Justiça decide não indiciar policiais que mataram homem negro com 46 tiros nos EUA

Enviado por / FonteFolha de São Paulo

Júri conclui que oito agentes agiram em autodefesa ao atirar contra Jayland Walker quando ele estava desarmado

Os oito policiais envolvidos na morte de Jayland Walker, homem negro morto com 46 tiros, não serão indiciados criminalmente, anunciou o procurador-geral de Ohio, nos Estados Unidos, nesta segunda (17).

A decisão foi tomada por um grande júri formado por três homens e seis mulheres, entre os quais havia duas pessoas negras. O grupo não tem poder de condenar ou absolver alguém, mas analisa provas apresentadas por um promotor e determina se há evidência suficiente para seguir com a ação criminal.

O júri decidiu não prosseguir para o indiciamento, de acordo com o procurador Dave Yost, depois de ouvir que Walker teria atirado contra os policiais pelo menos uma vez antes de ser morto.

No caso ocorrido em junho de 2022 na cidade de Akron, agentes de segurança tentaram prender Walker, 25, devido a uma infração de trânsito. Após uma perseguição de carro, Walker saltou do veículo e tentou fugir a pé, quando foi atingido pelos tiros, segundo imagens da adagem que foram divulgadas à época.

De acordo com a versão da polícia, no entanto, Walker teria atirado contra os agentes enquanto ainda estava no carro. Pressionado a apresentar provas dessa afirmação, o departamento de polícia disse que encontrou uma arma dentro do veículo, além de um invólucro de bala compatível com o armamento.

No momento da fuga a pé, Walker estava desarmado. Segundo o procurador, os policiais pensaram, equivocadamente, que ele sacaria uma arma da cintura antes de levantar as mãos para os agentes e, por isso, dispararam dezenas de vezes. A autópsia constatou que havia 60 marcas de tiros no corpo de Walker e, posteriormente, confirmou que ele foi atingido 46 vezes.

“O grande júri concluiu que os policiais estavam legalmente amparados em seu uso da força”, disse o procurador em entrevista coletiva. A lei de Ohio permite que agentes de segurança usem força letal para responder a uma ameaça mortal contra si ou contra outros. Eles alegam ainda que tentaram imobilizar Walker com armas de disparos elétricos antes de atirar com munição letal.

“Já vimos isso muitas vezes. Uma batida de trânsito de rotina termina em morte”, disse Emilia Sykes, deputada que representa Ohio na Câmara. A democrata afirmou em comunicado que vai pedir formalmente ao Departamento de Justiça uma investigação sobre as práticas da polícia de Akron.

Os advogados da família Walker ridicularizam a decisão. “Foi um erro jurídico, Jayland não teve chance”, disse a advogada Paige White ao afirmar que a promotoria conduziu o caso de forma enviesada.

No ano passado, a morte de Walker desencadeou uma série de protestos. A decisão desta segunda gerou preocupação semelhante, de modo que o prefeito Dan Horrigan ordenou a montagem de barreiras no centro comercial da cidade e do lado de fora da prefeitura e do departamento de polícia.

As aulas nas escolas públicas também foram suspensas nesta terça (18) para, nas palavras de Horrigan, “garantir a segurança de alunos e funcionários”. O democrata determinou uma apuração no departamento de polícia sobre a morte de Walker —o resultado do inquérito ainda não tem data prevista para divulgação.

Todos os policiais envolvidos ainda trabalham no departamento local e serão mantidos em serviço administrativo até que sejam apuradas possíveis violações das políticas internas.

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Precisava isso? – Por Hamilton Borges Walê

Por Hamilton Borges Walê*data: 05/08/2009fonte: lista discriminacaoracial Semanas passam e...

Desembargador Paulo Rangel ministra palestra na Defensoria Pública sobre menoridade penal

Enviado para o Portal Geledés O auditório da Fundação Escola...
spot_imgspot_img

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...
-+=