Elas abandonaram o alisamento de cabelos

Mulheres optam por deixar a química de lado e assumir a textura natural do cabelo; tendência conhecida como transição é forte nos EUA e ganha adeptas no Brasil

“Ver meu cabelo natural pela primeira vez foi uma revelação. Ele não era nada seco e quebradiço, como eu pensava. Era crespo e gostoso de tocar”. O depoimento da britânica Zina Saro-Wina está registrado em um mini-documentário de sua autoria, recentemente publicado na versão online do jornal “The New York Times”. O filme trata sobre as mulheres que estão deixando os cabelos quimicamente alisados de lado para voltar ao look natural. De acordo com Zina, esta transição é um fenômeno que vem acontecendo entre as negras norte-americanas nos últimos três anos e o número de adeptas não para de crescer.

No Brasil não poderia ser diferente. Com a população formada por uma mistura de etnias e majoritariamente com cabelos crespos ou cacheados, o fenômeno da transição dos cabelos com química para a textura natural chegou por aqui e é amplamente discutido nas redes sociais e sites de compartilhamento de vídeos.

Adriana André decidiu se livrar do alisamento de uma só vez, raspando os cabelos

 

O processo pode ser encarado de duas maneiras: cortar todo o cabelo de uma vez ou ir tratando a parte alisada. Cortar tudo foi a opção de Adriana André, paulistana de 27 anos. Há dois meses a cabeleireira trocou o corte liso tipo “chanel” por uma cabeça raspada na máquina um: “Vou deixar o cabelo natural, sem química. No final do ano estou pensando em fazer luzes. E se for mudar a forma de novo, quero deixar cacheado”, disse.

Os conhecidos estranharam o novo visual, mas Adriana não liga: “Me perguntam se virei lésbica, se raspei porque entrei para a umbanda, mas não estou nem aí”, conta ela, que está adorando a nova fase “curtíssimo”.

Amanda Gil, 29 anos, também optou pelo corte, mas não chegou a raspar. A profissional autônoma ficou sete meses com o cabelo de duas texturas até que decidiu fazer o chamado big chop (grande corte). Retirou toda a parte alisada, ficando com os fios bem curtinhos. “Nunca tinha usado o cabelo assim, mas não tive escolha! Depois de fazer o corte gostei, os cabelos curtos são práticos e versáteis”, diz a carioca. E completa: “Dá sim para ser feminina com os cabelos curtos. É só usar e abusar da maquiagem e dos acessórios que fazem toda a diferença!”

alisamento_cabelos1

Amanda Gil esperou sete meses para os cabelos naturais crescerem antes de fazer o chamado “big chop”

 

A história de Amanda com alisamentos vem desde a infância, quando começou a fazer relaxamento em casa. Depois de uma experiência desastrosa – relaxou e fez escova progressiva no mesmo dia e quase ficou careca – foi terminantemente proibida de usar químicas pelo médico dermatologista. E hoje diz orgulhosa que está há um ano e cinco meses sem usar nada para mudar a forma das madeixas.

“Minha vida mudou completamente. Me sinto realmente livre. Não suporto mais ver minhas fotos de cabelo alisado. Hoje sim, me sinto linda. Amo meu cabelo e minha autoestima está sempre lá em cima. Eu entendi e aceitei que meus cachos são minha identidade”, conclui Amanda

Jacqueline Maciel, 28, está em pleno processo de transição, com sete meses de raiz crescida. A professora mineira também começou a alisar os cabelos na infância, mas percebeu que a química prejudicava seus cabelos. Mesmo decidida a voltar à textura natural, Jacqueline confessa que o processo não está sendo fácil: “Muitas vezes a vontade de voltar a relaxar é imensa. Eu optei por não cortar os cabelos, então as duas texturas no mesmo fio dão uma aparência de mal cuidado. Além disso, os cabelos processados são fracos e começam a quebrar. É difícil lidar com a autoestima”, declara.

Jacqueline trocou químicas, secador e chapinha por uma rotina de cuidados que inclui muita hidratação, nutrição e reconstrução das madeixas. “Os fios reagem muito melhor a qualquer tratamento que eu faço”, conta.

Palavra dos especialistas
Os especialistas confirmam mesmo uma volta aos cabelos naturais. “Nove entre dez clientes que me mandam e-mail querem saber como voltar aos cachos naturais”, diz Soraia Ferretti, dona do Lunablu, salão de São Paulo especializado em cabelos crespos e cacheados.

Mas não existe milagre. Dependendo do processo pelo qual passou o cabelo, só mesmo um corte é capaz de recuperar a forma natural. Sueli Martins, do Studio Dom, de São Paulo, diz que a transição leva em média seis meses, dependendo do comprimento do cabelo: “Depois desse tempo já dá pra fazer um corte e ficar com ele todo natural”.

“Se a pessoa fez uma escova definitiva tem que ir deixar crescer e ir cortando a parte alisada. Se fez progressiva poucas vezes, existe a possibilidade de só tratar e os cachos voltarem. Se só amaciou, pode tratar que os cachos voltam na hora”, explica Robson Trindade, cabeleireiro e visagista do salão paulistano Red Door. Trindade diz que aproximadamente 70% de sua clientela quer voltar aos cabelos naturais.

Para os profissionais, quem tem o cabelo alisado e quer recuperar a textura natural tem que ter paciência. Raspar tudo é para poucas corajosas e a maioria acaba mesmo fazendo a transição gradativa. Durante este processo, além de muita hidratação para controlar o volume, é necessário que a mulher aprenda a lidar com seu novo cabelo.

“O cabelo crespo ou cacheado sem processo químico não é difícil de cuidar. Existe uma ilusão de que o cabelo liso é mais fácil, mas não é, basta saber como lidar”, afirma Soraia. Robson concorda e diz que para cabelos crespos, menos é mais. Ele recomenda lavar com um xampu que não faça muita espuma, passar condicionador e não enxaguar e em seguida secar com tecido de algodão cru ou toalha de papel para controlar o volume. Outra dica valiosa: quem quer recuperar os cachos deve abandonar a escova e ajeitar os cabelos com os dedos.

 

Fonte: Mulher Negra e Cia

+ sobre o tema

Lei obriga reabilitação para agressores: como isso pode ajudar as mulheres?

Embora a Lei Maria da Penha determine, desde 2006,...

Em vigor há duas décadas, lei do assédio ainda não protege a mulher

O olhar indiscreto, o convite insistente, o gesto inconveniente,...

“Bandido bom é bandido morto”, mas ai de quem defender o aborto!

O versinho do título resume a hipocrisia brasileira, que...

Aluno transexual ganha direito de usar nome social na UnB

Depois de longa espera, Marcelo Caetano poderá ver o...

para lembrar

Como podemos construir um futuro antirracista?

Nunca teremos de fato uma democracia sem debater todas...

Mulheres negras enfrentam barreira maior no mercado de tecnologia

O Brasil tem mais negros (56%) e mulheres (52%),...

Djamila Ribeiro parou a Lapa

Saímos todas e todos desnorteados na última sexta-feira da...

Governo quer livro didático com temática homossexual

O governo quer que sejam incluídos nos livros didáticos...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=