Luana Tolentino: É preciso ouvir as alunas e os alunos!

No intuito de conhecer melhor os alunos, uma professora norte-americana pediu que eles respondessem o que gostariam que ela soubesse. O resultado deste trabalho foi divulgado na edição de 17 de abril do jornal O Globo.

Por  Luana Tolentino via Guest Post para o Portal Geledés

Há alguns dias, realizei a mesma experiência com alunos do 7º ano (11/12 anos), na escola em que trabalho, localizada em um dos municípios mais pobres da região metropolitana de Belo Horizonte/MG.

As respostas reforçaram a minha crença de que é necessário re-pensar a escola e propor algo que vá além do modelo homogeneizante vigente, que desconsidera os saberes, as habilidades e a trajetória de cada estudante. Tomando de empréstimo as palavras da intelectual e ativista negra norte-americana Bell Hooks, é necessário estar atento ao valor de cada voz individual. Ouvi-los é um exercício de reconhecimento, imprescindível na construção do saber.

Essa mudança somente será possível quando nós professores e toda comunidade escolar tivermos consciência de que mesmo com as políticas de universalização do acesso à educação, o ambiente escolar ainda é um espaço de exclusão e opressão. O que precisa ser mudado urgentemente.

Eu gostaria que a minha professora soubesse…

“Que eu fiquei muito triste quando os meus dois irmãos foram presos, e também quando a minha mãe se separou do meu padrasto. Porque ele não era só um padrasto pra mim, ele era um pai também.”

“Que eu sou um aluno dedicado, um aluno exemplar. O aluno que toda sala queria ter.”

“Que uma das coisas boas da minha vida foi quando o meu pai achou uma mulher bem legal comigo e com o meu irmão. Ela é uma boa madrasta. O nome dela é Valéria.”

“Que eu tenho um irmão deficiente. Ele não anda, nem fala. Mas eu amo ele mesmo assim.”

“Que a minha irmã Sheila morre de inveja de mim só porque sempre que a minha mãe vem na reunião da escola os professores me elogiam, e os professores da Sheila só reclamam dela.”

“Que ela é uma professora legal, nervosa e linda.”

“Que eu estou alegre por fora, mas ninguém sabe a dor que eu sinto por dentro.”

“Que eu gosto dela, não só porque temos o mesmo nome, mas porque ela é divertida, legal e educada.”

“Que o meu pai e a minha mãe estão presos. Minha vó é quem cuida de mim.

Ela é muito trabalhadeira. Quando ela recebe, ela me dá dois reais.”

“Que eu tenho muita dificuldade nas atividades. Ás vezes eu não faço as atividades não é porque eu não quero, mas porque eu não sei.”

“Que eu gosto muito dela, porque ela explica a matéria direito e não grita com os alunos. Até os meninos bagunceiros gostam dela. E também gostaria que ela soubesse que eu fico muito feliz quando ela me dá parabéns no caderno e fala que eu sou linda e inteligente.”

“Que eu sou inteligente, esperta e corajosa.”

“Que eu bagunço e atrapalho, mas sou uma ótima aluna.”

“Que o meu aniversário de cinco anos foi muito legal! Eu pude escolher meu bolo e a cor dos balões, Minha avó e o meu avô ficaram muito felizes, porque nesse dia todos os filhos foram na casa deles.”

“Que o meu sonho é que a minha mãe parasse de beber e voltasse para casa.”

“Que ela é uma ótima professora. Que ela é um exemplo de vida para todos

nós.”

“Que eu sou um garoto com o coração de ouro.”

“Que eu amo muito o meu irmão e espero que ele não passe pelas coisas que eu passei nessa vida, como sofrimentos, corpo roxo, palavras que machucam e falta de carinho.”

Luana Tolentino é Professora e Historiadora. É ativista dos movimentos Negro e Feminista.

+ sobre o tema

Primeira deputada negra do Brasil é reconhecida como doutora

Há reconhecimentos que custam a chegar. No caso de...

Mulher se torna professora após 14 anos como diarista em Ribeirão, SP

Maris Ester é uma das atrações da Feira do...

Carola é a 1ª DJ brasileira e negra a tocar no Tomorrowland: ‘Todos ganham’

No último dia 9 de março, quando é comemorado...

Vanete Almeida, a guerreira do semiárido se encantou

Há menos de um ano recebi um e-mail apreensivo...

para lembrar

Mel Duarte anuncia disco de spoken “Mormaço – Entre outras formas de calor”

Com trabalho fotográfico de Helen Salomão, poeta libera conceito...

O racismo nosso de cada dia

Em 2012, ela ganhou o Prêmio Nacional de Jornalismo Abdias...

Michelle Obama é elogiada ao aparecer com os cabelos naturais

Ex-primeira dama dos Estados Unidos e autora de best-seller...

Mãe Stella: Xireando o yoruguês

Somos tantos em um só que, às vezes, precisamos...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=