Legalização da maconha: a questão do racismo

graficomaconha1

Um novo relatório da ACLU entitulado “A Guerra Contra a Maconha em Preto e Branco” expõe as desigualdades ultrajantes na aplicação das leis americanas que criminalizam a posse de maconha. Os dois gráficos abaixo demonstram a situação.

A ACLU não chega ao ponto de exigir igualdade racial para as prisões por posse de maconha. A associação verifica o “chocante viés racial” e o fato de que bilhões de dólares são desperdiçados para reduzir o uso de maconha, e conclui que a guerra contra a maconha fracassou.

 Setecentas e cinquenta mil pessoas são presas nos EUA por posse todo ano, e o fato de que negros são presos quatro vezes mais que brancos embora consumam em média a mesma quantidade poderia ser encarado como uma maneira sutil de suprimir o voto negro, uma vez que 48 estados americanos limitam os direitos eleitorais de criminosos condenados. Este é um bom argumento para os defensores da legalização, e pode até mesmo ser capaz de transpor as objeções morais dos proibicionistas.

A mudança estratégica do movimento pró-legalização na direção do racismo do sistema de justiça criminal dos EUA é enternecedora. O racismo institucionalizado é a maior perversão dos Estados Unidos e permanece entranhado na vida cotidiana americana, mas sua presença tornou-se imperceptível para a maioria das pessoas. Se a perspectiva de um dia poder fumar um baseado impunemente é o que é necessário para fazer com que universitários se choquem com o fato de que a guerra contra as drogas acabou se tornando a segunda encarnação das leis segregacionistas, então que seja. Pessoas doentes não se importam com as razões que fizeram as pessoas quererem ajudá-las a legalizar a maconha medicinal. Aqueles que foram presos injustamente não se importarão com as razões por trás de sua libertação.

Fonte: Opiniao e noticia

+ sobre o tema

O mistério de “África Brasil” (e de Jorge Ben)

O disco África Brasil, de Jorge Ben, lançado em...

“Você não sabe nada sobre minha história” – Dois Africanos

Racismo faz africanos que moram na Paraiba ter vontade...

Novo filme de Pelé deve ter selo Globo e busca achar ‘gol de placa’ do Maracanã

Por: Bruno Freitas   A vida e obra do "Rei do futebol"...

Nasce 3º filho de Solange Couto, atriz de 55 anos

Com 2,9 kg e 48 cm, nasceu na noite...

para lembrar

Aos 80, Elza Soares posa seminua, coberta de rosas e anuncia biografia: ‘Preparem-se’

Elza Soares posou seminua e coberta de rosas vermelhas...

História reescrita

OAB Nacional quer instituir Comissão da Verdade da Escravidão...

Conheça Waris Kareem, o artista de 11 anos que é sensação em Lagos, na Nigéria

Com 11 anos de idade, Waris Kareem Olamilekan, ou apenas Waspa, já é...
spot_imgspot_img

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...
-+=