Lusofonia: Entre a cooperação e a solidariedade: o paternalismo

Por Inocência Mata

 

 

Ontem tive uma revelação: fiquei a saber que existe uma supraministra da Educação dos Cinco países africanos de língua oficial portuguesa. Não uma superministra, que será uma ministra com muitas pastas e várias áreas de actividade, mas uma supraministra, portanto alguém que supervisiona a actividade, a gestão sectorial de outros ministros da área.

Essa supraministra chama-se Maria Antónia Barreto, professora do Instituto Politécnico de Leiria e, pelo que pude descobrir – pois eu era naturalmente uma perfeita ignorante da situação para não saber isso! –, é uma profundíssima conhecedora da problemática da Educação nesses territórios que são ex-colónias de Portugal. Mais conhecedora, naturalmente, do que os inúmeros ineptos ministros desses territórios nesses 34 anos pois esse conhecimento terá começado em 1978, como se ficou a saber.

Eu explico o contexto dessa inusitada revelação.

Soube do lançamento de um estudo intitulado Entre o SABER e o FAZER: A Educação na Cooperação Portuguesa Para o Desenvolvimento, realizado por Patrícia Magalhães Ferreira, do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais (IEEI), e promovido pela Coligação Portuguesa da Campanha Global pela Educação, com o apoio do Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD). Como o tema me interessava imenso – sobretudo na sua associação Educação/ Cooperação, embora me interessasse mais o binómio Educação/Intercâmbio, arranjei tempo para ir. E fiz bem: a autora foi clara na apresentação dos objectivos a que se propunha e das metas atingidas e certeira nas observações sobre dificuldades, desafios e êxitos e na projecção do futuro – que mais tarde a comentadora, a tal supraministra, consideraria utopia… Mas isso não é da minha conta.

Veio, pois, a seguir o comentário. E quando eu esperava ouvir comentários ao estudo ou sobre a cooperação portuguesa no âmbito da educação, a comentadora começou a discorrer sobre o que deveriam ser os propósitos da educação nos Cinco países, as razões das dificuldades da Cooperação portuguesa no terreno (sempre com a melhor da intenções), o que está mal e o que deve ser feito, as dificuldades dos interlocutores locais (pois então?) a contrastarem com o empenho e a vontade dos jovens portugueses recém-saídos da universidade e sem experiência nenhuma (o reconhecimento dessa lacuna nem sequer é meu, é da própria, o que faz elevar ainda mais o trabalho desses novos e inexperientes cooperantes), chegando ao ponto de afirmar a necessidade, nesses países do “reforço na supervisão do sistema” (o que isto quer dizer, ou quem faria essa supervisão nem quis pesquisar para não ter de ouvir o que não quero ouvir). Mas fiquei a saber que nesses países – ex-colónias de Portugal, repito –, falta, na cooperação, supervisão do sistema! O comentário vai mais longe ao afirmar, obviamente sem qualquer intenção de ofender os africanos presentes (conforme se adiantou a comentadora) que dá a impressão de que naqueles gabinetes (do Ministério da Educação, entenda-se) eles não sabem bem o que querem, dá a impressão que se opta pelo projecto conveniente, enfim, percebem?

Eu não percebi. O que percebi foi um profundo desrespeito pelos países – que obviamente têm vindo a cometer muitos erros na Educação e em outros sectores – mas que dito em tais termos por alguém com responsabilidades representativas (na medida em que as deslocações dessa senhora se fizeram ou se fazem no âmbito da Cooperação Portuguesa), para além revelar um ranço preconceituoso, revela ainda a incapacidade de uma relação horizontal com os agentes dos novos países, mesmo que tecnicamente menos capacitados.

É caso para se perguntar: quem pensa essa senhora que é? Supervisora dos ministros de Educação dos Cinco?!

Fonte: Artigo originalmente publicado na RDP Africa em 1/03/2012 com o titulo “Entre a cooperação e a solidariedade: o paternalismo” e publicado igualmente na Afropress

 

 

Fonte: Zwelangola

+ sobre o tema

Afro-uruguaios

Afro-uruguaios notáveis: Rubén Rada Afro-uruguaios refere-se a uruguaios de ancestralidade negra africana. Eles...

Hacia el Estado Comunal Jesus Chucho Garcia

Por: JESUS CHUCHO GARCIA   Llegó la hora de salir de...

Declaracion de Asuncion Paraguay Foro Interamericano Afrodescendiente

Participación e Incidencia De Los Y Las Afrodescendientes En...

A mostra ID_BR cara, pele, jeito

A mostra ID_BR CARA::PELE::JEITO nasceu com o intuito de...

para lembrar

Um advogado e seu smartphone revolucionam a justiça em Uganda

Quando Gerald Abila ganhou um smartphone (telefone celular inteligente),...

Maratonista ‘exausta’ engatinha os últimos 400 m e chega em 3º

Concluir uma maratona já não é fácil, imagine fazer...

Racistas sul-africanos: parceiros incômodos

Racistas sul-africanos: parceiros incômodos Fonte: Alô Escola - TV Cultura Para...

Boicote africano atrasa negociação sobre cortes de emissões

Fonte: Folha de São Paulo - Insatisfeitos, representantes dos países...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=