Mahershala Ali: “Um negro só vive tranquilo quando é famoso”

Indicado ao Oscar por ‘Green Book’ estrela a terceira temporada de ‘True Detective’

Por ROCÍO AYUSO, do El País 

Mahershala Ali em uma cena de ‘Green Book – O Guia’.

Não é a mesma coisa alcançar a fama depois de certa idade. As poucas pessoas que passam por isso tendem a ver a popularidade como algo temporário, um fenômeno interessante pelo qual talvez sejam gratas, mas que não as define, muito menos as exalta. Mahershala Ali, o ator de 44 anos que passou de coadjuvante em séries como House of Cards e Luke Cage a vencedor do Oscar por Moonlight: Sob a Luz do Luar e foi indicado novamente este ano por Green Book, é um bom exemplo. Se perguntado sobre o que mudou com a estatueta e ter se tornado um dos atores mais seguidos do momento, Ali responde pausadamente: “O Oscar lhes deu permissão para me contratar. Antes, talvez, também quisessem fazê-lo, mas agora tenho reconhecimento internacional suficiente para que tomem a iniciativa. Ouvem minhas ideias e me levam a sério, respeitam meu trabalho”. E onde está a cobiçada estatueta? Mesma pausa: “Está embrulhada em plástico-bolha porque acabei de me mudar.”

“Meu avô era policial”

Ali usou sua fama não para bater às portas da Marvel ou outra grande produtora que assine cheques milionários, mas para voltar à televisão. “Há muito tempo que, para mim, tanto faz o meio”, diz, dando de ombros. Em particular, insistiu em chamar a atenção do produtor Nic Pizzolatto e estrelar a terceira temporada de sua saga de policiais angustiados, True Detective. O resultado pode ser visto às segundas-feiras na HBO. “Tive que lutar pelo papel”, lembra. “Meu avô era policial nos anos sessenta e setenta. Levei fotos dele para Nic. Expliquei o que a história ganharia se o personagem fosse negro. E me ouviu”, afirma. Ali estava convencido de que este projeto era para ele. “É a melhor coisa que li. Um grande trabalho. Um filme de oito horas das boas, que não deixa você fazer mais nada enquanto está assistindo”, diz. E insiste que, se a televisão o chamar de novo, estará lá. “Não tenho vontade de me comprometer durante anos com uma série na qual não possa ter controle. Mas algo da qualidade de True Detective, a qualquer momento.”

Leia o texto completo aqui 

+ sobre o tema

Brasil é processado por chacinas que mataram 26 em corte internacional

Vinte anos após chacinas no Complexo do Alemão, ninguém...

Mulher negra filma ataque racista em posto de Salvador: “Odeio preto, não suporto”

Uma mulher negra foi vítima de racismo em uma loja de...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre...

Fejunes volta a pressionar governo após divulgação do Mapa da Violência

Entidade estuda acionar organismos internacionais para garantir políticas públicas...

para lembrar

spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=