Lançamento de livro de Sueli Carneiro: “Dispositivo de racialidade”

Enviado por / FonteSESC SP

Encontro com Sueli Carneiro. Participação de Bianca Santana e Yara Frateschi

Quase duas décadas após ter sido defendida na Faculdade de Educação da USP, a tese de doutorado de Sueli Carneiro chega na forma de livro com grande atualidade. Nele, a autora aplica os conceitos de dispositivo e de biopoder de Michel Foucault ao domínio das relações raciais, forjando o que chama de dispositivo de racialidade – que produz uma dualidade entre positivo e negativo, tendo na cor da pele o fator de identificação do normal, representado pela brancura.

Especulando com Foucault e amparada na teoria do contrato racial do afro-jamaicano Charles Mills, ela demonstra como este dispositivo se constitui em um contrato que não é firmado entre todos, e sim entre brancos, e funda-se na cumplicidade em relação à subordinação social e na eliminação de pessoas negras. Ele também se efetiva pelo epistemicídio, cujo objetivo é inferiorizar o negro intelectualmente e anulá-lo como sujeito de conhecimento. Contudo, todo dispositivo de poder produz a sua própria resistência, e é nesse contexto que a filósofa traz à obra a voz de quatro insurgentes. Seus testemunhos revelam que é da força da autoestima, da conquista da memória e da ação conjunta que se extrai a seiva da resistência.

Distribuição de 200 senhas para autógrafos, 30 minutos antes do evento, no foyer no Teatro.


Datas e horários

21/03 • Terça • 19h00

Venda online a partir de

* 14/03 – 12h00


Local: Teatro Antunes Filho (Sesc Vila Mariana)

Retirada presencial de ingressos a partir de 15/3, às 17h.

Saiba mais aqui

+ sobre o tema

Brasil é segundo país da América Latina com menos mulheres no comando

Brasil é segundo país da América Latina com menos...

Negro, gay e rapper: “Sofro preconceito diariamente, nada mudou”

Rico Dalasam desafia a normalidade nas questões musicais e...

“Fui empregada doméstica, enfrentei o racismo e hoje sou modelo”

Maria Oliveira, 20, acreditava que seu destino era viver...

Qual é a representatividade da mulher no Brasil?

O governo Dilma Rousseff avançou muito pouco na busca...

para lembrar

Escrita de Mulheres Negras em quarentena: autocuidado e sobre(vivência)

Reconhecemos a existência de um vasto campo literário produzido...

Os monstros da minha casa

Desenhos de crianças retratando o abuso que sofreram Esses são...

Criadores de HQ com Superman bissexual recebem proteção policial após ameaças

Os criadores da HQ "Superman: Son of Kal-El", na qual...

O lento reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina

O avanço do reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina começou...
spot_imgspot_img

‘A gente pode vencer e acender os olhos de esperança para pessoas negras’, diz primeira quilombola promotora de Justiça do Brasil

"A gente pode vencer, a gente pode conseguir. É movimentar toda a estrutura da sociedade, acender os olhos de esperança, principalmente para nós, pessoas...

Ana Maria Gonçalves anuncia novos livros 18 anos após lançar ‘Um Defeito de Cor’

Dois novos livros de Ana Maria Gonçalves devem chegar ao público até o fim de 2024. As novas produções literárias tratam da temática racial...

Mulheres recebem 19,4% a menos que os homens, diz relatório do MTE

Dados do 1º Relatório Nacional de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios mostram que as trabalhadoras mulheres ganham 19,4% a menos que os trabalhadores homens no...
-+=