Lesbofobia e mulheres negras

Tudo que nos coloca fora do duvidoso padrão vigente é considerado errado, mas para mulheres lésbicas e negras as coisas acontecem de um jeito bem pior. O corpo é meu, junto com minha identidade e minha orientação, mas certamente não é fácil ser lésbica e negra na sociedade racista, patriarcal e consequentemente machista.

Rebecca Nascimento

Apesar da nossa existência, quase não nos reconhecemos nos espaços de destaque para que haja uma identificação. Ver uma mulher negra e lésbica na grande mídia é algo ainda raro e quando chegamos a ver, a quantidade de comentários machistas, racistas e lesbofóbicos saltam tanto aos nossos olhos que achamos verdadeiramente impossível a população não perceber seus preconceitos. Lembro-me de quando a Ellen Oléria venceu o primeiro The Voice Brasil e o quanto eu escutei: “ah, ela é sapatão, mas canta bem”, junto com: “nêga sempre tem voz bonita”. A lesbofobia alcança todas as mulheres lésbicas, mas a mulher branca nunca vai sofrer com o racismo aliado a essa opressão.

Ser lésbica e negra num país ainda racista e machista nos trás o pesar cotidiano da lesbofobia conectado ao racismo dos últimos 484 anos. A objetificação e erotização dos nossos corpos são frequentes. Digitar lésbica e negra no Google é prova disso e fora da virtualidade não é muito diferente.

Para além disso tudo, ao nos afirmarmos como lésbicas sempre ouvimos comentários descrentes quanto a nossa orientação. Tudo ainda funciona como se estivéssemos na senzala, obrigadas a estarmos à disposição da nojenta violência sexual dos senhores.

A lesbianidade negra existe e resiste. Embora ainda seja algo difícil por ainda enfrentarmos a lesbofobia, inclusive nos espaços de militância, é necessário que nos organizemos para que nos fortaleçamos e juntas possamos encontrar maneiras de resistência diária. Nossa afetividade e nosso prazer são nossos e temos o direito de vivenciarmos nossas experiências da maneira e das maneiras que quisermos.

*Rebecca Nascimento é jornalista e publicou no site www.blogueirasnegras.org.br

 

Fonte: Diário Liberdade

+ sobre o tema

Como abordar os novos modelos familiares na escola e combater o preconceito?

por Maria Helena Vilela, diretora executiva do Instituto Kaplan onde...

Violência contra mulher negra é tema de debate

Com o objetivo de debater e propor soluções para...

Executiva mais bem paga do mundo é transexual

Martine Rothblatt, de 60 anos, foi a mais bem...

Representatividade negra, sim! Karol Conka é estrela de nova campanha da Avon

Parece que a Avon tem compreendido as reivindicações dos brasileiros por...

para lembrar

Casa Sueli Carneiro: acervo e biblioteca na casa da ativista serão abertos ao público

A antiga casa da filósofa e ativista antirracista Sueli Carneiro será...

A mulher negra no mercado de trabalho

Rousseau, considerado um pensador progressista, dizia que a mulher...

Trabalho doméstico: herança histórica do racismo e sexismo no Brasil

É sabido que existem alguns pilares que estruturam as...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=