quarta-feira, setembro 22, 2021
InícioÁreas de AtuaçãoDireitos HumanosMais de 30 organizações da sociedade civil lançam coalizão contra desigualdades

Mais de 30 organizações da sociedade civil lançam coalizão contra desigualdades

Um conjunto de quase 40 organizações da sociedade civil, que atuam com os mais diversos temas e agendas, lançou, em 25 de agosto, a ABCD (Ação Brasileira de Combate às Desigualdades), uma rede nacional comprometida com a redução das diversas desigualdades no Brasil, criada para diminuir a fragmentação e a dispersão de organizações que já atuam com o mesmo objetivo no país, promovendo articulação e parcerias ao redor do tema.

Com perfil “ecumênico” e agregador, a coalizão é formada por quase 40 organizações da sociedade civil, coletivos, movimentos sociais, culturais e religiosos, povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais, articulações setoriais e instituições acadêmicas.

O lançamento oficial aconteceu na noite desta terça, em live transmitida por canais de diversas integrantes da rede, com uma mesa formada por Douglas Belchior (UNEAFRO/Coalizão Negra por Direitos), Maria Sylvia Aparecida de Oliveira (Geledés), Neca Setubal (Fundação Tide Setubal) e Oded Grajew (Oxfam Brasil, Rede Nossa São Paulo, Instituto Ethos).

“A ideia da ABCD é unir esforços para, entre outras coisas, visibilizar, viabilizar e apoiar iniciativas das organizações que integram a rede. Não podemos mais tratar as desigualdades do Brasil como algo natural”, explicou Oded, em sua fala sobre a ABCD, que atuará por meio de ações diversas e complementares. Alguns exemplos são: facilitação e realização de iniciativas complementares ou conjuntas de combate às desigualdades pelas organizações participantes; divulgação de dados e análises para subsidiar o debate sobre esse tema na esfera pública; disseminação de informações em formatos inovadores; e ações culturais de comunicação e mobilização.

Criada em momento agudo para a sociedade brasileira, com uma pandemia que acirra e deixa ainda mais evidentes as nossas desigualdades crônicas, o primeiro objetivo da ABCD é incidir na pauta das eleições municipais programadas para novembro, com promoção de debates e disseminação e fortalecimento de iniciativas que reduzam as desigualdades no âmbito municipal. “Saúdo essa iniciativa, que quer provocar a elaboração política macro, com boa vontade de construir esse futuro alternativo”, discursou Douglas Belchior, apoiando-se numa das primeiras ações da frente. “Parte da importância da rede é essa união ao redor da constatação de que as desigualdades foram construídas, são resultado da ação humana, e, portanto, podem ser desconstruídas pela vontade humana também”, completou.

Maria Sylvia trouxe a expressão “matriarcado da miséria”, cunhada pelo poeta negro e nordestino Arnaldo Xavier, para designar a experiência histórica das mulheres negras, que estão na ponta das diferentes desigualdades, invariavelmente sendo afetadas por todas elas. “Essa experiência [das mulheres negras] é marcada pela exclusão, discriminação e rejeição social, e mesmo assim o papel de resistência e liderança dessas mulheres continua evidente; basta ver o que acontece nesta pandemia.”

Para a rede ABCD, o quadro de desigualdades extremas do Brasil é resultado da estrutura econômica e tributária e de uma série de políticas públicas e ações da sociedade implementadas ao longo do tempo que aprofundaram o quadro e que podem e devem ser desconstruídas. Essa desconstrução passa, por exemplo, por uma nova e equitativa política tributária; aperfeiçoamento do sistema político para ampliar a representatividade de grupos menos representados, como mulheres, negros e povos indígenas; revisão de políticas de austeridade, como o chamado “Teto de Gastos”; garantia de uma política de segurança pública voltada à proteção da vida de todas e todos, entre muitas outras medidas.

Segundo Neca Setubal, a sociedade brasileira chegou com muito atraso para o enfrentamento das desigualdades, mas a pandemia trouxe o debate que agora não pode ser mais ignorado. “E não é com ação voluntarista, como Dom Quixote lutando contra o moinho, mas com ações estratégicas, que atuam em todas as questões e passam, principalmente, pelas discussões territoriais, educacionais e tributária”, finalizou.

Confira a seguir o lançamento da ABCD e a íntegra da conversa entre os convidados.

Foto em destaque: Reprodução/ Fundação Tide Setubal

RELATED ARTICLES