Manifesto de artistas orientais pede o fim da “discriminação étnica” na TV

Um manifesto assinado por cerca de 200 artistas brasileiros de ascendência oriental será lançado na noite desta quarta-feira (31) em São Paulo. O texto pede o fim da “discriminação étnica que ocorre em algumas produções de audiovisual que retratam o oriental de forma estereotipada, preconceituosa e distorcida da realidade”.

Por Mauricio Stycer Do Mauricio Stycer

Não há nenhuma menção a “Sol Nascente” no texto que será lido em evento no espaço B_arco Centro Cultural. Mas a novela da Globo, que estreou nesta segunda-feira (29), foi o óbvio pretexto que levou a enorme comunidade de descendentes de japoneses, chineses e coreanos, entre outros, a se manifestar.

O motivo da indignação foi a escolha do elenco, em particular dos dois protagonistas do núcleo oriental da trama de Walter Negrão, Suzana Pires e Júlio Fischer – os atores Luis Melo e Giovanna Antonelli.

kenkaneko2-300x257

O ator Ken Kaneko chegou a ser cotado para o papel de protagonista, mas foi descartado, segundo Negrão, por causa da idade. Kaneko é dois anos mais jovem que Francisco Cuoco, o outro protagonista da trama. Sobre a escolha de Antonelli, o autor disse, em entrevista ao site Ego: ”Tentamos achar nos testes uma protagonista japonesa, mas não encontramos uma com status de estrela. Eu precisava disso, a Globo queria uma estrela. Novela tem um custo muito alto, não dá para arriscar”.

cristinasano-300x218

“Luis Melo é um excelente ator. Nada contra ele nem contra a Globo”, diz a atriz Cristina Sano (foto), conhecida por vários papeis em novelas da emissora, como “Roda de Fogo”, “Bebê a Bordo”, “Morde e Assopra”. “A questão é da falta de representatividade. Todos estão muito indignados. Os japoneses estão ao fundo e o núcleo é a Antonelli e o Luis Melo”.

Em sua página no Facebook, o grupo esclarece que “não é a favor de nenhum tipo de boicote ou movimento que vá contra a livre expressão e a democracia”. Por outro lado, como diz no manifesto, o coletivo entende que “frente às desigualdades existentes, não basta rejeitar as práticas de discriminação, mas sim realizar ações que possam corrigir distorções e aproximar indivíduos”.

Assinam o texto, entre outros atores, Ken Kaneco, Marcos Miura, Keila Fuke, Jui Huang e Maya Hasegawa. Abaixo, a íntegra do manifesto:

Manifesto do COLETIVO ORIENTE-SE no Brasil pela Igualdade Étnica

Nós, artistas e profissionais das artes com ascendência oriental, seja japonesa, chinesa ou coreana, reivindicamos por igualdade no tratamento justo a todos os cidadãos, repugnando práticas de discriminação étnica que ocorrem em algumas produções de audiovisual que retratam o oriental de forma estereotipada, preconceituosa e distorcida da realidade. Em especial para produções populares de rede aberta como novelas, seriados e comerciais que atingem a maioria da parcela dos cidadãos brasileiros, influenciam diretamente a sociedade promovendo às vezes, o conceito deturpado e negativo, denegrindo a imagem dos orientais e educando as novas gerações com a visão preconceituosa contra a nossa comunidade.

Somos parte integrante da sociedade brasileira, nascemos, vivemos e contribuímos com muito trabalho para o enriquecimento e desenvolvimento de nossa nação. Ter a presença de atores e artistas orientais em produções de audiovisual em papéis não estereotipados e de forma respeitosa, é o mínimo e o justo que a comunidade oriental brasileira merece em retribuição e gratidão por mais de um século de história em terras brasileiras. Somos brasileiros e exigimos respeito para com todos, independentemente de sua ascendência. A diversidade étnica, social
e/ou de gênero é fundamental e necessária para o crescimento de qualquer cidadão.

Entendemos que, frente às desigualdades existentes, não basta rejeitar as práticas de discriminação, mas sim realizar ações que possam corrigir distorções e aproximar indivíduos. É responsabilidade de cada um de nós brasileiros, promover a igualdade no cotidiano, através de nossos atos, trabalhos e postura. É de extrema importância que os profissionais que atuam diretamente na concepção e produção de obras de audiovisual, tenham a consciência de que a sua criação pode influenciar positivamente a nossa sociedade e difundir a diversidade. Cabe também a nós, artistas orientais brasileiros, fomentar a imagem positiva de nossa comunidade, através de nosso trabalho artístico, para que as futuras gerações possam se olhar com a autoestima de um cidadão brasileiro pertencente a esta nação.

A partir de 01.09.16, O Coletivo Oriente-se divulgará, semanalmente, um vídeo inédito através do Canal do Youtube (www.youtube.com/coletivoorientese) retratando o oriental como cidadão brasileiro, com dilemas, humor, drama e interagindo com outras etnias, afim de promover a diversidade humana!
São Paulo, 31 de agosto de 2016.

+ sobre o tema

Câmara pretende ouvir Janot sobre equiparação de homofobia a racismo

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara...

Não entendemos errado, o que aconteceu com Angelo Assunção foi racismo

A sofisticação do racismo brasileiro está no fato de...

Candomblecista da Vila Autódromo Descreve o Terror do Processo de Remoção

Moradora removida da Vila Autódromo, Heloisa Helena Costa Berto,...

para lembrar

Cartório para vítimas de homofobia e racismo vai ser inaugurado na segunda-feira

Canoas irá inaugurar nesta segunda-feira, 11, o Cartório Especializado...

“O que é Privilégio”? Ou, há mesmo “meritocracia”? Faça o teste

Por  Alexandre Bahia Do Alex Processo Abaixo a tradução do teste: Quantos...

São João de Meriti lança campanha contra a intolerância religiosa

A ialorixá Mãe Martha Britto ainda lembra assustada dos...

Daiane dos Santos: ‘Na seleção, não queriam usar o mesmo banheiro que eu’

A ex-ginasta Daiane dos Santos falou sobre atos de...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=