A jornalista que teve de esconder o cabelo crespo para tirar passaporte

A história de duas mulheres que não conseguiram tirar as fotografias para o passaporte é um exemplo do preço que negros pagam ao assumir seus cabelos crespos.

Em julho a jornalista baiana Lília de Souza, de 34 anos e com cabelos estilo black power, foi a uma repartição da Polícia Federal em Salvador para renovar o passaporte. Ela queria fotografar com os cabelos soltos, mas como o sistema da PF não aceitou a foto foi orientada pela funcionária a prender o cabelo com um elástico.

A atriz e promoter Mônica Assis passou pelo mesmo problema em um posto da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Depois de três tentativas de tirar a foto do documento ostentando seu penteado “black”, ela teve como única alternativa prender os cabelos.

Segundo a Polícia Federal, o sistema é informatizado e  “exige que a foto preencha requisitos mínimos para subsidiar a identificação dos viajantes.”

“O sistema pode reprovar uma foto capturada por inúmeras razões, o que exige uma nova fotografia. Esse procedimento tem que ser refeito em diversas situações, tais como: cabelo solto, cabelo na frente dos olhos, cabelo muito volumoso, olho fechado, adornos diversos, ombros ou orelhas que não estejam visíveis, fotos desfocadas, dentre outros”, explica a nota publicada pela Divisão de Comunicação Social da PF a respeito do caso ocorrido na Bahia.

Se Lília e Mônica tivessem saído de casa com os cabelos bem alisados ou então ancorados por grampos e presos para trás não teriam problemas ao tirar o documento.

As duas, porém, abraçaram os cabelos crespos e as muitas possibilidades de penteados que eles oferecem, tendência que vem aumentando. Hoje é cada vez mais comum ver dreadlocks, tranças ou black powers em cabeças de pessoas que não sejam artistas, esportistas, músicos ou ligados à moda.

passaporte-340x400

Há quem chame esse movimento de “ativismo de cabelo”, embora provavelmente a maioria dos que assumem seus crespos fazem por motivações estéticas. Mas em uma sociedade em que sucessos da música popular caluniam o cabelo dos negros e o apresentador Faustão chamou uma dançarina de “cabelo de vassoura de bruxa”, manter um penteado na contramão da estética eurocêntrica é sim uma forma de resistência.

Como a da menina Júlia Belmont, de 10 anos, cujo vídeo dizendo por que se recusa a alisar o cabelo virou hit na web. A desenvoltura e o humor de Júlia vão fazer bem à autoestima de outras meninas que não nasceram com os cabelos lisos e esvoaçantes.

Ela se mostra bem segura e convicta da beleza dos seus cachos, mas ainda não tem noção do tamanho das barreiras que precisará superar se quiser continuar usando os cabelos crespos. Como as enfrentadas por Lília e Mônica ao solicitar um simples documento.

Fonte: Dcm

+ sobre o tema

Festival da mulher negra pauta combate ao racismo na comunicação

Consolidado como o maior festival da mulher negra da...

Ato relembra hoje em João Pessoa vida e morte de Marielle e Anderson

Na tarde de hoje (13), acontece o ato inter-religioso...

Justiça manda indenizar mulher em R$ 150 mil por ‘pílula de farinha’

A 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de...

Malala vai patrocinar três brasileiras que lutam pela educação de meninas

Depois de proferir uma palestra em São Paulo nesta...

para lembrar

Uma perspectiva feminista negra para os direitos humanos

A historiografia dos Direitos Humanos é marcada por uma...

Morre a prefeita de São Francisco do Conde, Rilza Valentim

Morreu na tarde desta quinta-feira (24), em Salvador, a prefeita...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=