Lutador Ronny Jason é suspeito de agredir a irmã com socos e chutes, diz polícia

Irmã do lutador não registrou boletim de ocorrência, mas polícia iniciou investigação por caso se enquadrar na lei Maria da Penha.

 

Por André Teixeira, do G1

 

A Polícia Civil de Quixadá, no interior do Ceará, quer ouvir o lutador de MMA, Mariano Bezerra de Lima, conhecido como Ronny Jason, por suspeita de agredir a própria irmã durante uma festa na madrugada do sábado (7), quando o atleta visitava a cidade natal.

De acordo com a titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá, Janaína Siebra, um vídeo compartilhado em redes sociais mostra o momento em que o lutador joga a irmã no chão, na saída da festa que ocorreu no hotel Vale das Pedras.

G1 tentou falar com o lutador, mas as ligações aos telefones do atleta não foram atendidas.

“Trata-se de uma lesão corporal dolosa [quando há intenção de cometer o crime], no âmbito da lei Maria da Penha, e a Polícia Civil de Quixadá está tomando as medidas cabíveis”. A delegada informou ao G1 que não poderia antecipar quais são as “medidas cabíveis”, para não atrapalhar a investigação.

“A gente analisou as imagens [do vídeo divulgado em rede social]. Foi uma lesão. O Ronny agrediu a irmã com socos e chutes, isso foi filmado”, detalha a delegada.

O vídeo mostra também que algumas pessoas seguraram o lutador para conter a agressão. Em outro momento, quando ela está caída, ele faz ameaças.

De acordo um policial militar, testemunhas relataram que o lutador estava embriagado no momento da agressão, mas a informação não é confirmada pela delegada à frente do caso.

A polícia também não informou se o atleta foi localizado, mas afirma que ele deve prestar depoimento “em breve” para apresentar a versão dele sobre o caso.

Sem boletim de ocorrência

Ainda de acordo com Janaína Siebra, a irmã do lutador Ronny Jason não prestou boletim de ocorrência sobre a agressão, o que não impede a investigação e indiciamento por se tratar da lei Maria da Penha.

“Nós tomamos conhecimento através das redes sociais e notificamos a vítima. Como se trata de uma ação pública, a investigação independe da vontade da vítima. Ela não procurou a delegacia, a delegacia que procurou a vítima para investigar o fato”, explica a delegada.

Ainda conforme a polícia de Quixadá, não há informações precisas sobre se a irmã procurou ou não uma unidade hospitalar após ser agredida ou sobre o estado de saúde dela.

+ sobre o tema

Simone Biles amplia dificuldade de movimentos e explica motivo: ‘Porque posso’

Simone Biles, a ginasta mais vitoriosa de todos os...

Pretahub: apoio e fomento ao empreendedorismo negro

No Terra Há 18 anos, a empreendedora Adriana Barbosa criou...

Feminicídio: Homem mata ex-namorada três dias depois de ser preso por agredi-la

O caso aconteceu no Distrito Federal: inconformado com o...

para lembrar

Técnica de enfermagem é morta pelo marido a facadas na frente da filha de 15 anos

Pedreiro Edvaldo dos Santos Félix é considerado foragido da...

Ideologia Tortuosa, por Sueli Carneiro

O mito de a desigualdade racial ser produto das...

O mês da consciência negra e a representatividade na TV

Silêncio dos canais comerciais sobre tema ao longo de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=