Livro de História e Cultura Afro-brasileira vence em 1º lugar o mais importante prêmio literário do Brasil

Por Juliana Dias

 

 

Capa do livro

Entre os 21 livros que receberão o 52º Prêmio Jabuti, no dia 04 de novembro, em São Paulo, está “Uma História da Cultura Afro-brasileira”, dos autores Walter Fraga e Wlamyra R. de Albuquerque, que venceu em primeiro lugar, na categoria Didático e Paradidático. O livro aborda diversas referências sobre a história, a geografia e a cultura da África, sobre o tráfico de escravos e sobre suas condições de vida no Brasil. Em entrevista ao CORREIO NAGÔ, a Doutora em História Social pela Unicamp e professora adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana – BA, Wamyra R. de Albuquerque fala sobre a importância de ganhar o mais importante prêmio literário do Brasil e sobre o tipo de produção voltado para essa temática.

 WlamyraAlbuquerqueV

Wlamyra R. de Albuquerque

CN: Do que se trata o livro?

WA: O livro trata da cultura afro-brasileira numa perspectiva histórica. O que fizemos (o livro é co-autoria com Walter Fraga) foi escolher assuntos importantes da nossa história e, a partir de pesquisas de diversos autores, recontá-los enfatizando o papel decisivo que os povos africanos e descendentes tiveram na constituição da nossa cultura. Em “Uma História da cultura afro-brasileira” não tratamos as histórias destes povos como contribuições periféricas à cultura nacional, mas como forças dinâmicas que formaram os modos de viver no Brasil.

CN: Para você qual a importância de ganhar o mais importante prêmio literário do Brasil?

WA: Sobre a importância do prêmio devo dizer que ainda estou numa nuvem de surpresa e felicidade, porque nunca imaginei que esta temática pudesse nos render um prêmio. O Jabuti é o mais importante prêmio literário do país, portanto estamos entre perplexos e orgulhosos pelo livro. Passado o susto, começo a pensar na importância desta premiação para dar visibilidade ao esforço de tantos autores que pesquisam e publicam nesta área.

CN: Qual a importância deste tipo de produção, já que os professores ainda reclamam da falta de material pedagógico para cumprir a lei 10.639?

WA: Acho que para os professores este livro se soma ao empenho deles, tanto os da rede pública quanto da privada, em oferecer aos alunos conteúdos e abordagens mais antenadas com questões que ainda são difíceis de serem abordadas no espaço escolar. As discussões sobre raça e cultura nacional estão, e acho que continuarão a estar, em aberto na nossa sociedade, porque não fundamentais e sempre inacabadas. E é bom que seja assim. Um dos saldos positivos das políticas de inclusão racial foi o de tirar da sombra os debates sobre raça, identidades e culturas miscigenadas no Brasil. A gente espera que o livro ajude os professores a enfrentar estas questões com os seus alunos.

 

Fonte: CorreioNagô

+ sobre o tema

Atletas que cometerem crimes de racismo devem ser proibidos de jogar, defende secretário baiano

O Secretário de Relações Internacionais do governo da Bahia,...

Jesse Jackson: “Agora temos liberdade, mas não somos iguais”

É uma figura icónica. Ajudou a abrir caminho...

Leonardo DiCaprio vai produzir filme sobre equipe de ciclismo de Ruanda

Ruanda é um pequeno país na região central da...

Comunidade Quilombola da Favila recebe certificação

- Fonte: Írohín Jornal Online -     A comunidade remanescente de...

para lembrar

IV Encontro estadual de Saúde da população Negra

INFORME Por Luiz Valério via Guest Post para o Portal Geledés A partir da...

Ouça e veja agora o novo single e clipe das Clarianas, “Garimpo Yanomami”

O trio Clarianas, grupo de pesquisa musical formado por...

Marcha Zumbi + 10 – Documento da manifestação

Fonte:Jornal Írohin - Memória   Por Edson Lopes Cardoso,...
spot_imgspot_img

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=