Jovens juiz-foranos combatem preconceito e discutem questões raciais na internet

Assuntos como sobrepeso e desigualdade social são abordados em perfis e vídeos.

Do G1

Diley Almeida criou o “Project 365” para falar sobre sobrepeso na internet (Foto: Reprodução/TV Integração)

Três mineiros de Juiz de Fora estão usando as redes sociais para combater o ódio e discutir sobre formas de reagir ao preconceito e ao bullyng.

Um deles é o produtor de moda, Diley Almeida. Incomodado com a reação das pessoas ao seu sobrepeso, ele decidiu criar uma plataforma para falar abertamente sobre o tema. O Project 365 pretende compartilhar o dia a dia e deixa claro que não quer incentivar o emagrecimento e sim o amor próprio. Projeto criado para proporcionar apoio e interação as pessoas obesas.

A ideia de criar o perfil surgiu após um episódio em um ônibus do transporte público.

“O trocador perguntou se eu queria sentar na frente, e eu entendi que ele ficou com medo de eu ficar aperto na roleta. Eu disse que não tinha necessidade, mas uma senhora começou a discutir com o trocador. Eu exploquei para ela que ele estava querendo me ajudar, e ela soltou a seguinte frase: ‘o menino é gordo e ainda tem que passar por isso'”, contou Almeida.

O produtor decidiu então que o projeto deveria servir de incentivo, apoio e fonte de auto estima para pessoas obesas. “O perfil será de todos os meus parceiros, vai ter dicas de saúde, de alimentação, de autoconhecimento. Vai ter muito do meu dia a dia, mas vai ter conteúdo. Eu quero que seja um lugar de conteúdo paras pessoas”, disse.

Natália Romualdo e Maristela Rosa falam sobre preconceito racial e outros assuntos no canal “Papo de Preta” (Foto: Reprodução/TV Integração)

As jornalistas Maristela Rosa e Natália Romualdo também decidiram usar a internet como ferramente contra o preconceito. Há dois anos, as duas decidiram escrever e falar sobre questões raciais.

“Eu já escrevia sobre o assunto, começando a pensar sobre o meu cabelo, porque eu ainda alisava ele na época. Então eu conversei com a Natália e falei da minha vontade de ter um canal e falar sobre essas questões”, contou Rosa.

canal “Papo de Preta” possui mais de 30 mil inscritos atualmente e o objetivo é dar voz à mulher negra. Além disso, as duas produzem outros conteúdos, como cultura pop, cotidiano, beleza e sociedade em outras redes sociais, somando mais de 20 mil seguidores.

 

+ sobre o tema

para lembrar

Brasil deve se tornar referência internacional na agenda antirracista

As políticas públicas de combate às desigualdades raciais adotadas pelo Brasil...

Racismo contra Carrillo indigna os peruanos

Por:ANTÓNIO ADÃO FARIAS E JOÃO LOPES Numa altura...

Drogba ataca torcida do rival Fenerbahçe por racismo durante clássico

  As demonstrações de racismo por parte da torcida do...
spot_imgspot_img

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...

À espera da extinção da escravidão

Dia 13 de maio de 2024 completam-se 136 anos da assinatura da Lei 3.353/1888 pela então princesa imperial regente. Para além do abandono dos negros...
-+=