Juntas ressaltam que músico morto por policiais foi mais uma vítima de racismo institucional

A deputada Jô Cavalcanti, do mandato coletivo Juntas (PSOL), afirmou, em discurso nesta terça (9), que o racismo institucional está por trás da morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, que teve o carro fuzilado com mais de 80 tiros no Rio de Janeiro. Os disparos foram feitos por militares do Exército, no último domingo, quando o veículo passava numa rodovia da Zona Oeste do município.

Do Alepe

Deputada Jô Cavalcanti, mulher negra de cabelo cacheado e usando óculos, em pé discursando.
Deputada Jô Cavalcanti (Foto: Roberto Soares)

A psolista refutou a explicação preliminar de um delegado da Polícia Civil fluminense de que o carro teria sido alvejado “por engano”. “Isso é um retrato de como as instituições estão tratando a vida de pessoas negras no Brasil. Será mesmo que foi engano ou foi pela cor da família que estava dentro do veículo?” questionou.

Jô classificou como racismo institucional o tratamento diferenciado às pessoas negras por organizações, empresas “e, principalmente, pela polícia”, que as coloca em situação de desvantagem no acesso a serviços públicos e nas relações sociais.

A deputada criticou a Lei nº 13.491/2017, que estabelece que crimes dolosos contra a vida cometidos por militares sejam julgados pela Justiça Militar, e o Projeto Anticrime do ministro da Justiça Sérgio Moro, que amplia o conceito de legítima defesa. “A população negra está sendo morta, principalmente os jovens que são abordados nas periferias. Precisamos lutar por humanidade. Vidas negras importam”, concluiu.

+ sobre o tema

O vírus chegou mas a água do morro ainda NÃO

Os desafios que as comunidades periféricas vêm passando nos...

para lembrar

Starbucks enfrenta mais uma acusação de racismo

Funcionário de unidade da Starbucks em Los Angeles foi...

Clientes negros são taxados como potenciais ladrões para loja Zara

Passaram-se apenas três semanas desde que vários executivos e...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=