Malcomidas: página do Facebook prega ódio e desvalorização da mulher

Misoginia, gordofobia e machismo: a decadência das redes sociais em uma página de “humor”

“Zuar, zuar e zuar”, assim se define uma página do Facebook intitulada “Malcomidas”, seguida por 19 mil pessoas e com um só objetivo: pregar o desrespeito, violência e a desvalorização da mulher por meio de postagens preconceituosas e ofensivas.

Mas no Brasil e no mundo, o cenário de opressão vivido pela população feminina não sugere nenhum tipo de “zoeira” ou qualquer forma de humor. A suposta piada, que nunca existiu, acaba por aqui.

malcomidas3

Abaixo, você, leitor, saberá por que:

Emprestamos dados recentes de uma pesquisa que avalia e denuncia a situação da mulher no Brasil, um país onde eu, você ou qualquer pessoa convive com a violência praticada de forma explícita e declarada. As informações são do site “Compromisso e Atitude”. 

Esses dados foram revelados no Balanço dos atendimentos realizados em 2014 pela Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR).

  •  43% das mulheres em situação de violência sofrem agressões diariamente;para 35%, a agressão é semanal.
  •  Em relação ao momento em que a violência começou dentro do relacionamento, os atendimentos de 2014 revelaram que os episódios de violência acontecem desde o início da relação (23,51%) ou de um até cinco anos (23,28%).
  • Em 2014, do total de 52.957 denúncias de violência contra a mulher, 27.369 corresponderam a denúncias de violência física (51,68%),16.846 de violência psicológica (31,81%), 5.126 de violência moral (9,68%), 1.028 de violência patrimonial (1,94%), 1.517 de violência sexual (2,86%), 931 de cárcere privado (1,76%) e 140 envolvendo tráfico (0,26%).
  • Dos atendimentos registrados em 2014, 80% das vítimas tinham filhos, sendo que 64,35% presenciavam a violência e 18,74% eram vítimas diretas juntamente com as mães.
  • Entre 1980 e 2010 foram assassinadas mais de 92 mil mulheres no Brasil, 43,7 mil somente na última década. Segundo o Mapa da Violência 2012 divulgado pelo Instituto Sangari, o número de mortes nesse período passou de 1.353 para 4.465, que representa um aumento de 230%.
  • Já o Mapa da Violência 2013: Homicídios e Juventude no Brasil revela que, de 2001 a 2011, o índice de homicídios de mulheres aumentou 17,2%, com a morte de mais de 48 mil brasileiras nesse período. Só em 2011 mais de 4,5 mil mulheres foram assassinadas no país.

Após todos estes dados, encerramos a nota com as fotos publicadas pelos administradores da página “Malcomidas”: 

malcomidascapa2malcomidas.9-372x600 malcomidas6 malcomidas7

+ sobre o tema

Gente boa também mata

Por Lelê Teles, enviado para o Portal Géledes Quem reclamou...

Pai denuncia estupro da filha após ouvir áudio de padrasto pedindo foto íntima

Além do padastro da menina, amigo dele, personal trainer,...

Brasil é quarto país no ranking global de casamento infantil

O casamento infantil responde por 30% da evasão escolar...

Opinião: O sistema penal não pode proteger as mulheres da violência

Pesquisadora pergunta de que maneira o feminismo pode abordar...

para lembrar

“Ele é agressivo verbalmente e não percebe”

E é muito difícil explicar para ele que a...

Kalungas acreditam na educação para salvar meninas da violência sexual

Para a comunidade, a solução virá de dentro e...

A desumanização das vitimas de feminicídio

A violência doméstica mata:  Por hora 5 mulheres em...

Por um Natal em que os homens lavem a louça

Natal é para ser uma época de amor, família,...
spot_imgspot_img

Misoginia e racismo na renúncia em Harvard

Muitos têm sido os desdobramentos da guerra em Gaza, cujos efeitos se estendem para além da catastrófica situação da população palestina. Os EUA têm sido especialmente tensionados pela...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...
-+=