Livro retrata racismo no século 19 e relação entre feminista e garota negra

 

Em seu segundo romance, a americana Sue Monk Kidd usa a relação entre Sarah Grimké —feminista que lutou pela abolição da escravidão no sul dos Estados Unidos— e a garota negra que lhe foi dada como servente na infância para traçar um panorama de como opressão de gênero e racismo andavam lado a lado na manutenção da ordem social do século 19.

A história se passa em Charleston, em 1803, quando Sarah recebe uma menina da mesma idade, Hetty, como presente de aniversário. Segundo a pesquisa de Kidd, apesar de ter sido criada no coração do sistema escravocrata, Sarah demonstrava repulsa a esse esquema desde os quatro anos.

“Sei que parece romantizado achar que uma menina branca de 11 anos poderia ter uma posição tão consistente contra a escravidão, mas Sarah foi uma personagem histórica e não há floreio nesse aspecto”, explica Kidd em entrevista à Folha.

“A Invenção das Asas” bebe na fonte de clássicos como “Amada”, de Toni Morrison, para dar materialidade ao tema do preconceito racial.

“Meu objetivo era resgatar a figura de Sarah, varrida da história como a de tantas mulheres importantes, e pintar um retrato de como era a dinâmica social dos escravos em ambiente urbano, já que o público costuma associar a escravidão apenas ao trabalho rural, às fazendas de algodão”, conta Kidd.

Enquanto Sarah e sua irmã, Angelina, são figuras históricas se não conhecidas ao menos bem documentadas, a escrava Hetty não passa de um borrão documental. Tudo que Kidd sabe sobre ela é que foi de fato dada como presente aos 11 anos, que era rebelde e que aprendeu a ler e escrever com sua senhora.

No livro, no entanto, a personagem recebe contornos realistas ao não se conformar com um papel de gratidão em relação à Sarah. O romance será transformado em filme pela Harpo Filmes, da apresentadora Oprah Winfrey, que já tinha incluído o livro em seu clube de leitura.

“Não vou trabalhar diretamente no roteiro, mas espero ler a versão final e opinar um pouco. Ver essa história ganhar as telas é maravilhoso para mim porque assegura o meu objetivo de resgatar a história dessas mulheres para o público.”

Kidd, que é uma escritora branca, conta que viveu em um sul pré-direitos civis e que demorou a erguer sua voz contra o racismo. “A opressão ainda é um fenômeno mais ou menos naturalizado nas sociedades ocidentais com histórico escravista e eu quis somar um pouco à essa discussão”, conta.

Em “A Invenção das Asas”, Hetty explica que cada um se rebela como pode. No caso de Kidd, sua rebelião foi abandonar uma vida convencional e um casamento para, aos 30 anos, decidir ser escritora.
Para escrever seu segundo livro, ela passou dois anos pesquisando a história das irmãs Grimké e o modo de produção escravista do século 19.

“Um dos momentos mais emocionantes para mim foi quando pude visitar a casa onde elas moravam. Hoje o que funciona lá é um escritório de advocacia. Achei simbólico porque Sarah queria estudar direito e não pode por ser mulher”, diz.

Foi pesquisando a casa que Kidd encontrou o sótão onde ambientou uma das cenas mais tocantes do livro, o piquenique secreto entre Hetty e Sarah. “Talvez isso explique bem como se compõe um romance histórico: as pessoas perguntam o que é real e o que é ficção e eu digo, me dê um sótão real que eu planejo todo um piquenique.”

 

 

 

 

Fonte: Elaine Elesbão

+ sobre o tema

A trajetória intelectual ativista de Beatriz Nascimento •

Abordar a trajetória de Beatriz Nascimento para a revista...

Carlos Moore sobre a teoria do racismo ao contrário

Não tenho nem que falar sobre isso! Porque...

Dudu Nobre vai ser pai de um menino

Pai de duas meninas – Olívia, de 8 anos,...

Branquearam o futebol – por Juca Kfouri

O perigo da elitização dos estádios na contramão...

para lembrar

“Ôrí” é uma grande tradução da cultura afro-brasileira

"Ô rí", segundo consta, em ioruba significa "cabeça" e,...

Black Fashion Week

Black Fashion Week: vem com uma ótima novidade a...

No Dia da África clamo por liberdade aos africanos

O Brasil é o país que possui o maior...
spot_imgspot_img

Nota de Pesar – Darlah Farias

É com profunda tristeza que Geledés - Instituto da Mulher Negra recebe a notícia da passagem de Darlah Farias, uma militante negra e advogada...

Black Pantera une melodia, ativismo e força em ‘Perpétuo’, quarto álbum do ascendente trio mineiro de rock pesado

Resenha de álbum Título: Perpétuo Artista: Black Pantera Edição: Deck Cotação: ★ ★ ★ ★ ♪ “Afro-latinos!...”, martela Charles da Gama, vocalista e guitarrista da banda Black Pantera, em Provérbios, marcando território já na...

Secretaria de Igualdade Racial e DH do Pará lamenta morte da coordenadora Darlah Farias

A Secretaria de Estado de Igualdade Racial e Direitos Humanos (Seirdh) do Pará divulgou, na manhã deste domingo (02/06), uma nota de pesar pelo falecimento da coordenadora...
-+=