Jennifer Hudson diz que nunca gostou de assassino de sua família

 

A atriz e cantora norte-americana Jennifer Hudson testemunhou segunda-feira contra o ex-cunhado, acusado de ter assassinado a sua mãe, irmão e o sobrinho de sete anos em 2008.

Hudson, de 30 anos, foi a primeira testemunha da acusação a ser ouvida na audiência do julgamento que teve lugar em Chicago e que tem como arguido William Balfour, ex-marido da irmã da atriz, Julia Hudson. “Nenhum de nós queria que ela se casasse com ele. Não gostávamos da forma como a tratava”, disse Hudson, segundo a CNN.

A cantora e atriz Jennifer Hudson disse que conhecia desde adolescente o homem que matou três parentes dela e que nunca gostou dele.

Hudson foi a primeira testemunha intimada no início do julgamento de William Balfour, acusado de assassinar a mãe, um irmão e um sobrinho da artista.

Balfour e Hudson estudaram na mesma escola, e ele foi casado com a irmã de Hudson, Julia. Ela disse que nunca gostou do acusado, e que ele nunca tratou bem a sua irmã. “Eu disse a ela várias vezes para não se casar com William”, afirmou.

Balfour é acusado de matar a tiros Darnell Donerson, de 57 anos, mãe de Hudson; o irmão dela, Jason Hudson, de 29 anos; e um sobrinho, Julian King, de 7.

Hudson relatou o horripilante dia 24 de outubro de 2008, quando, voltando para Chicago de avião, soube da morte dos familiares. Ela identificou o corpo da mãe e do irmão no necrotério, e três dias depois voltou ao local para identificar o sobrinho.

Antes de Hudson se mudar, em 2006, toda a família morava na mesma casa em Chicago onde os corpos de Donerson e Jason Hudson foram achados. O corpo de Julian foi encontrado posteriormente em um veículo roubado.

O promotor-assistente Veryl Gambino disse em suas alegações iniciais que Balfour fez “alertas letais” a Julia Hudson, avisando que mataria a mulher e sua família. Promotores descreveram Balfour como um homem ciumento e vingativo, que ameaçava repetidamente Julia.

Jennifer Hudson despontou como cantora em 2004, no programa de calouros “American Idol”. Ela posteriormente ganhou o Grammy por seu álbum de estreia, e o Oscar por seu papel em “Dreamgirls – Em Busca de um Sonho”.

 

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Antes de Pelé, Dondinho é que era o ídolo em Três Corações (MG)

Por Adilson Barros Façanhas do pai do Rei do...

‘Soul rebel’, Bob Marley além de ‘Legend’

Todo mundo conhece Bob Marley. Ou talvez fosse mais...

Técnico da Universidade Wake Forest doa rim para um de seus comandados

Por: Leo Velasco   Muitos jogadores falam em suas entrevistas que...

São Paulo: Segundo encontrão de Cultura Urbana acontece neste sábado

O “2º Encontrão de Cultura Urbana de Embu das...

para lembrar

20 de novembro: uma disputa pela memória histórica

Por Jana Sá* Preservar a memória coletiva como...

Moçambique combate discriminação das mulheres na província mais populosa

O Governo de Moçambique lança hoje, com o apoio...

Conheça a história do sobrevivente do último navio negreiro dos EUA

Cudjo Lewis morreu há 83 anos, mas sua história...

Boleiros Eleitos – Eleições 2010

Romário – deputado federal – PSB/RJ Bebeto...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=