Marinalva Almeida – Atleta Paralímpica: “O Brasil não precisa de Photoshop para representar nossas deficiências.”

Marinalva de Almeida, faz 39 anos ( hoje é seu aniversário), mãe de 03, atleta paralímpica e sobretudo, uma mulher de garra, que luta a cada dia para vencer os obstáculos e inspirar outras pessoas que assim como ela, são deficientes físicas a saírem do anonimato e serem donos de sua própria história. Aos 14 […]

Por VIVIANE DUARTE, do Plano Feminino 

Marinalva de Almeida, faz 39 anos ( hoje é seu aniversário), mãe de 03, atleta paralímpica e sobretudo, uma mulher de garra, que luta a cada dia para vencer os obstáculos e inspirar outras pessoas que assim como ela, são deficientes físicas a saírem do anonimato e serem donos de sua própria história.

Aos 14 anos Mari perdeu sua perna esquerda num acidente de moto – ela conduzia o veículo sozinha. Superou a perda e aprendeu desde cedo a cair e levantar. Passou a frequentar o Centro de Educação Multidisciplinar ao Portador de Deficiência Física (Cemdef) e a aprender com os outros colegas a ter coragem para lutar e fazer acontecer. Ali começou sua história com o esporte. E entre o casamento na adolescência (17 anos), gestação dos 03 filhos, trabalho duro e superações, ela teve o convite para começar a correr – DE MULETAS! Aceitou e retomou com tudo sua vida no esporte. Logo vieram os resultados da dedicação: em 2012 foi a primeira mulher a concluir a São Silvestre de muletas – foram 15 KM em 2h19, entre outras conquistas.

Hoje, Mari é velejadora e treina na Ilha de Guanabara – Niterói – RJ. Local que receberá as provas de vela adaptada da paraolimpíadas.

Uma mulher de garra, que sempre lutou para que as pessoas não a vissem com ar de piedade, mas sim, como igual. Que treina todos os dias com toda a dedicação não apenas com foco na medalha olímpica, mas nas pessoas que poderão se inspirar em sua história e sua luta e vitória.

14114463_10209574894036643_1211193576_o-705x1024

Foto: João Augusto de Oliveira

 

“Sou vaidosa, amo salto, amo o que sou. Gosto da imagem da mulher que me tornei. Esta sou eu. Esta é minha história. Poder ter o direito de protagonizar um momento tão importante como o das Paralímpiadas no Brasil no meu lugar de fala é essencial para que as pessoas enxerguem e aprendem a lidar com a inclusão, diversidade e cidadania. Nossa imagem nos basta.”

Mari se refere à campanha criada pela agência África com os globais Cleo Pires e Paulo Vilhena, que aparecem amputados nas peças, “sentindo na pele” o lugar de fala dos atletas paraolímpicos  e convidando as pessoas a exercerem a empatia junto a eles. Será mesmo que os atletas não chamariam a atenção do público com suas próprias histórias? Tendo seus embaixadores globais endossando e dando protagonismo para eles, ao invés de endossarem mais uma vez a invisibilidade de pessoas tão inspiradoras como a Mari, a Bruna, a Camille e tantas outras atletas paraolímpicas?

14139249_10209574899996792_864877406_o-682x1024

Foto: Amanda Paluzzi

Esta é a resposta da atleta Marinalva de Almeida:

“Nosso país está passando pelas mais variadas crises, financeira, de saúde, política, entre outras. Nosso povo é um povo guerreiro que tem que se superar a cada dia. Nossas mães acordam cedo, deixam seus filhos e vão à luta em ônibus lotados e isso sem falar na violência que nos assombra a cada esquina. Estamos buscando uma vida mais digna e todos sem exceção buscam uma vida melhor. Pessoas negras buscam a Igualdade racial, gays e lésbicas buscam a felicidade e simplesmente o direito de amar aqueles que lhes aprazem. Pessoas com deficiências, como também faz a grande maioria dos brasileiros, acordam cedo, pegam aquele mesmo ônibus lotado e sentem todas as dificuldades de um Brasil sem acessibilidade. Essas mesmas pessoas com deficiência são mães, pais, filhos e cidadãos que buscam realizar seus sonhos e serem protagonistas de sua própria história, como qualquer outra pessoa. O Brasil não precisa de Photoshop para representar nossas deficiências, pois já sabemos que elas estão em toda parte. O que precisamos nesse momento é de coragem para nos reerguermos, assumirmos nossas deficiências e fazermos delas um bom motivo para encarar todas as diversidades. Não somos todos paralímpicos, mas somos todos brasileiros, com necessidades, sonhos, decepções e grandes alegrias. A essência não se difere pelo corpo mas sim pela alma.”

Leia Também:

Negra e com deficiência, rapper Yzalú acusa campanha da Vogue de “black face”

Capacitismo não tem fim. Sanidade editorial, sim

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

Como as cotas raciais transformaram a vida de Mariana Fernandes

Ela foi a primeira da família a conquistar um...

Um olhar sobre as mulheres negras e o ensino superior no Brasil

Se é factual que a política das cotas raciais...

Só seremos uma potência quando a educação chegar para todos

Durante cerimônia de inauguração do campus avançado da Universidade...

MEC limita idade para aluno entrar no 1º ano

Segundo projeto que será enviado ao Congresso, só crianças...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=