“A gente não aguenta mais enterrar mulher”, desabafa Vilma Reis

“A gente não aguenta mais enterrar mulher”, desabafa Vilma Reis. A Bahia registrou 15.751 casos de violência contra a mulher, desde o início deste ano até meados de maio. O “balanço” da Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado não inclui – por questões temporais – as mortes de Hellem Moreira, Zenilda Pinheiro dos Santos, Laise dos Santos Silva, Vanucia dos Santos, Jussara de Oliveira, Daniela Santos Melo e tantas outras mulheres brutalmente assassinadas nos últimos dias.

POR Donminique Azevedo, do Portal Correio Nagô

“A gente está chamando a atenção da sociedade, pois todos precisarão se envolver porque a gente não aguenta mais enterrar mulher!”, desabafa a socióloga Vilma Reis durante coletiva de imprensa sobre aumento dos casos de feminicídio na Bahia, realizada na última quarta-feira (21), na sede da Ouvidoria da Defensoria Pública do Estado da Bahia – DPE/BA, em Salvador.

A iniciativa mediada por Vilma Reis, que também é ouvidora-geral da DPE/BA, colocou em pauta os desafios no combate à violência contra as mulheres, reiterando a necessidade de mais efetividade nas ações de prevenção. Do contrário – e este entendimento é consensual entre aquelXs que não suportam mais conviver com o feminicídio – mais vidas serão interrompidas. “Não é um caso isolado. Tem um rastro de morte em todo o estado. Estamos aqui para pedir pelas políticas de proteção porque até um poste que se conserta é política de proteção”, reforça Reis.
A violação de direitos não acontece apenas com a descontinuidade nas políticas públicas e sociais, nem somente pelos recorrentes casos de impunidade. Abordagens fundamentalistas em diversos setores da sociedade – a exemplo da aprovação dos planos municipais de educação – é outro aspecto diretamente ligado à violência contra mulher. 

Em Lauro de Freitas (BA) evangélicas e católicas correspondem a mais de 70% daquelas que buscam o Centro de Referência de Lélia González (CRLG) – iniciativa que presta atendimento especializado para mulheres vítimas de violência.

“Lauro de Freitas, hoje, praticamente a cada 15 dias está enterrando um mulher vítima de violência. É importante ressaltar que essa mazela acontece em todas as classes. Temos um número expressivo de mulheres com ensino superior”, revela Sulle Nascimento do Centro de Referência de Lélia González.

Coletiva aborda aumento de casos de feminicídio

Para provocar mudanças neste cenário, como desdobramento da coletiva, foi feita a proposta de unir forças para a formação da rede de proteção às mulheres com encontros mensais e fortalecimento dessa rede para cobrar celeridade processos. Foram apontados ainda necessidade de mais monitoramento, ampliação e fortalecimento de políticas públicas.

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

para lembrar

Violência contra a Mulher: Aluna hostilizada por usar roupa curta na Uniban

'Eles estavam possuídos, fiquei com muito medo', afirmou estudante. Tumulto...

A lei “acariciou a onipotência” do goleiro Bruno

Por: FÁTIMA OLIVEIRA A personalidades delinquentes só a lei é...

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=