Iyá Mi – o dia em que minha mãe mudou minha vida! Racismo na infância e protagonismo afro-materno

Não escolhi estar na educação à toa, trabalhar a favor da diversidade e da equidade social e racial na escola foi uma escolha intencional e política, cuidadosamente educada e instruída pelos livros, mas sobretudo pelo exemplo e militância da minha mãe Maria Abadia Ferreira da Costa.

por Tatiane de Souza Silvério via Guest Post para o Portal Geledés

Minha maior motivação dentre várias, foi perceber que a escola era para mim e é para outras crianças negras, um ambiente hostil que em muitos momentos por meio dos alunos, funcionários e professores impõe o racismo, a discriminação e o preconceito as milhares de crianças que ali se instruem, seja no âmbito da escola pública e/ou das escolas particulares

Durante minha infância, passei por longos períodos e cotidianamente por preconceito e discriminação, tudo me colocava em desvantagem, até nos momentos em que eu tirava boas notas estava em desvantagem. A professora ou o professor inventava desculpas para justificar pejorativamente “a moreninha que fugia a regra”, e que por ser inteligente tinha alma branca. As várias experiências que tive na escola me conduziam a diversos questionamentos sobre minha existência e o porquê que tudo isto acontecia. Sempre me via a cabeça as seguintes indagações: – “Mas se as pessoas da minha sala são da cor branca e eu da cor preta, fica mais fácil da professora me ver, e porque a professora não me vê e não me escuta quando eu falo? Nossa sou tão preta desse jeito e mesmo assim essa professora não me vê? Por que ela sempre me confunde com outras negras, somos diferentes, eu uso tranças, minha amiga alisa o cabelo”. Eu era invisível dentro da sala de aula, principalmente nas situações de violência simbólica quando me submetiam a invisibilidade na minha própria identidade e pertencimento. Por outro lado, em muitos momentos me tornavam visível para as chacotas e piadas que buscavam desqualificar meu fenótipo, meus cabelos trançados, minha roupa colorida, meus traços culturais que serviam para as brincadeiras de mal gosto e rejeição.

Até que um dia eu passei por humilhação muito grande diante de todos os colegas de sala. Fiz um exercício na lousa e acertei, mas a professora não havia acreditado que eu sabia de fato fazer, foi até minha carteira pegou minha folha com todos os exercícios, rasgou minha folha e a jogou no lixo, argumentando que eu tinha errado três tópicos de equação e por isso eu não era inteligente para matemática. Detalhe, a folha que ela rasgou continha de 15 tópicos equação, e eu havia errado somente 3 dos exercícios.

Leia também:
Umuntu ngumuntu nagabantu

Cheguei em casa aos prantos e contei para minha mãe. Na época, eu tinha 12 anos. Foi neste dia que minha mãe mudou minha vida, contei a ela tudo o que havia me acontecido naqueles meses na escola, justificando que não havia contado nada antes porque achava que poderia superar, mas que não aguentava mais a dor que a situação havia me causado, além dos xingamentos que passei a escutar na perua ao voltar para casa. Após me escutar minha mãe chorou comigo e dizendo que a consciência é algo que devemos exercitar. Assim sendo, penso que ela exercitou sua consciência, pois em dois dias minha mãe mobilizou familiares e outros mães de alunos negros que se reuniram na escola para conversar com o diretor. Lembro dessa passagem e me emociono, porque em dois dias minha mãe estava com uma carta do então juiz da infância de São José de Rio Preto, que exigia retratação por parte da escola, do diretor e da professora. Naquele dia fui iniciada pela minha mãe no movimento negro e no movimento de mulheres negras. Minha maior lição foi aprender que não podemos ficar calados mediante uma injustiça, aprendi isso na prática, exercitando a justiça tal como diz a frase de Desmond Tutu: “Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado do opressor”.

Assim, naquele dia, a escola foi obrigada a ministrar palestras sobre a cultura e a história dos africanos e seus descendentes no Brasil e na África. A solicitação das mães negras em sua maioria e a demanda do movimento negro local foi obrigatoriamente atendida, pude ver minha mãe e outras mães falando sobre a importância da cultura negra para o desenvolvimento do país e de como nossos antepassados sofreram neste lugar.

Diante desse fato é que passei a entender melhor as atuações e ações do movimento negro. Sempre acompanhei minha mãe, mas não entendia muito bem, depois dessa situação em sala de aula fui me atentando para o que era ser negra, para além da cor da pele. E aos 15 anos comecei a atuar politicamente como jovem-mulher-negra, na esfera da consciência, do refletir, do agir, do posicionamento político, participando ativamente dos movimentos sociais: da juventude estudantil, da juventude negra, de mulheres, mulheres negras, dos movimentos da cultura negra que sempre me envolviam para militar. E nesses contextos minha mãe continuou mudando minha vida, pois ela sempre nos acompanhava nas atividades e participava das discussões. Até hoje ela é ativa em nossas vidas e nos ensina pelo exemplo do que é ser mulher, mãe e negra.

Esse é meu relato em agradecimento a minha Rainha Mãe Bá, pelo despertar da nossa consciência, pelos ensinamentos aprendidos com a vida, com as mais velhas da família, pela educação transmitida por meio da fé, pela disposição em ensinar com amor, paciência e dedicação. Ofereço esse agradecimento para as mulheres de minha família! Dedico esse texto para todas as mães que deixam fluir a força dos nossos ancestrais! Ubuntu!

 


* Tatiane de Souza Silvério é Pedagoga, Mestre em Educação pela UFSCar, Doutoranda em Ciências Sociais pela UNESP e Congadeira do Terno de Congada Chapéus de Fitas.

+ sobre o tema

A dor de ter uma filha que se corta

Um comovente relato da T.: Sou leitora assídua do blog,...

Brasil sem crise dificulta casamento gay

Autor do livro "Guia Prático do Casamento entre Pessoas...

Taís Araújo irá integrar Saia Justa

O programa Saia Justa, do canal a cabo GNT,...

para lembrar

Heloisa Buarque de Hollanda é eleita para a Academia Brasileira de Letras

A paulista Heloisa Buarque de Hollanda, professora emérita da...

Aos 75 anos, Lia de Itamaracá lança livro de memórias e novo disco

Lia de Itamaracá se apresenta na Virada Sustentável e...

Grávida não vale nada (Poema para Adelir)

Médica, juiz e polícia obrigaram gestante gaúcha a fazer...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=