do trabalho foi analisar a avaliação daqueles que, supostamente, entendem de futebol. É comum comentaristas e especialistas destacarem que jogadores brancos são inteligentes e que os negros possuem qualidades físicas. Na Copa do Mundo de 2018, no jogo entre Polônia, cujos jogadores eram todos brancos, e Senegal, equipe que tinha só negros, ficou evidente o viés racial na forma como comentaristas e a mídia avaliaram as duas equipes.

Nesse contexto, os pesquisadores do estudo procuraram entender como seriam as avaliações se não pudéssemos observar qual era o time que estava jogando. Para isso, criaram um vídeo com uma renderização em que os jogadores apareciam como bonecos e, desse modo, não era possível identificar a equipe.

No experimento, para os fãs de esportes que assistiram ao vídeo original do jogo da Copa do Mundo, 70% apontaram Senegal como equipe “mais atlética ou rápida”. Curiosamente, para aqueles que viram somente a animação e, assim, não conseguiam visualizar os jogadores, 62% escolheram a Polônia como o time mais atlético.

Tal evidência não deveria ser menosprezada. Para jogadores negros que pretendem virar técnicos, ser associado somente a boa forma física, não a inteligência, certamente é algo que os coloca em desvantagem.

No mundo dos livros, as minorias também não estão imunes a vieses. O autor de “Torto Arado” e premiado escritor Itamar Vieira Junior é um fenômeno literário. Porém, se dependesse somente da crítica, talvez seu destino tivesse sido outro. Conforme destacou Paulo Roberto Pires, em 2021, na Revista Quatro Cinco Um: “O livro de Itamar Vieira Junior não deve seu sucesso a jurados ou críticos, mas à irresistível boca a boca”. Na ocasião, Pires argumentou que a unanimidade em torno do escritor poderia gerar uma espécie de “fofura tóxica” que inibiria o debate sobre literatura.

De fato, críticas são importantes para o desenvolvimento de qualquer ser humano. Especialmente em um momento em que muitos estão abraçando bandeiras difíceis de defender. Entretanto, não podemos esquecer que, mesmo quando não temos a intenção, nossa tendência natural é penalizar, desproporcionalmente, aqueles que já são, sistematicamente, penalizados.

Diversas pesquisas sugerem que a avaliação das obras costuma ser indissociável da figura dos indivíduos. Preconceitos, implícitos ou não, e outros fatores tendem a chegar na frente do pretenso rigor intelectual.


O título é uma referência ao livro “Tristes Trópicos”, de Claude Lévi-Strauss, e uma homenagem à música de mesmo nome, de Itamar Assumpção.

+ sobre o tema

Grammy 2016: O Hip-Hop está na frente de uma luta racial

COMO NOMEADOS E VENCEDORES INFLUENCIARAM O FUTURO DA MÚSICA. Por JOÃO...

Após polêmica com movimento negro, vereador do RS diz que raça está sendo “apurada”

"Kanelão" afirmou que é contra cotas porque não há...

Agente de trânsito é vítima de racismo no Centro de Bauru

  Na tarde desta segunda-feira (1º), uma multa pela falta...

Sexo e raça podem ajudar ingleses na escolha de juiz

Por Aline Pinheiro   Proposta do governo britânico...

para lembrar

Revelações da genética sobre quilombos brasileiros

Em SP, análise de cromossomos mostra forte papel de...

Chicotear negro pobre é permitido no país que celebra o racismo e a tortura

Um jovem negro foi despido, amordaçado e chicoteado por...

Black is Beautiful: é bom, é barato e é para poucos

Hoje cedo, na rua Do Ouvidor Quantos brancos horríveis eu...
spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=