Manifesto da Frente de Mulheres Negras do Distrito Federal e Entorno pela democracia, contra o golpe, contra o racismo, o sexismo e pelo bem viver

Nós, Mulheres Negras, reunidas na Frente de Mulheres Negras do Distrito Federal, vimos a público repudiar todos os artifícios e manobras que ponham em risco a democracia em nosso país.

Enviado para o Portal Geledés

Entendemos que o resultado das eleições que elegeu a Presidenta Dilma Rousseff tem que ser respeitado, uma vez que representou o voto da maioria das brasileiras e brasileiros, e que qualquer movimentação que se faça para destítui-la do exercício deste direito afronta a Constituição Federal, o que precisa ser impedido e repelido com vigor.

Repudiamos a forma machista, sexista e misógina com que a Presidenta da República, Sra. Dilma Rousseff, desde eleição e reeleição tem sido tratada pelo parlamento brasileiro, pela mídia e parte do judiciário brasileiro.

Afirmamos que essa crise é forjada pela elite branca, que cada dia acumula mais lucro, seja através das especulações e visa privatização de todas as riquezas produzidas pelo conjunto da população brasileira.

No entanto, nos posicionamos também contrárias à política econômica, social e ambiental que têm sido implementadas no atual governo, que vitimiza e precariza a vida das mulheres negras e de nossas filhas e filhos, sejam urbanos e rurais:

– Que promove a remoção racista de nossas comunidades para atendimento de grupos de empresários, atingindo fundamentalmente, as mulheres negras, imensa maioria das chefes de familias;

– Que na incapacidade de gestar uma política de segurança publica impõem nas comunidades, juntamente com os governadores a força nacional de segurança que produz a extrema insegurança, o encarceramento desenfreado, a violência e assassinatos para a população negra;

– que mata as mulheres negras ao dificultar o acesso aos serviços de saúde e pela negligência racista no atendimento;

– que autoriza que nossos saberes/conhecimentos tradicionais sejam apropriados por industrias de cosméticos, moda e farmacêutica;

– que silencia mediante o quadro de violência racial, sexista e patriarcal, em que a violência doméstica e o feminicídio atinge nossos corpos;

– que investe pouco nos fins dos critérios racistas e sexistas no mercado de trabalho;

– entre inúmeras outras questões de gestão estatal a serem abordadas.

Lutamos também, contra o esfacelamento dos direitos das mulheres, dos negros, dos LGBTs, dos índios, que, em um misto de cinismo, reacionarismo e de pretensão de controle sobre as mentes e vidas da população, têm sido constante e extensivamente Câmara dos Deputados e Senado Federal.

Estamos nas ruas em luta, reivindicando a cidadania das mulheres negras, secularmente invisibilizadas, defendemos o Estado Democrático de Direito, princípio basilar da democracia e seguimos em Marcha Contra o Racismo, à Violência e pelo Bem Viver.

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

Quero poder falar sobre mim mesma como negra

Fonte: Brasil de Fato - Cida Bento, do...

Veja o que abre e o que fecha no feriado de Corpus Christi

Fonte: UOLO que abre e o que...

Preconceito racial e discriminação racial são duas coisas diferentes

por: Luís Fernando Verissimo O preconceito é um...

Mais de 90% dos participantes do Bolsa Família cumpriram frequência escolar

Acompanhamento dos estudantes beneficiários do programa revelou que o...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=