Jurema Werneck responde a 5 perguntas sobre discriminação racial

Mulher, negra, carioca, acadêmica, ativista. Estas são apenas algumas das definições usadas para fazer referência a Jurema Werneck. Ela assumiu em fevereiro de 2017 a direção executiva da Anistia Internacional no Brasil com o compromisso de ampliar o trabalho da organização em todo o país.

Da Anistia 

Foto: Fundo Brasil de Direitos Humanos

Nesta entrevista que marca este 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, você vai ter a oportunidade de conhecê-la um pouco mais e entender suas ideias acerca de um dos temas estruturais na luta por direitos humanos no Brasil: o combate ao racismo.

….

Você é uma mulher, negra, nasceu em uma favela do Rio de Janeiro. Mas teve acesso à educação, se formou em medicina, fez mestrado, doutorado e hoje é diretora da Anistia Internacional. Como a lógica da discriminação se manifestou ao longo da sua trajetória? O que você fez para subvertê-la?
Reconhecer que minha experiência pessoal foi uma exceção é um modo bastante explícito de mostrar a lógica do racismo e da discriminação racial no Brasil. Afinal, somos mais de 100 milhões de pessoas negras no país, mais de 50 milhões de mulheres negras – e pouquíssimas tiveram as mesmas condições de estudo e trabalho do que eu. Foi tudo muito difícil, mas contei sempre com a comunidade – família, comunidade religiosa (meus pais eram de umbanda) e a vizinhança… muita gente fez o que pôde para que eu e meus irmãos pudéssemos superar as dificuldades.

Como a discriminação racial afeta de diferentes formas homens e mulheres?
O racismo e a discriminação racial afetam a todo mundo que é negro, mas não da mesma forma. Quanto mais próximo do “ideal” que uma sociedade discriminadora como a nossa impõe: de ser branco, homem, heterossexual, residente em zonas urbanas, não ter qualquer deficiência – melhores são suas chances na sociedade. Assim, dá para entender porque a pessoa negra, sendo mulher, enfrenta barreiras nem sempre iguais a que um homem negro enfrenta.

Na sua opinião, qual a melhor forma de lidar e combater a discriminação racial no Brasil?
Além de reconhecer a gravidade do problema e de enfrentá-lo com recursos a longo prazo, será preciso que haja uma política de Estado e compromisso da sociedade. Para criar e gerir as políticas de modo eficiente é importante conhecer o racismo em detalhes, saber onde ele está, como atua e seus efeitos sobre as pessoas – lembrando que estas políticas precisam ajudar a superar outras desigualdades também. Quero dizer com isso que serão diferentes políticas para diferentes grupos sociais vitimados pelo racismo – para mulheres, para pessoas LGBTI, para homens, para jovens e também para os diferentes grupos que não são negros, mas que também precisam atuar cotidianamente para o fim do racismo.

O que o Brasil tem de diferente em relação a outros lugares do mundo onde a discriminação racial foi/é bastante intensa, como Estados Unidos e África do Sul?
O racismo e a discriminação racial excluem e provocam dor e morte em qualquer parte do mudo onde ela acontece. Talvez, a diferença entre o Brasil e estes dois países seja o fato de que começamos mais tarde e fomos mais tímidos em relação a medidas para enfrentar a desigualdade racial e acabar com o racismo. E mesmo assim, por aqui, já querem desmontar o pouco que foi feito.

Qual o papel de organizações como a Anistia Internacional para o enfrentamento da discriminação racial?
A Anistia é uma organização que luta pelos direitos humanos de todas as pessoas. Portanto, temos a responsabilidade de contribuir com a luta dos movimentos sociais contra o racismo e a discriminação racial, que são uma das principais causas de violação de direitos humanos da maioria da população brasileira. Trabalhamos e continuaremos trabalhando ao lado dos movimentos negro, de mulheres negras, de favelas, de mães e familiares de vítimas da violência, de quilombolas e indígenas. Nós, sob a liderança destes movimentos, seguiremos ampliando nossas ações da Campanha Jovem Negro Vivo – que quer chamar a atenção para este grupo que é o principal alvo de assassinatos no Brasil – além de lançarmos outras ações necessárias para defesa dos direitos humanos de mulheres e homens cisgêneros e transgêneros negras e negros de todas as idades e condições.

+ sobre o tema

Insultos a Duvivier expõem entranhas da direita

por Breno Altman O ator e poeta Gregório Duvivier, integrante...

Por que a dura de Gabriela Moreira no torcedor do Palmeiras é importante

Gabriela Moreira é uma das melhores repórteres esportivas da...

A intolerância não tem rosto

Crime de racismo é cometido na Unesp e levanta...

‘”Amar não é tolerar, amar é respeitar”

Foi pela fé. Foi pelas conexões que nos ligaram...

para lembrar

Portugal: Afrodescendentes lutam contra discriminação racial

O combate ao racismo não é tema dominante na...

Polícia conclui que Seu Jorge foi alvo de racismo no RS, mas não identifica autores

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu o caso...

O moinho do samba precisa da água dos novos compositores de calçada

Alcemir Gomes Basto, o Bandeira Brasil, afirmou em um...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=