Manifesto por juristas negras no Supremo Tribunal Federal

A construção histórica do Brasil registra recorrentes interrupções na formação de sua identidade democrática, sobressaindo forte traço autoritário que remete à mais longeva escravização das Américas, cujo autoritarismo é intrínseco ao mais radical sistema de exploração humana.

Sob tal perspectiva, a última década já está marcada por um profundo déficit democrático – um processo de impeachment sem cometimento de crime de responsabilidade ganhou a forma política de golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, culminando com a prisão e banimento do ex-presidente Lula da vida política pela via de falseado processo judicial desmascarado somente após o êxito eleitoral do projeto político manifestamente descolado do arcabouço constitucional democraticamente consagrado pela Constituição Federal de 1988.

Sim, para além de proclamar a República Federativa em um Estado Democrático de Direito, o Preâmbulo da Constituição cidadã assenta estar o Brasil “(…) destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bemestar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias (…)”.

Decorridostrinta e quatro anos de vigência da Carta de 1988, podemos asseverar que a missão primordial do país está longe de ser atingida; os níveis de desigualdades sociais impõem concluir que os agentes políticos não se ajustaram aos preceitos constitucionais na consecução de macropolíticas desenvolvimentistas,retroalimentando um país absolutamente perverso com seu povo e que mantém instituições do sistema de justiça que contribuem sobremaneira para a reiteração das iniquidades e que impedem o exercício da cidadania, o respeito à dignidade humana, como princípio fundante da República, de 56% da população da população brasileira, que é negra, conforme o IBGE.

Ao mesmo tempo, à luz da ordem internacional com a qual o Brasil se compromete, citamos o último documento firmado, em 2022, com a promulgação da Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância, além dos compromissos programáticos com os Objetivos de Desenvolvimento Social (ODS), de onde extraímos o Objetivo 16: “Paz, justiça e instituições eficazes: promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis”.

Embora cogentes as normas do direito interno e internacional, as ações já intentadas se mostram insuficientes e incapazes de realizar a equidade no acesso às oportunidades, especialmente quando se trata da ocupação de espaços de poder nas esferas legislativa, executiva e judiciária, ganhando dimensões ainda mais graves de exclusão quando a intersecção discriminatória articula as categorias de raça e gênero, demonstrando persistente e mesmo sistemática exclusão das mulheres negras na partilha e gestão dos poderes.

Sobre o sistema de justiça que buscamos, elevando a qualificação da prestação jurisdicional do Estado, também a composição dos órgãos deve guardar consonância com a diversidade da população ou, noutros termos, há que se ter o máximo espelhamento das diversidades humanas do povo da Nação que se quer construir. 

Dentre as ausências que arranham a capacidade de percepção da realidade posta à apreciação jurídica estatal, sobressai a efetiva interdição às mulheres negras da ocupação de vagas no Supremo Tribunal Federal. Embora conte com a presença de mulheres desde o ano 2000, não há razoabilidade para que jamais uma jurista negra tenha tido assento na Corte Suprema do Poder Judiciário. Nesse momento em que empreendemos a reconstitucionalização do país, emerge a singular oportunidade de supressão desa lacuna reveladora da baixa intensidade da democracia brasileira. 

Evidentemente, há muitas mulheres negras com notório saber jurídico e reputação ilibada, que assim preenchem os requisitos constitucionais para serem Ministras do STF. Ademais, muitas são também comprometidas com o espírito emancipatório e progressista inerente à nossa Constituição Federal e com os direitos de trabalhadoras e trabalhadores em geral, foco desse Governo de Reconstrução. 

Na certeza de que a atuação jurídica de mulheres negras permite a oferta de um rol que reúne os atributos constitucionais e a legitimação social que deve ser cotejada pelo Presidente da República para levar sua indicação ao Senado Federal, as entidades subscritoras sustentam a pertinência da indicação de juristas negras para ocupar vagas de ministras no Supremo Tribunal Federal! 

Brasília/DF, 08 de março de 2023. 

Assinam este Manifesto as seguintes instituições:

  1. Movimento Negro Unificado (MNU), representado por Iêda Leal;
  2. Instituto Marielle Franco, representado por Ligia Batista;
  3. Instituto da Mulher Negra (GELEDÈS), representado por Maria Sylvia de Oliveira;
  4. Criola, representada por Lúcia Xavier;
  5. Uneafro Brasil, representada por Beatriz Lourenço;
  6. Coalizão Negra por Direitos;
  7. Sindicato das Trabalhadoras Domésticas (SINDOMESTICO/MA), representa do por Valdelice de Jesus Almeida;
  8. Mulheres Negras Decidem, representada por Tainah Pereira;
  9. Universidade do Estado da Bahia (UNEB), representada por Adriana Marmori;
  10. Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (International Institute on Race, Equality and Human Rights), representado por Rodnei Jericó;
  11. Fòs Feminista – International Alliance for Sexual and Reproductive Health, Rights and Justice, representada por Giselle Carino;
  12. Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos das Mulheres (CLADEM-Brasil), representado por Ingrid Leão;
  13. Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada, representada por Teresinha Vicente;
  14. Federação de Estudantes de Direito Africanos (FALAS), representada por Alfred Dei;
  15. Instituto Cultural Steve Biko (BA), representado por Jucy Silva;
  16. Instituto de Acesso à Justiça (Porto Alegre/RS), representado por Livia Prestes;
  17. Instituto Hori – Educação e Cultura, representado por Cristiano Pedreira;
  18. Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), representada por Iraneide Soares da Silva;
  19. Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), representada por Gustavo Coutinho;
  20. Associação Brasileira de Estudos da Trans-Homocultura (ABETH), representada por Jaqueline Gomes de Jesus;
  21. Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), representada por Keila Simpson;
  22. Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero (GADvS), representado por Paulo Iotti;
  23. União Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, representada por Silvia Cavaleire;
  24. Associação Protetora dos Desvalidos, representada por Lígia Margarida Gomes;
  25. Associação Terreiro do Cobre. Atividade Cultural, Beneficente e Religiosa, representada Vilma Reis;
  26. Movimento Nacional População de Rua (MNPR/BA), representado por Maria Sueli Sobral de Oliveira;
  27. Coalizão Nacional de Mulheres, representada por Adriana Cecilio Marco dos Santos;
  28. Fórum Nacional de Juízas e Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher ( FONAVID), representado por Katerine Jatahy Kitsos Nygaard;
  29. Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (RENFA), representada por Luana Malheiro e Ingrid Farias;
  30. Rede Nacional de Mulheres Negras no Combate à Violência, representada por Silvana Veríssimo;
  31. Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas, representada por Dudu Ribeiro;
  32. Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), representado por Pablo Nunes;
  33. Rede de Historiadoras/es Negras/os;
  34. Articulação Nacional de Psicólogas/os/es Negras/os/es e Pesquisadoras/es (ANPSINEP), representada por Maria Conceição Costa;
  35. Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Amerindia (AFA), Leonel Antonio Monteiro Pinto;
  36. Rede Brasileira de Conselhos (RBdC), representada por Milena Franceschineli;
  37. Mulheres de Axé do Brasil, representadas por Iyálaxé Juçara Lopes Santos Pontes;
  38. Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público, representado por sua coordenação nacional;
  39. Coletivo por um Ministério Público Transformador (MP Transforma);
  40. Movimento Elas (Ministério Público do Estado de Minas Gerais – MPMG), representado por Maria Clara Azevedo;
  41. Instituto Baiano de Direito e Feminismos (IBADFEM), representado por Lize Borges Galvão;
  42. Selo Juristas Negras, representado por Chiara Ramos;
  43. Abayomi Juristas Negras, representada por Débora Gonçalves;
  44. Blacksisters in Law, representada por Dione Assis;
  45. Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica – Comissão do Estado de Minas Gerais, representada por Kárin Liliane de Lima Emmerich e Mendonça;
  46. Comissão Antirracismo da Associação Nacional dos Procuradores Municipais (ANPM), representada por Maria Antônia;
  47. Comissão de Igualdade Racial da OAB – Barra/RJ, representada por SuelyBeatriz Ferreira;
  48. Comissão de Segurança Pública da OAB- RJ, representada por Monique Damas da Costa Andrade;
  49. Dororidade Jurídica (Rio de Janeiro/RJ), representada Mariangela de Castro;
  50. Associação Advocacia Preta Carioca – Umoja, representada por Angela Borges Kimbangu;
  51. Associação Tamo Juntas – Assessoria Multidisciplinar Gratuita para Mulheres em Situação de Violência, representada por Maria Letícia Dias Ferreira;
  52. Associação Elas Existem – Mulheres Encarceradas, representada por Caroline Bispo;
  53. Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas, História, Educação das Relações Raciais e Gênero (GEPPHERG-UnB), representado por Renísia Cristina Garcia Filice;
  54. Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal de Uberlândia (NEAB/UFU), representada por Jane Maria dos Santos Reis;
  55. Grupo de Estudos Feminismos Negros Marielle Franco (São Luís/MA), representado por Francilene do Carmo Cardoso;
  56. Centro de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Gênero, Raça e Etnia (CEPEGRE), representado Cíntia Santos Diallo;
  57. Laboratório de estudos e pesquisas em Afrocearensidade, gênero e família (Nuafro) da Universidade Estadual do Ceara (UECE), representado por Maria Zelma de Araújo Madeira;
  58. Laboratório de Estudos e Pesquisas da Diversidade da Amazônia Legal (LEAL – Mato Grosso), representado por Lisanil da Conceição Patrocínio Pereira;
  59. Coletivo Pretas Ruas (Rio de Janeiro/RJ), representado por Pamella Cristina de Oliveira;
  60. Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço, representada por Ana Gualberto;
  61. Grupo Couraça (São Paulo), representado por Joyce de Melo Alves;
  62. Movimento de Mulheres do Subúrbio Ginga (Salvador/BA), representado por Edna Pinho;
  63. Coletivo Iya Akobiode (Salvador/BA), representado pela Iyalorixá Jaciara Ribeiro;
  64. Coletivo Fala Akari (Rio de Janeiro/RJ), representado por Buba Aguiar;
  65. Conselho InterReligioso da Bahia, representado por Márcia Maria Ferreira de Brito Lima (Ìyá Márcia d’Ògún);
  66. N’zinga – Coletivo de Mulheres Negras de Minas Gerais, representado por Ayala Santero;
  67. Maria Mulher – Organização de Mulheres Negras, representada por Sandra Helena Maciel;
  68. Coletivo Maria Felipa (Coletivo de Servidoras/es Públicos do Ministério Público do Estado da Bahia), representada por Andréia da Cruz Oliveira;
  69. Coletivo Fala Alto (Recife/PE), representado por Carolina Barros;
  70. Terreiro das Pretas, representado por Valéria Gercina das Neves Carvalho;
  71. Grupo de Valorização Negra do Cariri (GRUNEC), representado por Livia Maria Nascimento Silva;
  72. Movimento Rolezinho das Caras Pretas (Salvador/BA), representado por Ana Célia da Silva;
  73. As Guardiãs da Pedra de Xangô (Salvador/BA), representadas por Mãe Diala – Lindinalva Brasília dos Santos;
  74. Rede de Mulheres de Terreiro da Bahia, representada por Denise Ribeiro;
  75. Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra e Promoção da Igualdade Racial (COMPIR – Sorocaba/SP), representado por José Marcos de Oliveira;
  76. Conselho Municipal das Comunidades Negras de Salvador (CMCN), representado por Evilasio da Silva Bouças;
  77. Instituto de ReferênciaNegra Peregum, representado por Vanessa Nascimento;
  78. Redes de Desenvolvimento da Maré, representada por Eliana Sousa Silva;
  79. Coletivo Caranguejo Tabaiares Resiste (Recife/PE), representado por Sarah Marques;
  80. Coletivo Pais Pretos Presentes, representado por Luciana Rodrigues Martins;
  81. Coletivo Quilombo Oxê, representado por Amanda Clara Soares Medina;
  82. Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa/MA, representado por Vinólia Andrade;
  83. Diretoria de Estudos e Pesquisas Afrorraciais (DIEPAFRO), representado por Cristiane Coppe de Oliveira;
  84. Coletivo DAN EJI/MA, representado por Iyalorixá Josilene Brandão;
  85. Rede de Mulheres Negras da Bahia, representada por Lindinalva de Paula;
  86. Movimento Nacional de Catadores e Catadoras de Material Reciclável do Estado do Rio de Janeiro, representado por Claudete Costa;
  87. Grupo de Pesquisa em Educação, Diversidade, Linguagens e Tecnologia (GEPEDET) IF Baiano (Instituto Federal Baiano), representado por Izanete Marques e Queila oliveira.;
  88. Centro de Referência Integral para Adolescentes (CRIA), representado por Fátima Froes;
  89. Programa de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Minas Gerais, representado por Natalino Neves da Silva;
  90. Frente de Mulheres Negras do Distrito Federal, representada por Graça Santos;
  91. Coletivo Cultural Samba de Roda, representado por Fernanda Machado;
  92. Coletivo Mangueiras, representado por Henrique Costa;
  93. Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD);
  94. Grupo Prerrogativas;
  95. Coletivo de Defensoras e Defensores pela Democracia;
  96. Associação da Advocacia Pública pela Democracia;
  97. Coletivo Juristas Negras, representado por Simone Henrique;
  98. Associação dos Advogados da Zona Oeste (AAZO), representado por Nivia Mendonça;
  99. Comissão OAB Vai à Escola da 58ª Subseção do Rio de Janeiro, representada por sua presidente Pamella Cristina de Oliveira da Silva;
  100. Associação Mulheres de Peito e Cor, representado por Jacqueline Fernanda da Silva Faria.

+ sobre o tema

‘Sobrevivi à chacina da Candelária, me formei e levei arte à Casa Branca’

"Há 29 anos eu morava na rua quando aconteceu...

Brasil está entre os 25 países com maior taxa de assassinato de mulheres

El Salvador é o país com mais feminicídios; Cerca...

Quem são as cientistas negras brasileiras?

As mulheres negras que realizam pesquisas voltadas para ciências...

Mulheres são maioria entre empregados de fundações privadas, mas ganham menos

As mulheres representavam 62,9% do pessoal assalariado das fundações...

para lembrar

Preconceito e racismo: cadeia e multa para marginais

A Justiça fluminense deu um passo adiante na punição...

Alunas fazem mobilização pelo uso de shorts em escola de Porto Alegre

Petição online "Vai ter shortinho, sim" já tem mais...

Mentor do estupro coletivo de Queimadas é condenado a 108 anos de prisão

Após 19 horas de julgamento, Eduardo dos Santos Pereira...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=