Juventudes do Agora: proposta pretende tirar o Plano Nacional de Juventude do papel e fazer história no Brasil

A maior geração de jovens do País demanda do estado brasileiro um plano intersetorial e interfederativo. Estratégia vai incidir nas eleições de 2022 até a proposição de uma Política de Estado “para e com” as Juventudes

Sem nunca ter implementado uma política que desse condições estruturantes de desenvolvimento para os jovens, o Brasil sempre esteve em dívida com suas juventudes. São gerações inteiras que se tornaram adultas sem ver qualquer compromisso governamental com suas demandas.

No ano em que o País computa a maior geração de jovens de sua história (quase 50 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos de idade, ¼ da população), o Atlas das Juventudes – maior plataforma de dados sobre jovens no País – lança o Juventudes do Agora: Diretrizes e Bases de uma Política Para e Com as Juventudes, um caderno – impresso e virtual – que propõe uma metodologia com os principais passos para construção, implementação e monitoramento participativos de um plano efetivo. 

“É uma oportunidade extraordinária. São milhões de jovens, que, em diferentes realidades, experimentam uma fase determinante de transição de vida, na busca pela construção da sua autonomia. Quando um país é capaz de efetivar os direitos da sua população jovem, todo esse potencial pode se concretizar como crescimento e prosperidade para todas as pessoas”, afirma Marcus Barão, coordenador geral da iniciativa.

Em 2013, com a institucionalização do Estatuto da Juventude, previa-se também a elaboração do Plano Nacional da Juventude (PNJ), mas o projeto de lei que o aprova nunca saiu do papel, e segue em tramitação desde 2004.

“Sem um plano nacional, qualquer política pública se torna mais uma política de governo do que de Estado e, com as mudanças de gestão, programas essenciais são interrompidos, desfinanciados ou descaracterizados quando não há interesse político em mantê-los”, explica Wesla Monteiro, coordenadora executiva do projeto.

O evento de lançamento do Juventudes do Agora será no dia 17/08, às 11h, no Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, apenas para convidados.

Candidatos e representantes de partidos políticos receberão exemplares após o evento. A intenção é conseguir incidência nas eleições de 2022, nas candidaturas e na mobilização massiva de jovens em todo o Brasil, com um plano de influência que se estenderá também ao período pós-eleitoral, na transição governamental e na definição das prioridades para os 100 primeiros dias de Governo e do Legislativo, até a proposição do Plano Nacional de Juventude.

“Trazer as juventudes para a pauta das eleições é bom para todo o País. Sem uma política nacional organizada e que prioriza os nossos 50 milhões de jovens, não seremos capazes de oferecer um desenvolvimento sustentável para o nosso país. O momento é agora”, enfatiza Mariana Resegue, coordenadora geral da iniciativa.

O documento traz 07 compromissos prioritários já para 2023:

➔ A construção participativa e aprovação do Plano Nacional de Políticas para e com as Juventudes, com políticas, metas e objetivos para os próximos 10 anos, inaugurando a “Década das Juventudes Brasileiras”;

➔ O reposicionamento da Secretaria Nacional da Juventude na Presidência da República, com status de Ministério;

➔ A reativação do Comitê Interministerial de Políticas de Juventude – COIJUV como instância de governança intersetorial;

➔ A efetivação do Sistema Nacional da Juventude – SINAJUVE como mecanismo para a governança intersetorial e interfederativa;

➔ A garantia de financiamento da Política Nacional, com criação de fundo específico e dotação orçamentária, estabelecendo o Conselho Nacional da Juventude – CONJUVE como instância deliberativa deste fundo;

➔ A realização da 4ª Conferência Nacional de Juventude com o papel de conferência revisora da proposta;

➔ Monitoramento e a avaliação das políticas por meio de um compromisso de governos, sociedade civil e universidades na criação de um Observatório Nacional das Políticas de Juventudes.

A estratégia também previu a criação de uma plataforma online, onde pessoas e organizações podem aderir, a partir do dia 17/08, assinando seu desejo de ver essas ações implementadas, além de acompanhar o atingir das metas estabelecidas, através do http://juventudesdoagora.com.br

A publicação foi construída com a participação de jovens e validada por estudos e pesquisas de planos nacionais, estaduais e municipais de juventude no Brasil; planos e políticas de sete países e da União Europeia, além de especialistas na construção, monitoramento e avaliação de planos nacionais de políticas transversais em parceria com o Instituto Veredas e Instituto Cíclica.

Juventudes do Agora tem a missão de fortalecer a democracia participativa e o protagonismo juvenil na consolidação de uma Política de Estado e de uma agenda de desenvolvimento para o Brasil.

Para receber o guia impresso, escreva para [email protected]

Contato para a imprensa – [email protected] (11) 99857 7069

+ sobre o tema

O golpe de 2016 e seu estudo nas universidades

Se várias universidades resolveram colocar o tema “O golpe...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

para lembrar

Igualdade de gênero e 5 paródias que eliminam as barreiras entre o humor e a política

Feministas estão lutando pela igualdade factual entre homens e...

Africana e ativista contra racismo se torna ministra do novo governo israelense

A advogada, de 39 anos, Pnina Tamano-Shata, foi nomeada...

‘Sementes: Mulheres Pretas no Poder’ abre estreia do primeiro cine coletivona no Museu da Maré

Construído na Maré há dois anos, a ação Coletivona lança dia 31...

O núcleo duro do bolsonarismo

“E a memória de tudo desmanchará suas dunas desertas,e...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por ano no Brasil entre 2011 a 2022, enquanto as taxas de notificações por autolesões na...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...

Um em cada quatro jovens relata ter sofrido violência no Brasil

Os brasileiros de 15 a 29 anos estão mais sujeitos à violência física, psicológica e sexual. Mais de um quarto dos jovens (27%) afirmou...
-+=