Mãe é atacada na rua por seu filho usar saia: ‘Não serei intimidada, meu filho usa o que quiser!’

Jen Anderson Shattuck é uma mãe estadunidense que foi pega de surpresa pelo machismo na última semana.

Por Ana Júlia Gennari, do  

Seu filho, Roo, de 3 anos e meio, é uma criança como outra qualquer. Uma criança que gosta de brincar com caminhõezinhos, com quebra-cabeças e que gosta de vestir saias de tule.

Quando questionado sobre o gosto pelo tule, o garoto responde que as saias fazem com que ele se sinta bonito e corajoso e que não há regras sobre “isso ser só para garotas e aquilo ser só para garotos”.

As imposições dos papéis de gênero ainda não chegaram a Roo — e Jen faz um ótimo trabalho tentando o manter longe delas.

Tudo corria bem, até que a mãe e o filho sofreram ataques verbais de um desconhecido na última semana.

Jen publicou o relato em seu perfil de Facebook na quarta-feira (24), que acabou viralizando com mais 43 mil compartilhamentos em apoio à mãe.

“Meu filho já usou sua saia na igreja, na padaria, no trem e brincando na caixa de areia. Na nossa parte do mundo, não é uma questão. á fizeram perguntas bem-intencionadas, nós respondemos, ficou tudo bem. TINHA ficado tudo bem, até ontem.”

Na publicação, Jen conta que o homem abordou os dois na rua de maneira agressiva. Ele invadiu um espaço que não era de sua competência e parecia já observá-los há algum tempo. “Eu só estou curioso. Por que você continua fazendo isso com o seu filho?”, questionou o rapaz.

Em seguida, ele falou diretamente ao garoto, que se assustou: “Ela não deveria continuar fazendo isso com você. Você é um menino, ela é uma mãe malvada. Isso é abuso’.”

Jen dissertou sobre o assunto, indigada:

“Ele não estava curioso. Ele não queria respostas. Ele queria que nós soubéssemos que o que meu filho estava fazendo – o que EU estava deixando o meu filho fazer – era errado.
Ele tirou fotos de nós, embora eu tenha pedido que ele não tirasse. Ele me ameaçou: ‘Agora todo mundo vai saber, você vai ver’.”

Este ataque demonstra como quebrar com as duras e tão arraigadas imposições estabelecidas aos gêneros incomoda tanto que chega a provocar a ira das pessoas.

Contudo Jen não se deixou abalar e escreveu que não será intimidada pelo ódio alheio, em contrapartida ela diz que vai “gritar o amor pelas esquinas”:

“Eu chamei a polícia. Eles vieram, fizeram seu relatório, elogiaram a saia do meu filho. Ainda assim, meu filho não se sente seguro hoje. Ele quer saber ‘O homem vai voltar? O homem mau? Ele vai falar coisas feias da minha saia de novo? Ele vai tirar mais fotos da gente?’.

 

Eu não posso dizer para o filho que o homem não virá, mas posso dizer isso: não serei intimidada. Não me farão vulnerável ou covarde. Não deixarei que um estranho raivoso diga ao meu filho o que ele pode ou não vestir.

O mundo pode não amar o meu filho pelo que ele é, mas eu amo. Eu fui colocada nesta terra para garantir que ele saiba disso.

Vou gritar o meu amor pelas esquinas.

Vou defender, gritando, o direito dele de andar na rua em paz, usando a roupa que quiser.

Vou mostrar para ele, do jeito que puder, que valorizo a pessoa que ele é, que confio na visão que ele tem para si e que apoio suas escolhas – não importa o que ninguém diga, não importam quem ou o quanto tentem pará-lo.

Nossa família tem um lema:

Nós amamos.
Nós somos gentis.
Nós somos determinados e persistentes.
Nós somos belos e corajosos.
Nós sabemos quem somos.

Estranhos raivosos não mudarão quem somos.
O mundo não mudará quem somos – nós mudaremos o mundo.

A publicação de Jen fez com que as pessoas se compadecessem com a causa e criou-se um movimento de apoio nas redes com a hashtag #tutusforRoo.

Diversos homens — e algumas mães de outros meninos — publicaram fotos vestindo saias de tule ou de outros modelos, com o intuito de quebrar com a ideia de que existem roupas “de menino” e “de menina”:

+ sobre o tema

Conselho define critérios para aborto de fetos anencéfalos

Interrupção da gravidez só é permitido após ultrassonografia assinada...

Alice Portugal: Leci Brandão é um exemplo para as brasileiras

Em discurso durante a sessão especial A Mulher e...

Convite: Abertura da Exposição 1000 Mulheres pela Paz ao Redor do Mundo

ATIVIDADES EM ARACAJU / SERGIPE Abertura da Exposição 1000 Mulheres...

Sakamoto: Que tal processar Tufão pela Lei Maria da Penha?

Eu era viciado em novelas – na época de...

para lembrar

Congresso argentino volta a discutir legalização do aborto

Milhares de pessoas voltarão, nesta quarta-feira (29), às ruas...

O que fala esse corpo de mulher? Sexismo, (in)correção política e Gisele Hope

Quando alguns personagens participam de determinadas discussões, inevitavelmente são...

Mulher julgada duas vezes por dar à luz bebê morto é absolvida em El Salvador

Um tribunal de El Salvador absolveu nesta segunda-feira (19) Evelyn Hernández,...

Nota de Repudio ao Governo de Santa Catarina

NOTA DE REPUDIO AO GOVERNO DO ESTADO DE SANTA...
spot_imgspot_img

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...
-+=