Mad Max: pelos olhos de Charlize

Não assisti a nenhum dos filmes que antecederam o último Mad Max. Na versão atual, fica claro que o herói passa o bastão a uma heroína. Seria ótimo se o filme se chamasse Furiosa, nome da personagem de Charlize Theron, em excelente interpretação e em cujos olhos, pessoas como eu se ancoram quando cedem ao gosto do marido e se dispõem a acompanhá-lo ao cinema. Porém, avisei logo: se eu não gostar ou se ficar muito impressionada, saio da sala e vou dar uma volta no shopping.

Por Marcia Savino, do Brasil Post 

Detesto filmes brutos e detesto filmes masculinos com muita luta e pouco drama, mas de vez em quando vejo alguns. Por mais ostensivo que seja, mal presto atenção ao chamado da mídia, e muitas vezes não sei mais do que o título do grande blockbuster da hora. Assim cheguei a Mad Max e sua paisagem alaranjada. A abertura deve ter sido feita para fisgar os admiradores da franquia, com o impacto das cenas violentas protagonizadas por seres estranhos e pelo mocinho, claro. “Moção”, digamos.

Mas eu gostei do filme. E por quê? Não apenas porque mulheres lideram o enredo. Mas porque mulheres lideram o enredo e provocam aquelas lutas que extasiam os homens, dando a eles a chance de exibirem o seu vigor, enquanto buscam obstinada e corajosamente uma coisa chamada esperança. Hope. Há um inseto chamado, no Brasil, de esperança: é um bichinho verde. Pois naquele ambiente desértico de Mad Max, as mulheres devidamente lindas, rumam para o oeste, em busca do passado verde, numa tentativa de resgate.

Leia Também: “Mad Max: Estrada da Fúria” é o filme feminista que Hollywood estava precisando

Não conseguem. Mas quem elas encontram? Mais mulheres. Que guardam o saber ancestral, que têm sementes na bolsa e que, quando morrem, exibem um pacificado sorriso em meio à face talhada de rugas. É lindo. Quando todos retornam para a batalha final – brilhante ideia do único homem do grupo, Max, que para isso se inspira na desesperança agora vista nos olhos de Furiosa – e que olhos tem Charlize! – as quatro parideiras saem do escudo de cada estonteante beleza e tornam-se brilhantes na luta do bem contra o mal. O naipe é completo: ruiva, loura, mais clara ainda, morena. (Quase completo, pois não há negras.) Adiante, quando esse exército de Brancaleone do deserto já venceu o vilão imortal – que naturalmente só amedronta porque usa próteses – e precisa ganhar a confiança do povo onde a trama se completa, quem recebe a combalida trupe feminina e seu fiel escudeiro Max? Mulheres. Agora são as gordas, brancas e peitudas mulheres leiteiras.

Enfim. Eu não sei o que isso quer dizer. Ouso pensar que tudo não está ali à toa. Há alguns anos, quando o jornalismo me levou a me interessar por moda – algo em que vejo valor, mas sempre achei secundário – dei com uma realidade: a moda trabalha com uma coisa chamada tendência. E as tais tendências das culturas, dos gostos, dos hábitos etc, são estudadas com afinco muitos anos antes de se lançarem no mercado e, baseadas nelas, as indústrias fabricam os tecidos e acessórios que inspirarão estilistas e vestirão as mulheres.

Acho pouco provável que Hollywood não manipule as torneiras – para usar uma metáfora do filme – conduzindo nosso imaginário pelos caminhos da renda nas bilheterias. As mulheres lindas e arquetípicas são lideradas por Charlize, a Furiosa, de cabelos tosados e fartos atributos masculinos. E os homens, ficariam a ver navios? Não, não há água no deserto; mas há, sim, muita luta. São dezenas de carros toscos que se enfrentam mais do que seus homens, sobrando pouco close para a virilidade de Mad Max. Pneus de toda forma e tamanho são coadjuvantes de peso, com poder até para escalar montanhas de pedras enormes. O grande pneu de borracha do carro do vilão que “roubou o mundo”, é o falo arredondado, a prótese utilizada na batalha pelo “imortal” prestes a ser vencido. Engraçado. Estranho. Curioso.

Um filme feito para arrecadar milhões de bilheteria é também um filme que dialoga com o inconsciente coletivo. E o influencia. A via é de mão dupla, como ocorre com as pesquisas de moda: o que está nas ruas é o que vira produto, o produto aponta para onde devem ir as ruas. Se assim é e se Hollywood não se dá ao luxo de ignorar tendências, a humanidade pode ter esperança. Embora a indústria do entretenimento insista em reduzir o gênero a bunda e peito, mulheres são os seres férteis que acolhem a semente da humanidade e, mesmo com a consciência roubada – como acontece ao povo branco e careca do filme – guardam arquetipicamente o antídoto contra essa luta chata, estéril e sem graça que toma conta do mundo e do poder. Hollywood faria bem em nos apontar, numa sequência da série, o que Furiosa é capaz de fazer para resgatar a humanidade dessas desesperançosas engrenagens.

+ sobre o tema

Única, poderosa, absoluta

Espetacular! no HuffPost Brasil A incrível Simone Bailes, ouro na ginástica...

Professor da UFMA acusa alunos de homofobia

Glécio Machado Siqueira, de 36 anos, é  professor do...

Ministério da Saúde vai criar instância para gestão da Política Nacional de Saúde da População Negra

Ministra Luiza Bairros, da SEPPIR, e ministro Alexandre Padilha,...

Nova lei cria dilemas e expectativa para domésticas

Nos fundos de um prédio na Asa Sul, bairro...

para lembrar

R7 Pisa na bola em patrulha a corpo de Fernanda Gentil, que está grávida

Nova vítima da patrulha do corpo, a jornalista Fernanda...

Jovem que teve castigo divulgado na internet se mata nos EUA

A adolescente Izabel Laxamana, 13 anos, matou-se pulando de...

Mãe Stella analisa os impactos da tristeza

Maria Stella de Azevedo Santos Do GGN Iyalorixá do Ilê Axé...

Cientistas negras brasileiras são homenageadas em novo livro de passatempos do “Meninas e Mulheres nas Ciências”; baixe

No dia nacional da Consciência Negra, professoras e estudantes da UFPR...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=