LONDRINA – GT Racismo coordenado pelo MP-PR completa um ano

O Grupo de Trabalho Racismo de Londrina, coordenado pela Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos e Garantias Constitucionais da Comarca, completa hoje (15/03) um ano de existência, com a meta de implementar a Lei 10.639/2003 no município. Esse e outros temas – como a violência contra jovens negros e a instituição de um comitê técnico para responder pela saúde da população negra na cidade – serão debatidos na próxima terça-feira (19/03), às 10h, durante uma reunião dos representantes do GT Racismo com o prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff.

O Grupo é formado por membros do Ministério Público do Paraná, representantes do Centro de Direitos Humanos (CDH), Gestão Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (GPPIR), Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Núcleo Regional de Ensino, Secretaria Municipal de Educação, Autarquia Municipal de Saúde, Conselho Municipal de Promoção de Igualdade Racial, Fórum das Entidades Negras de Londrinas (FENEL), Conselho Municipal da Educação, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) e Sindicato dos Eletricitários de Londrina.

O GT Racismo se reúne mensalmente na Central de Atendimento ao Cidadão do MP de Londrina, e surgiu com o objetivo de construir estratégias de enfrentamento ao racismo por meio de discussão, sensibilização e capacitação de servidores públicos que atuam especialmente nas áreas da educação, saúde e segurança pública.

Ao longo de 2102, o GT Racismo promoveu seminários e debates com professores da rede municipal e estadual de educação e trabalhadores da área da saúde, sendo enfatizada nesses encontros a questão do racismo institucional, que ocorre quando uma organização pública ou privada não consegue prover um serviço adequado a uma pessoa por causa de sua cor, cultura ou origem étnica. “Observa-se que, em geral, o racismo institucional acontece de forma inconsciente, a partir de estereótipos racistas que se mostram nas atitudes dos profissionais e que permeiam as atividades da organização, sem que seus integrantes e dirigentes percebam. Mas, nem por isso, o racismo institucional deixa de ser doloroso para quem sofre com os seus efeitos”, observa o promotor de Justiça Paulo César Vieira Tavares.

Legislação – As Leis Federais 10.639/03 e 11.645/08 são instrumentos legais de fundamental relevância para a desconstrução do racismo, na medida em que incluem no currículo dos sistemas de ensino fundamental e médio a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena. A implementação dessas leis tem sido o principal objetivo do GT Racismo na cidade.

+ sobre o tema

Delegacias do Rio de Janeiro terão núcleos especializado em racismo

Ao receber deputados envolvidos no acompanhamento de casos de...

Disque Racismo será lançado em março

O Governo do Distrito Federal, por meio da Secretaria...

Juízes iniciantes fazem curso para aprender que ‘ainda existe racismo no Brasil’

Desde agosto do ano passado, 328 juízes em início...

para lembrar

Ainda com dúvida de como agir em casos de racismo? Saiba aqui o que fazer

Diariamente recebemos através das nossas redes sociais mensagens de...

Projeto prevê multa e indenização em caso de discriminação no ambiente de trabalho

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) apresentou na terça-feira (25)...

Formas contemporâneas de racismo e intolerâncias nas redes sociais

Esta pesquisa abordou o fenômeno de construção e disseminação...
spot_imgspot_img

Por um Carnaval livre de racismo; veja como denunciar

Sexualização da mulher negra e piadas racistas são alguns exemplos de casos de discriminação que ocorrem durante a folia Por Rede Feminista de Juristas, do CatracaLivre    Por:...

Lei que torna racismo crime completa 30 anos, mas ainda há muito a se fazer

Assinada em 5 de janeiro de 1989, pelo então presidente da República, José Sarney, a lei passou a ser conhecida pelo nome de seu...

Rio inaugura delegacia especializada em combater crimes raciais e de intolerância

No evento, a campanha "Liberte Nosso Sagrado" cobrou a devolução de objetos religiosos apreendidos pela polícia Por Clívia Mesquita, do Brasil de Fato  Na última quinta-feira...
-+=