Letitia James, promotora e algoz de Andrew Cuomo

Enviado por / FonteG1, por Sandra Cohen

Procuradora-geral de Nova York que acusou o governador por assédio sexual é cotada para concorrer às eleições para o estado.

O apoio do governador Andrew Cuomo foi essencial para que Letitia James saísse vitoriosa há três anos na eleição para a Procuradoria-Geral de Nova York. Primeira mulher negra a ocupar o cargo, ela trilhou o caminho da independência, demarcando distância do governador democrata, até transformar-se em seu principal algoz.

O ex-aliado de campanha foi acusado de assédio sexual e má conduta por pelo menos 11 mulheres, numa investigação conduzida por Letitia James. O relatório demolidor de 165 páginas encerrou o terceiro mandato do governador, que, diante do inevitável risco de ser cassado, anunciou nesta terça-feira a decisão de renunciar ao cargo.

Cuomo sai como assediador sexual em série, como a própria procuradora o definiu, ao tornar insustentável a permanência, após uma década, no comando do estado. Letitia James, por sua vez, consolida sua posição como nome forte para concorrer ao governo estadual, nas eleições do próximo ano.

Aos 62 anos e conhecida como Tish, ela se habituou a comprar boas brigas e resistir às pressões para enfrentá-las. Começou a investigar os negócios de Donald Trump antes de ele tornar-se presidente. Em maio, a procuradora-geral e Cyrus Vance, o promotor distrital de Manhattan, entraram com ações criminais contra a Trump Organization e seu ex-diretor financeiro Alan Weisselberg, por suspeita de fraude fiscal.

Foi ela quem liderou a ação, com outros 47 procuradores estaduais, para processar o Facebook por monopólio. Voltou-se também contra a Amazon, acusando-a de não proteger seus funcionários durante a pandemia do novo coronavírus. “Está claro que a Amazon deu mais valor aos lucros do que às pessoas e fracassou em garantir a saúde e a segurança de seus trabalhadores”, alegou, em fevereiro, ao iniciar uma ação contra a multinacional.

Sem entrar no mérito da Segunda Emenda ou da violência armada, ela entrou com um processo para dissolver a poderosa Associação Nacional de Rifles (NRA na sigla em inglês), sob o argumento de que seus executivos usaram fundos de caridade em benefício pessoal. Cooptou, assim, o apoio de grupos de defesa do controle de armas e de vítimas de tiroteios em massa.

Quando surgiram as primeiras denúncias de má conduta contra Cuomo, no início do ano, o próprio governador insistiu que Letitia James as investigasse, certo de que se livraria facilmente. “Peço ao povo deste estado que espere pela conclusão do relatório antes de formar uma opinião”, recomendou em tom desafiador. Os nova-iorquinos acharam por bem obedecê-lo.

+ sobre o tema

Sair da Zona de Conforto

A Marcha das Mulheres Negras foi o fato mais...

TV Brasil estreia primeiro programa de entrevistas LGBT da TV aberta

Entre os novos formatos da TV Brasil para a...

Vencedora do Eurovision, Conchita Wurst discursa contra violência de gênero ao lado de Ban Ki-moon

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, defendeu, nesta segunda-feira...

para lembrar

Manifesto “Não Tem Conversa” busca inclusão de mulheres em debates públicos

Através de assinaturas, homens se comprometem a não participar...

A cultura dos concursos de Miss e os 30 Homens sobre nossos corpos

O concurso de miss, diversas vezes atacados pelas mais...

Pastor Silas Malafaia organiza marcha contra o casamento gay em Brasília

Protesto em frente ao Congresso Nacional vai defender Marco...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=