Jornalista lança mapeamento de escritoras negras da Bahia

O projeto contempla três diferentes produtos: um site, um ciclo de ofinal e um e-book bilingue

Por Clara Rellstab, do Bahia.BA

A escritora e jornalista Calila das Mercês lançará o projeto “Escritoras Negras da Bahia”, que traz um mapeamento e diagnóstico das escritoras negras da Bahia e do acesso a grupos minoritários à arte e literatura.

“Na Bahia, um estado em que a população negra é maioria, prestigiamos grandes escritores homens, mas temos também grandes escritoras mulheres negras, e é sensato termos acesso ao que elas retratam por meio de falas plurais. O busca criar um espaço em que a comunidade negra possa se sentir mais representada e leitores, em geral, possam ter acesso à pluralidade de representações e de autoras baianas que fazem arte literária de qualidade”, explica Calila.

O projeto contempla três diferentes produtos: o primeiro deles é o website www.escritorasnegras.com.br, que será lançado no dia 7 de julho, trazendo um mapeamento e diagnóstico das escritoras negras da Bahia, com acesso às redes sociais e blogs dos seus trabalhos, além de um perfil com histórico sobre a arte literária e atuações. “A ideia do site é fomentar a produção literária na Bahia, porque quem é da área sabe a dificuldade que é viver de literatura, principalmente para a mulher negra”, explicou Calila.

Além do site, o “Escritoras Negras da Bahia” promoverá, entre 7 e 20 de julho, um ciclo de oficinas voltadas a mulheres de comunidades afro-indígenas, nas cidades de Alcobaça, Caravelas e Prado (Cumuruxatiba), Extremo Sul da Bahia, e duas palestras – uma na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus de Teixeira de Freitas, e outra no Fórum de Cultura, em Caravelas. Ao todo, serão mobilizadas 180 mulheres para tratar de temas como literatura, cinema, tecnologia e resistência, com as presenças das pesquisadoras Kênia Freitas, doutora em Comunicação e Cultura da UFRJ, e Raquel Galvão, doutoranda em Teoria e História Literária da Unicamp.

O último produto do projeto é um e-book bilingue (Português e Inglês), com textos acadêmico-culturais relacionados à negritude e à autoria negra, perfis de escritoras negras e intervenções artísticas na Bahia. “O diferencial do projeto é o ineditismo e também o alcance que ele terá, não apenas para potencializar uma única escritora, mas para fortalecer um coletivo de mulheres negras que fazem arte literária”, concluiu Calila.

+ sobre o tema

Quem são as mulheres negras que transformaram o país mas foram esquecidas pela História oficial

Antes de Marielle Franco, pioneiras destacaram-se em diversas áreas...

Consciência Negra, Globeleza e homicídio da juventude: entrevista com Ronald Augusto

A população negra e parda é historicamente oprimida no...

Primeira reimpressão de Um Exu em Nova York a caminho. Agradecemos e celebramos.

E meu primeiro livro de contos, mocinho fofo e...

Juliana Ribeiro mostra Preta Brasileira no verão de Salvador

Das partituras para o palco, a poesia vira som...

para lembrar

A tentativa de apagar a mente pensante de Marielle com 4 tiros não cessou sua luta

Marielle Franco da Silva, nascida em 27 de julho...

Ministra encerra congresso sobre pensamento de mulheres negras

Seminário tem objetivo de explorar produção de conhecimento promovida...

Sou neguinha e daí

Neguinha, sempre quando a minha irmã mais velha, que...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira (2), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox. A causa...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=