Lutas em silêncio: mulheres negras e escravas foram reduzidas à condição de “máquinas vivas”

As mulheres negras e escravas foram reduzidas à condição de “máquinas vivas”

Por Simone Freire Araújo Rodrigue

Dentro do contexto histórico dos séculos XVI a XIX, as mulheres negras e escravas foram reduzidas à condição de “máquinas vivas” para o trabalho, privadas de todos os direitos civis, sujeitam ao poder, ao domínio e à propriedade de outrem. A escravidão se caracterizou pela sujeição de um homem ou mulher a outrem, de forma tão completa, que não apenas a mulher negra escrava era propriedade do senhor, como sua vontade sujeita à autoridade do dono e seu trabalho podia ser obtido pela força. Ela podia ter vontades, mas não podia realizá – las.

Foram trazidas para o Brasil para ser utilizadas na grande lavoura colonial, e esta não se preocupava em prover o sustento dos produtores, mas em produzir para o mercado. O transporte dessas mulheres, da África para o Brasil era feita de forma brutal, violenta, sem respeito, pois elas eram vistas apenas como mercadorias para serem comercializadas. O sofrimento já iniciava em sua própria terra. Arrancada de sua família, de sua comunidade onde vivia levada para os portos, lá ficava à espera da lotação do navio que a levaria através do oceano. Em seguida a viagem, em condições tão terríveis que boa parte delas morria durante a mesma: daí o apelido de tumbeiros aos navios que as transportavam.

Elas eram marcadas a fogo no ombro, na coxa ou no peito, com os sinais distintos de seu proprietário ou proprietária. Logo após o embarque desciam para os porões onde, postas a ferro, ficavam amontoadas como anônimas e indistintas. A fome, a sujeira, o desconforto e a morte eram companheiros de viagens das mulheres negras e escravas. E devido ao desconforto, a falta de higiene e a falta de alimentação adequada, muitas morriam de causas variadas, porém com destaque para o escorbuto, doença causada pela falta de vitamina c.

Varias dessas mulheres eram oriundas de diversas regiões do continente africano, vieram para o Brasil com o objetivo de desempenharem todas as atividades nos engenhos, cuidavam da agricultura, da pecuária, extraíam ouro e pedras preciosas, e ainda trabalhavam no serviço doméstico. As leis brasileiras davam direito ao senhor e senhora de castiga-las.

O fato de ser mulher não as privou de sofrerem toda sorte de castigo, sempre que suas atitudes fossem julgadas inconvenientes. Foi nesse contexto que as mulheres negras, a partir dos 13 de maio de 1888, passaram de escravas a mulheres livres. Passaram a viver uma nova situação: o desemprego, a prostituição e a marginalidade. Durante três séculos, as mulheres negras foram feitas escravas no Brasil. A trajetória delas da África até aqui foi marcada pôr diversas formas de violência.

Não vieram para cá porque quiseram. Não passaram pelo sofrimento e pela humilhação de serem tratadas como animais porque assim a preferiram. Não deixaram de ser livre porque era o melhor para elas. Não receberam chicotadas porque gostavam, mas porque resistiram. Foi, pôr fim, jogadas à liberdade. Mas que liberdade foi essa? O que mudou de lá para cá? Será que não mudou apenas a forma de opressão? Atualmente a realidade da mulher negra em comparação com a vida que levou no período colonial é outra.

No passado, elas viviam submetidas ao trabalho duro, castigos e grande violência. Com o fim da escravidão, elas tornaram-se livres dos jugos impostos pelo senhor, mas não conseguiu livrar das péssimas condições de trabalho e baixa remuneração pelas quais passaram. Este artigo procurou contribuir para o repensar da participação da mulher negra escrava na construção de nossa sociedade, valorizando a memória dessas mulheres que ao longo de nossa história lutaram pôr uma sociedade mais livre, fraterna e igualitária.

Onde as mulheres negras e os homens negros possam ser livres para exercer a igualdade com diferenças.

Simone Freire Araújo Rodrigues, é professora de história, pós-graduada em história leciona no CEJA Marechal Rondon, em Jaciara/MT.

Fonte: Dia A Dia News

+ sobre o tema

Joacine Katar Moreira: “Eu gaguejo. Isso não me impede de rigorosamente nada”

Joacine Katar Moreira, candidata pelo Livre nas próximas legislativas,...

A supermodelo Malaika Firth quer ‘ignorar’ o racismo no mundo da moda

Malaika Firth, 20 anos, é uma das poucos modelos...

Giovana Xavier: “Resistir é visibilizar o que fazemos todos os dias”

Convidada do Mulher com a Palavra, professora da UFRJ...

para lembrar

Serena Williams é a única atleta na lista das mais poderosas da Forbes

A tenista norte-americana Serena Williams figura na 79ª colocação...

Homicídios de negras aumentam quase 20% e de brancas caem 12%, diz estudo

Entre 2003 e 2013, a taxa de homicídios de...

Anne Quiangala, que não tem medo de dizer que é ‘ok ser mulher, negra e nerd’

"Se você coloca ‘nerd’ no Google a imagem não...

Irmandade da Boa Morte realizou a cerimônia de abertura da Marcha das Mulheres Negras

Marcha das Mulheres Negras| Celebrando a ancestralidade da população...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=