Juventude de terreiros do AP busca ferramentas de comunicação para alcançar sociedade

Este domingo (8) foi dia de estudo para um grupo de jovens das religiões do candomblé e umbanda e Macapá. Eles querem pautar questões sociais do segmento para que a população conheça e respeite os dogmas.

Por Rita Torrinha, do G1

Juventude de terreiros do AP buscam ferramentas de comunicação para alcançar sociedade (Foto: Rita Torrinha)

Um grupo de jovens das religiões Candomblé e Umbanda de Macapá participam neste domingo (8) de uma oficina sobre comunicação popular. Ministrada por um representante da Rede de Comunicadores da Amazônia, o objetivo é encontrar ferramentas de combate à intolerância religiosa, através do conhecimento.

Cerca de 30 jovens integram o grupo, e a ideia é fazer com que esse número aumente, explicou o filho de santo Alessandro Brandão.

“É uma alternativa para propagar o combate ao racismo, à intolerância religiosa, sendo nós mesmos os comunicadores. Estudamos leis, estatuto da igualdade social e tudo que possa fortalecer nossa cultura. Esperamos que mais jovens busquem também conhecer e desenvolver mais nossa religião”, explicou.

Segundo o palestrante João Ataíde, a rede ajuda comunidades a usarem a criatividade para alcançar a população, pautando questões sociais e resgatando histórias de luta dos movimentos.

“Nosso objetivo é que eles mesmos identificaram ações que possam ser desenvolvidas pelos terreiros, para promover a comunicação interna e o diálogo com a sociedade, como rádios comunitárias, jornais informativos, fanpages e blogs, além de atividades artísticas e culturais”, ressaltou Ataíde.

A também filha de santo Camila Lopes, de 28 anos, participa da oficina e reconhece como importante para o segmento.

“Combater a intolerância religiosa é o papel de qualquer meio de comunicação, de qualquer equipamento que possa surgir para nos ajudar. Queremos de fato que as pessoas nos respeitem. Não entende? não conhece? Então vamos fazer a população entender e nos respeitar, para que todos possamos viver em paz”, pontuou.

+ sobre o tema

Daurene Lewis

Daurene E. Lewis é uma política e educadora canadense. Nascida...

Milles Collines: A moda inspirada na mulher de Ruanda

A viagem Mil Colinas (Mille Colines) começou em Barcelona, Espanha,...

Maceió: Educadores discutem Educação Quilombola durante Curso de Formação

Professores de comunidades quilombolas alagoanas e técnicos das...

Morre aos 80 anos o cantor Johnny Alf, precursor da bossa nova

O cantor e compositor Johnny Alf morreu no final...

para lembrar

Palmares 25 Anos: Atividade em Campinas/SP promove plantio de árvores sagradas

Homenagear os negros e negras que foram escravizados na...

França quer ‘compensar’ consequências da escravidão

Os serviços do premier francês, Jean-Marc Ayrault, estudam com...

SLAM SP ocupa Biblioteca Mário de Andrade

Depois de uma versão virtual, o SLAM SP -...

Onde está Jonathan Makeba? Altair Maia

Jonathan Makeba é um personagem real. Ele é resultado da...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=