Livro sobre abolicionista Luiz Gama sai com suástica em capa e Campinas determina recolha em escolas; editora se desculpa por erro

Enviado por / FonteG1, por Fernando Pacífico

Livro foi direcionado para estudantes do ensino fundmental e o caso veio à tona após repercussão na web. Prefeitura diz que recolha começa segunda, e editora prevê substituição do material.

Um livro sobre o abolicionista Luiz Gama distribuído para estudantes do ensino fundamental II de Campinas (SP) saiu com uma impressão de suástica em azul no lado direito da capa e por isso será recolhido das escolas municipais, segundo a prefeitura. O caso veio à tona após uma vereadora da cidade repercutir o caso em rede social e protocolar um requerimento para substituição. A editora responsável admitiu erro, se desculpou e confirmou que fará a troca das edições. Veja abaixo detalhes.

A Secretaria de Educação confirmou ao g1 neste sábado (26) que o processo de recolha nas escolas começa nesta segunda-feira, mas não há informações sobre quantas obras chegaram aos estudantes. A assessoria da parlamentar diz que ela foi alertada por professores que tiveram contato com a obra.

Poeta, jornalistas e advogado, Luiz Gama é considerado um dos principais atividades pela abolição da escravidão no país e foi responsável pela libertação de pelo menos 500 escravos. Ele nasceu em 1.830, filho de uma escrava liberta com um descendente de portugueses, e foi vendido como escravo pelo próprio pai quando tinha 10 anos. Em 2021, ele foi o primeiro brasileiro negro a ser homenageado pela Universidade de São Paulo (USP) com o título Doutor Honoris Causa desde que foi criado.

“A partir desta segunda-feira, 28 de novembro, a Secretaria de Educação começa o processo de recolha do livro nas escolas. Em contato com a editora Mostarda, a Secretaria de Educação pediu a substituição deste título, que integra a coleção Black Power. A editora informou que irá trocar a capa do material didático e devolvê-lo à Secretaria sem custo para o município”, diz nota da assessoria.

O que diz a editora?

A Editora Mostarda admitiu o erro pela impressão, alegou que houve um erro no corte da imagem usada e que o problema foi em parte da produção, uma vez que, segundo a assessoria, a versão em braile não apresentou a suástica. O livro também já foi retirado das vendas. Veja abaixo a íntegra.

Em site oficial, a editora apresenta como missão o objetivo de “buscar constantemente, através da ferramenta livro, difundir e desenvolver o hábito da leitura, propondo a mudança na vida das pessoas, quebrando barreiras e preconceitos”. A coleção Black Power reúne também biografias de Martin Luther King, Rosa Parks, Nelson Mandela, Barack Obama, Carolina Maria de Jesus, Alice Walker, Angela Davis, Conceição Evaristo, Laudelina, Malcom X, e a de Dandara e Zumbi.

“A Editora Mostarda, por meio de seu diretor geral, Pedro Mezette, esclarece e se desculpa desde já pelo erro ocorrido com a imagem de fundo na capa do livro Luiz Gama, de autoria do jornalista e escritor Francisco Lima Neto. Houve um problema no recorte da estampa étnica do fundo que é vetorial. Tanto que os exemplares em braille não apresentaram este problema.

Assim que fomos alertados deste erro, retiramos os exemplares da obra do site e interrompemos imediatamente a comercialização deste título até que nova capa seja feita com o reparo necessário excluindo este símbolo. Estamos fazendo isso o mais rápido possível.

Nosso empenho em oferecer uma educação antirracista jamais permitiria uma atitude proposital deste tipo, seria uma contradição dentro da proposta da Editora Mostarda.

A partir desta segunda-feira, 28 de novembro de 2022, a Secretaria de Educação dará início ao processo de recolha dos livros das escolas para imediata substituição de cada exemplar que já tenha sido distribuído. A editora trocará a capa do material e o devolverá à Secretaria sem custo para o município. Todos os leitores que já adquiriram o livro também poderão solicitar a troca gratuita pelo site da editora.”

O que diz o autor?

Ao g1, Francisco Lima Neto afirmou que o erro na impressão não havia sido percebido desde 2021, quando a obra foi lançada na Bienal do Rio de Janeiro. Além disso, ele frisou que é preto, tem histórico profissional de atuação na causa antirracista e manifestou confiança na editora.

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

spot_imgspot_img

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...
-+=