Mãe é atacada na rua por seu filho usar saia: ‘Não serei intimidada, meu filho usa o que quiser!’

Jen Anderson Shattuck é uma mãe estadunidense que foi pega de surpresa pelo machismo na última semana.

Por Ana Júlia Gennari, do  

Seu filho, Roo, de 3 anos e meio, é uma criança como outra qualquer. Uma criança que gosta de brincar com caminhõezinhos, com quebra-cabeças e que gosta de vestir saias de tule.

Quando questionado sobre o gosto pelo tule, o garoto responde que as saias fazem com que ele se sinta bonito e corajoso e que não há regras sobre “isso ser só para garotas e aquilo ser só para garotos”.

As imposições dos papéis de gênero ainda não chegaram a Roo — e Jen faz um ótimo trabalho tentando o manter longe delas.

Tudo corria bem, até que a mãe e o filho sofreram ataques verbais de um desconhecido na última semana.

Jen publicou o relato em seu perfil de Facebook na quarta-feira (24), que acabou viralizando com mais 43 mil compartilhamentos em apoio à mãe.

“Meu filho já usou sua saia na igreja, na padaria, no trem e brincando na caixa de areia. Na nossa parte do mundo, não é uma questão. á fizeram perguntas bem-intencionadas, nós respondemos, ficou tudo bem. TINHA ficado tudo bem, até ontem.”

Na publicação, Jen conta que o homem abordou os dois na rua de maneira agressiva. Ele invadiu um espaço que não era de sua competência e parecia já observá-los há algum tempo. “Eu só estou curioso. Por que você continua fazendo isso com o seu filho?”, questionou o rapaz.

Em seguida, ele falou diretamente ao garoto, que se assustou: “Ela não deveria continuar fazendo isso com você. Você é um menino, ela é uma mãe malvada. Isso é abuso’.”

Jen dissertou sobre o assunto, indigada:

“Ele não estava curioso. Ele não queria respostas. Ele queria que nós soubéssemos que o que meu filho estava fazendo – o que EU estava deixando o meu filho fazer – era errado.
Ele tirou fotos de nós, embora eu tenha pedido que ele não tirasse. Ele me ameaçou: ‘Agora todo mundo vai saber, você vai ver’.”

Este ataque demonstra como quebrar com as duras e tão arraigadas imposições estabelecidas aos gêneros incomoda tanto que chega a provocar a ira das pessoas.

Contudo Jen não se deixou abalar e escreveu que não será intimidada pelo ódio alheio, em contrapartida ela diz que vai “gritar o amor pelas esquinas”:

“Eu chamei a polícia. Eles vieram, fizeram seu relatório, elogiaram a saia do meu filho. Ainda assim, meu filho não se sente seguro hoje. Ele quer saber ‘O homem vai voltar? O homem mau? Ele vai falar coisas feias da minha saia de novo? Ele vai tirar mais fotos da gente?’.

 

Eu não posso dizer para o filho que o homem não virá, mas posso dizer isso: não serei intimidada. Não me farão vulnerável ou covarde. Não deixarei que um estranho raivoso diga ao meu filho o que ele pode ou não vestir.

O mundo pode não amar o meu filho pelo que ele é, mas eu amo. Eu fui colocada nesta terra para garantir que ele saiba disso.

Vou gritar o meu amor pelas esquinas.

Vou defender, gritando, o direito dele de andar na rua em paz, usando a roupa que quiser.

Vou mostrar para ele, do jeito que puder, que valorizo a pessoa que ele é, que confio na visão que ele tem para si e que apoio suas escolhas – não importa o que ninguém diga, não importam quem ou o quanto tentem pará-lo.

Nossa família tem um lema:

Nós amamos.
Nós somos gentis.
Nós somos determinados e persistentes.
Nós somos belos e corajosos.
Nós sabemos quem somos.

Estranhos raivosos não mudarão quem somos.
O mundo não mudará quem somos – nós mudaremos o mundo.

A publicação de Jen fez com que as pessoas se compadecessem com a causa e criou-se um movimento de apoio nas redes com a hashtag #tutusforRoo.

Diversos homens — e algumas mães de outros meninos — publicaram fotos vestindo saias de tule ou de outros modelos, com o intuito de quebrar com a ideia de que existem roupas “de menino” e “de menina”:

+ sobre o tema

Leci Brandão homenageia Maya Angelou e Martin Luther King

Leci Brandão homenageia Maya Angelou e Martin Luther King A...

XI Encontro Nacional da Rede Feminista de Saúde

O XI Encontro Nacional da Rede Feminista de Saúde...

Racismo e objetificação são batalhas cotidianas das mulheres negras

Elas falam sobre a vivência de ser mulher e...

Homossexualidade: uma categoria criada

  A agenda pública e política de 2011 tem sido...

para lembrar

Primeira mulher a presidir o STM diz que vai defender igualdade de gênero

A ministra Maria Elizabeth Guimarães Teixeira Rocha tomou posse...

‘Como fui traficada e virei escrava sexual nos EUA’

Após perder o emprego, a indonésia Shandra Woworuntu decidiu...

Caro Eminem, não precisamos de mais misoginia em 2015

Por algum motivo, mesmo em 2015 as pessoas ainda...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=