Legalização da maconha: a questão do racismo

graficomaconha1

Um novo relatório da ACLU entitulado “A Guerra Contra a Maconha em Preto e Branco” expõe as desigualdades ultrajantes na aplicação das leis americanas que criminalizam a posse de maconha. Os dois gráficos abaixo demonstram a situação.

A ACLU não chega ao ponto de exigir igualdade racial para as prisões por posse de maconha. A associação verifica o “chocante viés racial” e o fato de que bilhões de dólares são desperdiçados para reduzir o uso de maconha, e conclui que a guerra contra a maconha fracassou.

 Setecentas e cinquenta mil pessoas são presas nos EUA por posse todo ano, e o fato de que negros são presos quatro vezes mais que brancos embora consumam em média a mesma quantidade poderia ser encarado como uma maneira sutil de suprimir o voto negro, uma vez que 48 estados americanos limitam os direitos eleitorais de criminosos condenados. Este é um bom argumento para os defensores da legalização, e pode até mesmo ser capaz de transpor as objeções morais dos proibicionistas.

A mudança estratégica do movimento pró-legalização na direção do racismo do sistema de justiça criminal dos EUA é enternecedora. O racismo institucionalizado é a maior perversão dos Estados Unidos e permanece entranhado na vida cotidiana americana, mas sua presença tornou-se imperceptível para a maioria das pessoas. Se a perspectiva de um dia poder fumar um baseado impunemente é o que é necessário para fazer com que universitários se choquem com o fato de que a guerra contra as drogas acabou se tornando a segunda encarnação das leis segregacionistas, então que seja. Pessoas doentes não se importam com as razões que fizeram as pessoas quererem ajudá-las a legalizar a maconha medicinal. Aqueles que foram presos injustamente não se importarão com as razões por trás de sua libertação.

Fonte: Opiniao e noticia

+ sobre o tema

Argélia anula dívida de 12 países africanos

A medida do governo argelino beneficia o Benin,...

África ganha 11 bilionários em 1 ano. Veja os mais ricos

  Segundo ranking divulgado pela revista Forbes, 10...

para lembrar

Imigrantes: Brancos britânicos deixam de ser maioria em Londres pela primeira vez

A população de imigrantes saltou para três milhões em...

Principais candidatos à presidência do Quênia votam e pedem eleição pacífica

Os dois principais candidatos à Presidência do Quênia,...

Panafricanismo galvaniza desenvolvimento de África

O vice-governador do Moxico para a esfera económica,...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

‘Fui um menino negro criado por avós supremacistas brancos que me ensinaram a saudação nazista’

Shane McCrae é um consagrado poeta norte-americano. Ele foi premiado diversas vezes, publicou uma dezena de livros e é professor de redação criativa da...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=